Newgarden dita ritmo e vence pela primeira vez em 2020 na corrida 2 de Iowa

Josef Newgarden teve uma atuação exuberante na corrida 2 de Iowa. O americano liderou quase que a prova inteira, escapando das disputas e dos acidentes, triunfando pela primeira vez em 2020 e voltando para a briga. Scott Dixon foi quinto em nova corrida de recuperação

Saiu a primeira vitória de Josef Newgarden em 2020. Assim como na corrida 1, foi do americano o melhor ritmo do GP de Iowa 2, neste sábado (18). O atual campeão liderou quase que a corrida toda, 214 voltas, não tomou muitos sustos, escapou de tudo e de todos. Assim, Josef volta para a briga na temporada da Indy, em uma de suas melhores pistas: foi o terceiro triunfo de Newgarden no oval curto de Newton.

Will Power conseguiu um segundo lugar redentor. Em fase bastante complicada, o australiano foi muito seguro e ainda conseguiu evitar os ataques finais de um também inspirado Graham Rahal, que escalou o pelotão para chegar em terceiro.

Outros dois que saíram do fundo e remaram foram, assim como na sexta-feira, Simon Pagenaud e Scott Dixon. Vencedor e segundo colocado da corrida 1, os dois ficaram, respectivamente, em quarto e quinto na segunda prova.

Josef Newgarden deu show em Iowa (Foto: Indycar)

Oliver Askew teve outra grande atuação em uma McLaren que voltou a voar na pista. O americano foi sexto, na frente de Jack Harvey, Alexander Rossi, Marcus Ericsson e Marco Andretti, que beliscou seu primeiro top-10 em 2020.

Tony Kanaan fez uma grande corrida e tirou tudo e mais um pouco da Foyt. O brasileiro vinha em nono até os metros finais, mas acabou em 11º. Em 12º, Pato O’Ward tinha tudo para brigar pela vitória, mas seu carro morreu nos boxes e, ali, o mexicano perdeu uma volta que não conseguiu recuperar mais.

A Indy 2020 volta em 9 de agosto, para a sétima das 14 etapas. O GP de Mid-Ohio abre uma maratona, que envolve a Indy 500 e só acaba em 30 de agosto, no oval curto de Gateway.

Will Power chegou em segundo em Iowa (Foto: Indycar)

Saiba como foi o GP de Iowa 2

A largada da corrida 2 do GP de Iowa aconteceu às 21h48 (em Brasília), com Josef Newgarden saltando na frente de Will Power e já evitando qualquer tipo de disputa inicial. Na sequência vinham Conor Daly, Ryan Hunter-Reay, Jack Harvey, Colton Herta, Pato O’Ward, Santino Ferrucci, Tony Kanaan e Felix Rosenqvist.

Boa parte das atenções se concentrava ali no fundo do grid, de onde partiam Scott Dixon, o 18º, e Simon Pagenaud, o último. E o início dos dois foi positivo, ganhando algumas posições e, especialmente no caso do neozelandês, com ritmo bem interessante. No meio do grid, destaque para O’Ward, que saiu de 12º, e Ferrucci, que partiu de 16º, já com os dois no top-10 de cara.

O tráfego começava cedo na corrida 2, com Newgarden deixando Zach Veach uma volta atrasado logo no 20º giro. A Andretti, sofrendo bastante com ritmo, tinha mais dois na mira do líder: Marco Andretti e, inesperadamente, Alexander Rossi, que classificou muito mal e largou do fundo do grid.

A impressão inicial e até reclamação de Herta no áudio era de que os carros derrapavam mais ainda do que na corrida 1. Com a largada acontecendo 30 minutos antes, a tendência era de mais voltas com a luz do dia. Colton, aliás, perdia posições em sequência para O’Ward, Ferrucci e Kanaan, sofrendo para manter uma linha tranquila de pilotagem.

Graham Rahal foi um dos grandes destaques do sábado (Foto: Indycar)

Herta finalmente parava na volta 47, com um acerto grande na asa, bem como Felix Rosenqvist. A lista de pilotos nos boxes era bem grande, com nomes como Pagenaud, Takuma Sato, Oliver Askew e Andretti tentando também o pulo do gato.

Os pit-stops aconteciam um pouco mais cedo que na corrida 1, com Newgarden parando na volta 57, Power na sequência, O’Ward na 55 e Dixon e Graham Rahal, que esticaram um pouco mais, na 62 e 63, respectivamente.

A reorganização das posições no início do segundo stint tinha: Newgarden, Power, O’Ward, Daly, Ericsson, Hunter-Reay, Harvey, Pagenaud, Askew e Kanaan. Dixon era 14º, mas com ritmo interessante.

O’Ward era o grande nome da corrida na primeira metade. Apesar de Newgarden seguir com ritmo impecável, o mexicano não ficava atrás e seguia sem negociar posições, passando Power por fora para virar segundo colocado. E Sato, hein? Sempre o primeiro a parar, o japonês resolveu fazer o segundo pit-stop já na volta 79. Na corrida 1, naquele ponto, Rosenqvist sequer tinha feito a primeira parada.

Pato O’Ward teve ótimos momentos em Iowa (Foto: Indycar)

Com Newgarden e O’Ward bem na frente dos demais, o destaque ficava para outras brigas, como Daly passando Power sem tomar conhecimento, no meio de um pelotão de retardatários. Aliás, Rahal e Rossi começavam a achar algum ritmo justamente quando Newgarden tentava botar uma volta na dupla. Preso nos dois, o americano via Pato encolher a distância.

O’Ward pressionou Newgarden (Vídeo: Indycar)

Enquanto Askew limpava Pagenaud e Hunter-Reay do caminho, mostrando a força da McLaren, especialmente com pouco combustível, a segunda rodada de paradas rolava solta. Hunter-Reay, Carpenter e Pagenaud logo foram aos boxes, ali na volta 100.

Power, Newgarden, O’Ward e Daly paravam praticamente juntos e todos sem maiores problemas. Na pista, apenas Rahal e Palou esticavam bastante o stint e tinham uma surpresa: amarela na volta 115, com Carpenter subindo muito e indo parar no muro.

Ficaram apenas 12 pilotos na mesma volta do líder, com a nova ordem apontando Newgarden, O’Ward, Power, Rahal, Pagenaud, Hunter-Reay, Harvey, Palou, Kanaan, Daly, Dixon e Ericsson. Deles, apenas o top-3 e Daly tinham pneus de mais de dez voltas. Entre os atrasados, Askew e Rossi puxavam a turma, com VeeKay no fundo, depois do carro morrer nos boxes.

Rahal foi um dos mais rápidos em Iowa (Vídeo: Indycar)

Veio a relargada na volta 130 e Newgarden e O’Ward voltaram a abrir na frente. Rahal, mantendo a ótima pegada do segundo stint, se livrava de Power, deixando o australiano na frente de Pagenaud e Hunter-Reay. Em ótima prova, Kanaan já era sétimo, passando Palou.

Aí veio um momento que quase jogou todo o trabalho da McLaren pelo ralo. Askew, tentando tirar a volta de atraso, botou de lado com O’Ward e os dois tocaram. Por quase um milagre, nenhum pneu furado, asa quebrada ou carro no muro, mas Oliver perdeu lugar para Ferrucci e Rossi.

Quem vinha muito veloz mesmo era Rahal. Se Newgarden e O’Ward eram rápidos, Graham era ainda mais e, ali na volta 158, já colava no carro #5 da McLaren, pensando na segunda colocação. Veloz também vinha Kanaan, que partia para a briga com Pagenaud e Hunter-Reay por uma vaguinha no top-5.

A noite caía de vez pela volta 165 e Newgarden, finalmente, tirava o retardatário Herta da frente, evitando que O’Ward o atropelasse. Enquanto isso, o então nono colocado Daly parava pela terceira vez, abrindo uma nova janela.

Veio a volta 174 e começou uma sequência de acontecimentos que mudou a corrida. Primeiro, O’Ward praticamente deixou a briga, com o carro morrendo nos boxes. O momento foi emblemático: Newgarden parou na volta seguinte e, dentro do pit-lane, botou uma volta no rival.

Aí foi hora da segunda bandeira amarela. Hunter-Reay, de forma inacreditável, escorregou na saída dos boxes e bateu no muro interno, abandonando na hora, numa cena meio pastelão. O momento foi ideal para Askew, Rossi e Andretti, que recuperaram a volta para os líderes.

A relargada veio na volta 193, com Newgarden, Power, Daly, Rahal, Pagenaud, Harvey, Dixon, Kanaan, Ericsson, Askew, Rossi e Andretti no mesmo giro. O’Ward era o primeiro dos atrasados quando veio a bandeira verde. E o recomeço foi bem positivo para Newgarden, que saía lançado e segurava O’Ward e Palou entre ele e Power, abrindo margem.

Newgarden seguia firme na ponta, enquanto Power se descolava do trio formado por Daly, Rahal e Pagenaud. Atrás deles vinha Dixon, sempre ele, crescendo de produção no fim, já na frente de Harvey.

Tony Kanaan foi 11º em Iowa (Foto: Indycar)

Na volta 218, Daly parou. Era uma estratégia interessante, visto que a possibilidade maior era de todo mundo tentar se arrastar até o final com o que tivesse de combustível e pneu. O americano iria voar no fim, mas tinha um giro de desvantagem.

Impressionante, porém, era como Newgarden não perdia ritmo de forma alguma e rasgava para as dez voltas finais com uma vantagem cada vez maior para Power e Rahal, que brigavam. Dixon também colava em Pagenaud.

As voltas finais foram praticamente de burocracia para Newgarden, que marchou firme para uma vitória muito dominante, a primeira em 2020. Power segurou Rahal, enquanto Dixon nem deu tanto calor assim em Pagenaud. Kanaan, que tinha o nono lugar na mão, acabou sendo superado por Ericsson e Andretti.

Indy 2020, GP de Iowa 2, Final:

1J NEWGARDENPenske Chevrolet1:38:40.519250 voltas
2W POWERPenske Chevrolet+2.787 
3G RAHALRLL Honda+3.565 
4S PAGENAUDPenske Chevrolet+6.124 
5S DIXONGanassi Honda+6.575 
6O ASKEWMcLaren Chevrolet+16.001 
7J HARVEYMeyer Shank Honda+16.618 
8A ROSSIAndretti Honda+17.887 
9M ERICSSONGanassi Honda+18.521 
10M ANDRETTIAndretti Honda+20.018 
11T KANAANFoyt Chevrolet+20.742 
12P O’WARDMcLaren Chevrolet+1 volta 
13C DALYCarlin Chevrolet+1 volta 
14A PALOUDale Coyne Honda+1 volta 
15F ROSENQVISTGanassi Honda+2 voltas 
16C KIMBALLFoyt Chevrolet+2 voltas 
17R VEEKAYCarpenter Chevrolet+2 voltas 
18S FERRUCCIDale Coyne Honda+3 voltas 
19C HERTAAndretti Honda+3 voltas 
20Z VEACHAndretti Honda+3 voltas 
21T SATORLL Honda+3 voltas 
22R HUNTER-REAYAndretti Honda+72 voltasNC
23E CARPENTERCarpenter Chevrolet+138 voltasNC
Paddockast #70 | O QUE ESPERAR DA MOTOGP 2020?
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube