Newgarden vence ótimo GP de Indianápolis 2 e adia decisão da Indy. Dixon é 9º

Josef Newgarden teve uma atuação inspirada para vencer um excelente GP de Indianápolis 2. O americano respirou no campeonato, com Scott Dixon chegando em nono

O GP de Indianápolis 2 foi muito próximo da perfeição para Josef Newgarden. Nesta sexta-feira (2), a excelente corrida no misto do IMS foi cheia de alternativas, mas acabou vencida pelo americano da Penske, que teve um ritmo forte e uma postura agressivas, para seguir firme na luta pelo título da Indy 2020.

E a sobrevivência de Newgarden ficou ainda melhor com a jornada pouco feliz de Scott Dixon. Largando no meio do pelotão, sem muita inspiração e com problemas no carro, o neozelandês da Ganassi foi apenas o nono.

O cenário todo de distância entre os dois rivais, além dos pontos extras, deixou Newgarden a 40 pontos de Dixon, tirando 32 em relação ao início do final de semana, ao menos adiando a decisão da taça.

A luta pelo pódio foi frenética, em uma prova que teve uma série de destaques. No fim, Alexander Rossi foi segundo, com Rinus VeeKay atrás. Colton Herta, que foi quem mais ameaçou Newgarden, fechou em quarto, na frente de Felix Rosenqvist, Will Power, Graham Rahal e Jack Harvey. Helio Castroneves foi 20º na estreia pela McLaren.

O GP de Indianápolis 3 está marcado para este sábado (3), com largada prevista para 15h30 (em Brasília). Newgarden tenta manter a distância abaixo de 54 pontos para ter chances matemáticas na final em St. Pete.

Josef Newgarden venceu o GP de Indianápolis 2 (Foto: IndyCar)

Saiba como foi o GP de Indianápolis 2

A largada para a corrida 1 do GP de Indianápolis 2 veio às 16h58 (em Brasília). Rinus VeeKay conseguiu aproveitar a pole e manter a dianteira, mas por apenas alguns metros, já que Colton Herta vinha absolutamente decidido da terceira colocação, saindo bem melhor que Josef Newgarden.

A dianteira de Herta veio já na primeira curva, tracionando bem mais tranquilo que VeeKay, que ainda precisou fechar a porta em cima de Will Power e, indiretamente, ajudou Newgarden, que estava quase perdendo terreno também para o companheiro de Penske.

Lá atrás, Scott Dixon largava com a maior cautela do universo, evitando qualquer mínima possibilidade de contato e até se descolando um pouco dos 11 primeiros colocados, tudo para não dar sopa para o azar. Mas o pelotão de Dixon importava bem pouco ali naquele início, isso porque os garotos queriam dar show lá na frente.

VeeKay, de pneus macios, sabia que precisava tirar Herta, que usava os duros, da frente. E foram três voltas espetaculares entre os dois garotos, com manobras de ataques e defesas muito bem executadas. No fim, Rinus tomou a dianteira por fora.

Era o melhor começo de corrida do ano, cheio de alternativas e confusão. Conor Daly escapava, Graham Rahal rodava sozinho e voltava, enquanto Sage Karam era jogado para fora por Charlie Kimball. Mas o pior veio na volta 9, quando Ryan Hunter-Reay fechou a porta e Santino Ferrucci, sem medir as consequências, voltou da grama com tudo em cima do rival. Os dois acabaram rodando, melhor para Dixon, que era décimo só aproveitando problemas dos outros.

Os pilotos do meio e do fundo do grid começaram a parar ali pela volta 11, puxados por nomes como Simon Pagenaud, Marcus Ericsson e Daly. Também foi o caso de Hunter-Reay, que aproveitou que tinha de ajustar os danos causados por Ferrucci e ainda voltou bem no meio da briga entre Herta e Newgarden, servindo como escudeiro do parceiro da Andretti, que foi aos boxes na volta 14, sem ritmo nos pneus duros.

Dixon seguia Herta e também se livrava dos duros, enquanto que VeeKay era um dos primeiros de macios a ir para os boxes, na volta 17. O holandês voltou 3s5 na frente do americano, deixando Newgarden por algumas voltas na liderança, garantindo ao menos 1 pontinho extra para o campeonato.

Enquanto Josef alongava do jeito que dava o primeiro stint, Herta queria aproveitar a vantagem nos pneus e atacava VeeKay. E aí, mais uma vez, um duelo fenomenal entre os dois jovens pilotos, com Herta passando, fritando os pneus e tomando o troco, mas definindo a situação pouco depois com muita agressividade.

Quando Newgarden finalmente parou, Herta partiu para cima do rival da Penske, novamente levando muita vantagem pelos pneus macios contra os duros do oponente. Josef tentou resistir, mas foi superado no 24º giro. Ali, com todo mundo já tendo parado, a corrida tinha Herta, Newgarden, VeeKay, Rossi, Rosenqvist e Dixon, em sexto na base da tática, na frente de Power, que teve um pit-stop tenebroso. Helio Castroneves vinha em 22º, brigando com o carro.

O cenário para Dixon não parava de ficar melhor. Mesmo sem um grande ritmo e sem passar na pista, o neozelandês entrava no top-5, desta vez com Rosenqvist tirando o pé e dando passagem. Na volta 30, com Newgarden em segundo e Dixon em quinto, o dano não era dos maiores.

A segunda rodada de paradas começou na volta 33, com Pagenaud, que voltava dos boxes na última colocação, evitando atrapalhar Herta e Newgarden na briga pela vitória com os pneus frios. Herta, aliás, parou no 37º giro, botando um novo jogo de pneus macios e retornando em décimo, entre Ferrucci e Kimball. As paradas de VeeKay e Dixon aconteceram na volta 38.

Todo mundo ia para os boxes menos Newgarden e Ferrucci, que resolveu fazer da vida de Herta um inferno. O piloto da Andretti não conseguia se livrar do rival da Dale Coyne, que bloqueou até onde deu e acabou fritando tudo na volta 1. Talvez já fosse o suficiente para que Josef virasse líder.

Alexander Rossi quase acertou Scott Dixon no GP de Indianápolis 2 (Foto: IndyCar)

Newgarden fazia seu segundo pit-stop na 42º volta, mas foi uma parada um pouco mais lenta e que causou a perda da posição para Herta, separado por 2s do rival. Dixon, por sua vez, passava perto de um acidente ao ultrapassar Rossi, mas fritar violentamente os pneus. O carro ficou esquisito e o neozelandês foi superado por Rossi e Power no giro seguinte.

A corrida entrava em sua segunda metade com Herta na dianteira com 4s0 para Newgarden, 10s4 para VeeKay, 18s4 para Rosenqvist e 21s para Power, Rossi e Dixon, que escolheu estranhamente pelos pneus duros. Álex Palou, Rahal e Marcus Ericsson fechavam o top-10.

Restavam menos de 30 voltas e Newgarden começava a tirar a distância para Herta, ali já em 1s5. E Dixon? Sem ritmo, era presa fácil para os rivais, perdendo a sétima posição para Rahal. O neozelandês tinha 8s para Ericsson, companheiro de Ganassi.

Veio a volta 60 e a pressão de Newgarden deu resultado. Herta fritou pneus, escapou e quase chegou a bater ao tentar voltar desesperadamente para a pista. A dianteira ficou com Josef e Colton precisou ir aos boxes, colocando os pneus duros para os giros finais.

Newgarden tratou de ir aos boxes no giro seguinte e fez a mesma tática, acionando os duros para ir até o final. O americano voltou na frente do rival da Andretti e, em tese, teria apenas de controlar a corrida até o fim.

Quando Rahal parou, na volta 67, todos já estavam no último stint. Newgarden tinha 5s de vantagem para Herta, ambos com os pneus duros. Rosenqvist era o melhor de macios, seguido por Power, de duros, VeeKay e Rossi, de macios, Rahal, de duros, Dixon, Ericsson e Harvey, de macios. Era a última chance de escalada de Scott.

Enquanto Newgarden começava a nadar de braçadas lá na frente a parecia ter a vitória totalmente nas mãos, Power quase encontrou o muro e, assim, perdeu lugar para VeeKay e Rossi.

A briga pelo segundo lugar se desenhava interessantíssima nos giros derradeiros. Herta não tinha bom ritmo, então, Rosenqvist e Rossi colavam ali, usando os pneus macios. Dixon, por sua vez, tirava Rahal do sétimo lugar e encostava para brigar com Power.

VeeKay entrava na fila puxada por Herta e, no meio dela, Rossi passava, pela ordem, Rosenqvist e o próprio Herta. VeeKay também superava o sueco, que não tinha bom ritmo.

VeeKay ainda conseguiu levar a melhor em cima de Herta, naquele que foi, em geral, o grande duelo da corrida e que, no fim, valeu a última vaga no pódio. Lá atrás, enquanto Newgarden marchava para vencer fácil, Dixon sofria com os freios, escapava e não apenas perdia contato com Power, mas também as posições para Rahal e Harvey.

Indy 2020, GP de Indianápolis 2, Final:

1J NEWGARDENPenske Chevrolet1:44:28.55685 voltas
2A ROSSIAndretti Honda+14.294 
3R VEEKAYCarpenter Chevrolet+15.038 
4C HERTAAndretti Honda+17.395 
5F ROSENQVISTGanassi Honda+18.458 
6W POWERPenske Chevrolet+26.138 
7G RAHALRLL Honda+27.377 
8J HARVEYMeyer Shank Honda+28.531 
9S DIXONGanassi Honda+30.796 
10M ERICSSONGanassi Honda+36.973 
11M CHILTONCarlin Chevrolet+47.551 
12C DALYCarpenter Chevrolet+56.955 
13C KIMBALLFoyt Chevrolet+1:10.897 
14J HINCHCLIFFEAndretti Honda+1:11.990 
15S FERRUCCIDale Coyne Honda+1 volta 
16S PAGENAUDPenske Chevrolet+1 volta 
17A PALOUDale Coyne Honda+1 volta 
18T SATORLL Honda+1 volta 
19R HUNTER-REAYAndretti Honda+1 volta 
20H CASTRONEVESMcLaren Chevrolet+1 volta 
21S BOURDAISFoyt Chevrolet+1 volta 
22P O’WARDMcLaren Chevrolet+1 volta 
23S KARAMDRR Chevrolet+1 volta 
24D KELLETTFoyt Chevrolet+2 voltas 
25M ANDRETTIAndretti Honda+6 voltasNC

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube