Indy

No embalo da Copa, Colômbia surpreende também na Indy e faz 1-2-3 com Huertas, Montoya e Muñoz em Houston

Os pilotos colombianos da Indy não puderam acompanhar ao duelo entre a seleção de seu país e a do Uruguai nas oitavas de final da Copa do Mundo, mas não precisavam disso para terminar o sábado contentes: Carlos Huertas venceu pela primeira vez na carreira na Indy e foi ao pódio ao lado de Juan Pablo Montoya e Carlos Muñoz em Houston
Warm Up / RENAN DO COUTO, de São Paulo
 Huertas agradece aos céus pela vitória em Houston (Foto: Joe Skibinski)
A cobertura completa do GP de Houston no GRANDE PRÊMIO
icone_TV Automobilismo na TV: a programação do fim de semana
As imagens deste sábado de Indy em Houston

Pódio 100% colombiano foi surpreendente e inédito (Foto: Chris Owens)
Que fase vive a Colômbia no esporte: como se já não bastasse o ótimo rendimento da seleção de futebol na Copa do Mundo da Fifa, o país ainda viu Carlos Huertas, Juan Pablo Montoya e Carlos Muñoz anotarem uma trifeta na primeira corrida da rodada dupla de Houston, neste sábado (28), em corrida que aconteceu ao mesmo tempo que a partida de oitavas de final entre a seleção colombiana e o escrete do Uruguai no Maracanã.

Parece mentira, arranjo, que foi comprado. Mas não, não foi. É apenas mais um daqueles dias mágicos que o esporte volta e meia nos proporciona.

Qual a chance de isso acontecer? É a Copa das Copas.

Para se ter ideia do quão improvável era a vitória de Huertas em Houston, as casas de apostas pagavam US$ 150 para cada US$ 1 apostado. O piloto da Dale Coyne largou só em 19º numa corrida marcada por chuva em sua primeira metade e por muitos acidentes na segunda. Ele foi aparecer na briga pela vitória, do nada, nas 20 voltas finais, após uma bandeira amarela provocada por Will Power.

A princípio, era uma dobradinha da Dale Coyne, com Justin Wilson em primeiro, mas o inglês não tinha combustível para chegar até a bandeirada e teve de ir aos boxes. Assim, Huertas herdou a dianteira e foi abrindo para um Montoya que precisava se defender dos fortes ataques de Tony Kanaan, Graham Rahal e Carlos Muñoz.

A emoção durou até Ryan Briscoe acertar em cheio Sebastián Saavedra a quatro minutos do fim e fazer o safety-car entrar na pista. A corrida ainda relargaria, o que colocaria em risco a liderança de Huertas, mas aí Rahal barbeirou bizarramente ao acertar Kanaan antes do pelotão acelerar e exigiu que o carro de segurança permanecesse na pista até o fim da disputa.

Foi a primeira vitória de Huertas, novato, na Indy. Algo que ele não esperava ao fechar um acordo de última hora para pilotar o #18 da Dale Coyne poucos dias antes do GP de São Petersburgo.

Vai, Huertas, vibra que o dia é seu! (Foto: Chris Owens)
Legião sul-americana toma conta da Indy

Rahal cruzou a linha de chegada em terceiro, mas foi punido em 30s pela batida em Kanaan — que desceu do carro puto da vida, não há termo melhor para descrever — e entregou a terceira colocação para Muñoz, completando a festa colombiana.

Helio Castroneves andou no top-5 durante mais da metade da prova, mas em meio ao caos de bandeiras amarelas e estratégias diferenciadas, caiu para a nona posição no resultado final. Will Power, que chegou a bater, continua na liderança do campeonato.

A Indy faz nova corrida em Houston neste domingo a partir das 16h45 (de Brasília).

Confira como foi a primeira corrida da rodada dupla de Houston da Indy:

A corrida começou com a pista assim em Houston (Foto: Reprodução)

Sato ataca no começo para colocar carro da Foyt na liderança

A largada foi surpreendentemente livre de acidentes em Houston. Debaixo de chuva e com a pista bastante molhada, a direção de prova da Indy não hesitou, como se faz na F1, e deu a largada parada, mesmo. Assim que as luzes se apagaram, um enorme spray levantou na reta dos boxes do NRG Park. Pelo menos os pilotos conseguiam ver o que estavam fazendo — ou a maioria deles.

Simon Pagenaud fracionou muito bem para deixar a pole-position. Helio Castroneves é que não foi tão bem, mas manteve a segunda colocação graças ao enrosco que aconteceu logo atrás: o empolgado Takuma Sato, que não pareceu enxergar muito bem, ficou ensanduichado entre os carros de James Hinchcliffe e Luca Filippi em uma otimista tentativa de ultrapassagem — faltava espaço. Mas Indy é Indy, e nenhum carro foi danificado.

Isso permitiu os ferozes ataques de Sato sobre quem estava à sua frente. O japonês foi a estrela da primeira parte da prova.

Com a pista molhada, muita gente cortava a chicane da curva 2. Pagenaud o fez duas vezes. Por isso, foi até instruído pelo rádio a tirar o pé por 1s2 para evitar qualquer punição. Hinchcliffe também se atrapalhou quando tentava ultrapassar o carro #3 no mesmo ponto. Sato foi ligeiro, aproveitou o momento e deixou os dois para trás. Hinch foi passar por Helio só duas curvas depois e após andar muitos metros lado a lado com o adversário.

Sato e Hinchcliffe, então, partiram à caça de Pagenaud, cujo ritmo no molhado não era nada bom. Não demorou para que o francês ficasse para trás. E tão logo Sato assumiu a ponta, veio o memorando pelo rádio: “Temos que marcar pontos, cuide dos pneus.” O bom e velho ‘vai com calma que falta a corrida inteira ainda’.

Tudo isso em menos de 15 voltas, todas elas com bandeira verde.

Andretti entra no caminho de Sato

Líder, Sato foi abrindo para Hinchcliffe. A vantagem chegou a superar os 3s, mas o #14 foi forçado a levantar o pé ao se deparar com a traseira de outro carro da equipe Andretti: o #25, de Marco.

Ele estava tão para trás assim porque fora tocado por outro companheiro, Carlos Muñoz, que inclusive foi punido por isso. Mas Andretti não quis saber de dar passagem para Sato, mesmo quando a direção de prova determinou. Resultado: bandeira preta e um drive-through.

Todavia, a diferença para Hinchcliffe se dissipou. O canadense entrou em modo de ataque na volta 23.

Hora de colocar os slicks

Foi na volta 22 que alguém ousou tirar os compostos especiais para pista molhada pela primeira vez — apesar de muita água ainda ser vista na pista. Esse corajoso piloto foi Charlie Kimball, que estava na parte de trás do pelotão e precisando fazer apostas para crescer na prova. Logo ficou visível que estava mesmo na hora.

Como costuma acontecer, a turma do fundão arriscou antes, e foi lá pela volta 27 que quem estava na frente começou a pensar em fazê-lo. Ryan Hunter-Reay, quarto colocado após uma pequena rodada de Pagenaud, foi o primeiro. 

Na 27ª volta, Sato e Hinchcliffe foram juntos aos boxes, e o trabalho da Andretti promoveu a mudança na dianteira da prova: o canadense retomou o traçado à frente. Um excelente pit-stop. Castroneves, Justin Wilson e Sébastien Bourdais seguiam, com RHR em sexto e Pagenaud só em sétimo.

Essa ordem se manteve até a bandeira amarela ser agitada pela primeira vez, na volta 30. A causa: Mike Conway ralou seu #20 no muro de proteção e quebrou a suspensão. O carro ficou parado. Tempo para Will Power e Tony Kanaan finalmente realizarem sua primeira troca de pneus.

Esforço de Sato vai por água abaixo

Andretti não foi o único retardatário que deu trabalho para Sato. Mikhail Aleshin estava uma volta atrás, mas rápido, e queria recuperar o giro perdido para voltar para a corrida na próxima amarela. Fez o que não podia fazer.

Logo após a relargada, o russo acertou Sato por trás, levando os dois para o muro e para fora da corrida. A frustração tomou conta de AJ Foyt nos boxes — o veterano ia sonhando em ganhar uma prova em sua terra natal e diante dos seus fãs.

E Sato, coitado, nem o capacete tirou ao saltar para fora do cockpit. Tampouco foi conversar com Aleshin. Deu até dó.

Sato foi atingido pelo retardatário Aleshin e teve de abandonar a luta pela vitória (Foto: Reprodução)

Amarela chama amarela

Essa máxima sempre vale nas corridas da Indy. A terceira amarela seguida foi provocada por Luca Filippi, que antes mesmo de cruzar a linha de chegada perdeu o controle de seu RLL-Honda na entrada da reta e bateu, sozinho, encerrando o ótimo trabalho que vinha fazendo até aqui. Vai restar a ele se recuperar no domingo.

Em meio a toda essa confusão, Bourdais cresceu. Ganhou primeiro a posição de Wilson e depois, em uma bela ultrapassagem, a de Helio Castroneves. E ele estava satisfeito com o carro.

Bourdais foi esperto o bastante para dar o bote antes da corrida ser neutralizada pela quarta vez.

Num ano que não vem sendo nada bom para a Ganassi, Dixon e Kimball bateram. Na verdade, o neozelandês bateu no norte-americano — e também em Pagenaud. Ele deixou o #9 escorregar mais do que devia na saída da curva 9, acertou o muro e voltou para o meio da pista. As três corridas foram arruinadas de vez.

Houston, we have a (Power) problem

Power venceu em Houston em 2013, mas não tem tido vida fácil na pista em 2014. Os sucessos, por enquanto, ficaram reservados ao outro circuito texano pelo qual a categoria passou. Andando fora do top-10, o australiano se deu mal do mesmo jeito que Dixon: foi pego desprevenido por uma poça de água.

O #12 saiu rodando na freada da curva 9 e relou de leve no muro. O carro não ficou seriamente danificado, mas, com o motor apagado em uma posição perigosa, exigiu a intervenção dos fiscais — e, pela quinta vez na prova, o carro de segurança interviu.

Hora das estratégias

A corrida foi tão movimentada pela chuva e pelas bandeiras amarelas que não se falou tanto de estratégia. Essa característica tão presente nas provas da Indy só ficou evidente mesmo após a quinta relargada, quando os ex-líderes despencaram para a parte debaixo do top-5.

Aconteceu que uma penca de gente não quis parar. Wilson assumiu a liderança com o companheiro Carlos Huertas em segundo, Montoya, Kanaan e Saavedra no grupo dos cinco melhores. Montoya e Kanaan inclusive trocaram boas ultrapassagens.

A questão é que parecia improvável que Wilson chegasse ao final, visto que seu único pit-stop havia sido na volta 28. E a fila estava formada atrás do inglês. Praticamente não havia diferença entre os 14 primeiros colocados — Castroneves estava 7s789 atrás do #19.

Mas Wilson não teria como ir até o final. Ao parar nos boxes, repassou a ponta para o colega Huertas, que não sucumbiu, apesar da juventude e da inexperiência. Pilotou foi feito gente grande, deixando Montoya para trás e se virando para segurar Kanaan, Muñoz e um estabanado Rahal.

Carlos Huertas puxa a fila no NRG Park (Foto: Chris Owens)

Montoya se defendeu com maestria, sem deixar espaços para ninguém, e respirou aliviado quando viu o compatriota Saavedra no muro. No fundo, os colombianos todos se ajudaram. A bandeira amarela acionada pela presença do #17 no muro depois de um toque de Briscoe resultou noutro lance fundamental para o desfecho brilhante para os latinos: a bobagem que fez Rahal ao acertar Kanaan com o pace-car na pista.

O pelotão ia relargar quando o filho de Bobby deu por trás em Tony e jogou fora as chances de vitória e de pódio dos dois. Rahal continuou andando, mas foi punido em 30s no tempo total de prova e deixou o degrau mais baixo do pódio livre para Muñoz, aquele mesmo que teve de cumprir um drive-through nas voltas iniciais.

E viva a Colômbia.
 

Indy, GP de Houston, NRG Park, corrida 1:

 

1 18 CARLOS HUERTAS COL DALE COYNE HONDA 1:51:25.564 80 voltas
2 2 JUAN PABLO MONTOYA COL PENSKE CHEVROLET +0.097  
3 34 CARLOS MUÑOZ COL ANDRETTI HONDA +2.343  
4 11 SÉBASTIEN BOURDAIS FRA KV CHEVROLET +3.087  
5 27 JAMES HINCHCLIFFE CAN ANDRETTI HONDA +4.710  
6 98 JACK HAWKSWORTH ING BRYAN HERTA HONDA +5.512  
7 28 RYAN HUNTER-REAY EUA ANDRETTI HONDA +6.285  
8 25 MARCO ANDRETTI EUA ANDRETTI HONDA +7.163  
9 3 HELIO CASTRONEVES BRA PENSKE CHEVROLET +8.218  
10 19 JUSTIN WILSON ING DALE COYNE HONDA +9.436  
11 15 GRAHAM RAHAL EUA RLL HONDA +30.879  
12 8 RYAN BRISCOE AUS GANASSI CHEVROLET +33.288  
13 10 TONY KANAAN BRA GANASSI CHEVROLET +35.078  
14 12 WILL POWER AUS PENSKE CHEVROLET +1 volta  
15 17 SEBASTIÁN SAAVEDRA COL KV CHEVROLET +1 volta  
16 77 SIMON PAGENAUD FRA SCHMIDT PETERSON HONDA +6 voltas  
17 20 MIKE CONWAY ING CARPENTER CHEVROLET   NC
18 83 CHARLIE KIMBALL EUA GANASSI CHEVROLET   NC
19 9 SCOTT DIXON NZL GANASSI CHEVROLET   NC
20 67 JOSEF NEWGARDEN EUA FISHER HARTMAN HONDA   NC
21 16 LUCA FILIPPI ITA RLL HONDA   NC
22 14 TAKUMA SATO JAP FOYT HONDA   NC
23 7 MIKHAIL ALESHIN RUS SCHMIDT HONDA   NC


Saiu o pacote de viagem do GRANDE PRÊMIO para a corrida decisiva da temporada.
Clique e consulte as vantagens