carregando
Indy

Honda começa na frente, mas Portland vê favoritos próximos. Melhor para Newgarden

Dois pilotos da Honda lideraram os treinos livres de sexta-feira em Portland, mas nada que tenha sido dominante. Josef Newgarden esteve sempre próximo da ponta e próximo dos rivais diretos, ou seja, foi um primeiro dia ideal para ele

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Não foi uma sexta-feira (30) de claras e conclusivas impressões da Indy em Portland, é importante já abrir assim. Ninguém se destacou muito, nenhuma equipe pareceu muito na frente das outras, mas a Honda, com maior ou menor margem, esteve no comando das ações dos dois treinos livres. Já é alguma coisa.
 
Mas não dá também para cravar que a pole fique entre os carros da montadora japonesa justamente pelo fato de que, no TL2, a distância caiu bastante e a Penske, que é uma enorme potência do grid, colou na briga para a Chevrolet. Há uma vantagem, mas nada muito significativo.
 
Outro fator importante dos primeiros dois treinos foi quem esteve na dianteira. Colton Herta puxou a fila do TL1, enquanto Sébastien Bourdais comandou o TL2. Nenhum dos dois, obviamente, briga pelo título em 2019.
Sébastien Bourdais surpreendeu no TL2 (Foto: Indycar)
E é justamente aí que a coisa fica boa para Josef Newgarden e que, provavelmente, temos algo a tirar de concreto do dia. Como acontecera em Gateway, deu total impressão de que o americano não forçou nos treinos livres e apenas cercou o terreno, acompanhou os líderes.
 
"Eu acho que tenho a perder porque estou em uma posição favorável. Eu não penso que é uma posição segura, mas é favorável. Se perdermos, provavelmente vai doer mais. Se você é um dos outros, deve doer menos. Dói de qualquer jeito, mas se você perder com uma vantagem grande, dói mais", disse Newgarden.
 
Mesmo que não faça pole ou não vença a corrida, é crucial para o bicampeonato que Newgarden esteja no bolo. O americano não vai tirar o pé, mas já mostrou na última prova que vai usar a cabeça e marcar os pontos que precisa para chegar em Laguna Seca dependendo apenas das próprias forças.
Simon Pagenaud é vice no campeonato (Foto: Reprodução)
Por mais incrível que possa parecer, Simon Pagenaud, com duas provas para o fim, é o maior perseguidor de Newgarden nos pontos. O francês começou perto do parceiro de Penske, mas isso não vai ser suficiente se quiser chegar na final em ótimas condições para buscar o bi. Precisa reviver seus melhores momentos de 2019, ou seja, voltar ao 'Modo Indianápolis'.
 
"Não importa o que Josef, Alex ou Scott fizerem. É tudo sobre a minha performance. Estou realmente focado nisso, focado no momento o máximo possível. Veremos o que vamos fazer. É ótimo estar brigando pelo título nesse ponto da temporada. Duas corridas restantes, quatro caras na briga. É realmente interessante", falou Pagenaud.
 
Um cenário parecido com o de Pagenaud vivem Alexander Rossi e Scott Dixon. Na sexta-feira, o americano foi um pouco melhor que o neozelandês. Na prova, os dois falam abertamente, é papo de vencer ou vencer para manter as chances.
 
"É porque os outros testaram em pistas que não testamos, então tudo está muito próximo neste fim de ano. A vantagem deles já se exerceu. Como times, precisamos olhar o máximo de benefício que podemos tirar dos testes e fazemos sacrifícios onde eles testam. No fim de ano, é tudo bem próximo", comentou Rossi.
Alexander Rossi vem em má fase (Foto: Indycar)
"É bom não ter que nos preocupar com pontos. Só seguir em frente, tentar ter um bom fim de semana e ver o que acontece em Laguna", explicou Dixon.
 
E o que falar da Foyt? Bom, não foi o desastre que vinha sendo em outros mistos, mas o contraste pro ritmo que tiveram em Gateway com o pódio de Tony Kanaan é muito grande. Matheus Leist conseguiu ficar ali pelo meio do pelotão nos treinos livres, Tony ficou mais para o final.
 
“Foi um bom início para nós. O carro se comportou bem aqui em Portland, onde já andamos bem em 2018. Este é um circuito que eu gosto bastante e esperamos seguir evoluindo o carro antes da classificação neste sábado”, descreveu Matheus após o TL1.
 

Paddockast #31
QUEM NA F1 PASSA DE ANO?


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.