Dixon lidera dia 1 da classificação da Indy 500. Penske fica fora do Fast Nine

Tendência de 2020 foi repetida e carros de motor Honda foram amplamente superiores no sábado em Indianápolis. Além da liderança de Scott Dixon. brasileiros Tony Kanaan e Helio Castroneves entraram no Fast Nine

O filme de 2020 se repetiu no dia 1 da classificação das 500 Milhas de Indianápolis, realizada neste sábado (22). Os carros de motor Honda voltaram a ter domínio e ficaram com sete das nove vagas do ‘Fast Nine’. Scott Dixon, com a Ganassi, foi o primeiro a sair para a pista e liderou todo o dia com o tempo de 2min35s287 no combinado de quatro voltas.

Colton Herta, da Andretti, foi o segundo colocado, com o brasileiro Tony Kanaan, companheiro de Dixon na Ganassi, em terceiro. Os únicos classificados da Chevrolet foram Ed Carpenter e Rinus VeeKay, da Carpenter, que ocuparam a quarta e a quinta colocação respectivamente. Helio Castroneves levou a Meyer Shank ao sexto lugar, e foi seguido por Álex Palou, que mesmo protagonizando a única batida do dia, foi sétimo. Ryan Hunter-Reay e Marcus Ericsson completaram o top-9.

O brasileiro Pietro Fittipaldi foi uma das gratas surpresas do dia. Com a Dale Coyne, o piloto ficou na 13ª colocação, duas posições atrás do companheiro de equipe Ed Jones.

Já a decepção do dia ficou pela Penske. O melhor colocado do time foi Scott McLaughlin, em 17º. Josef Newgarden foi apenas 21º e Simon Pagenaud vai largar de 26º. Mas o principal destaque negativo foi Will Power, um dos cinco que vão brigar pelas três vagas finais do grid.

Sage Karam, Charlie Kimball, Simona de Silvestro e RC Enerson se juntam ao vencedor de 2018 na briga da última fila.

Os pilotos retornam à pista para o sétimo treino livre neste domingo, a partir das 12h (de Brasília). A definição da última fila e dos eliminados acontece às 14h, e o Fast Nine tem início às 15h30.

Saiba como foi o primeiro dia de classificação em Indianápolis

O primeiro dia de definição do grid de largada da Indy 500 não poderia começar de forma mais interessante. Seguindo o sorteio, quem abriu os trabalhos, às 13h (em Brasília), foi Scott Dixon, mas a pista sem tanta aderência não foi nem de longe um empecilho para o neozelandês, que cravou 2min35s287, abaixo até da soma das quatro voltas de Marco Andretti, o mais veloz em 2020.

Pole no ano passado, Andretti mostrou que não ia passar nem perto disso em 2021. Segundo carro a partir para a tentativa das quatro voltas rápidas, o americano ficou absurdamente longe de Dixon: 2min37s026 para ele. Veio, então, Ryan Hunter-Reay, companheiro de Marco. E o #28 fez questão de mostrar que, por mais que a Andretti não estivesse grandes coisas, também não era o horror que pareceu com Marco: Ryan ficou 0s5 atrás de Dixon.

De Meyer Shank pela primeira vez, Helio Castroneves fez um trabalho muito digno. O brasileiro superou as duas Andretti e, mesmo consideravelmente longe de Dixon, se colocou em segundo com um somatório que tinha potencial para o colocar na parte da frente do grid. Ed Jones, com a Dale Coyne, não acompanhou o ritmo dos dois anteriores, mas também não foi tão lento quanto Marco. O piloto assumia o quarto lugar provisório, 0s7 na frente de Andretti.

O calvário da Andretti continuava com James Hinchcliffe. Outrora pole na Indy 500, o canadense só foi melhor que Jones e Marco e, por mais que devesse fugir da zona de risco de Bump Day, ficaria bem longe do Fast Nine também. Mais uma Andretti na pista, mais uma decepção. Stefan Wilson fez 2min36s7, ou seja, só ficou na frente de Marco, que parecia destinado ao drama no domingo.

A Ganassi brilhava no sábado e Tony Kanaan era quem mais se aproximava de Dixon. O brasileiro praticamente igualou o companheiro nas duas primeiras voltas, mas aí foi perdendo ritmo, fechando pouco mais de 0s1 atrás do neozelandês. Foi aí que veio a confirmação de algo preocupante que dava pistas de acontecer a semana toda: Josef Newgarden muito, muito lento. O americano só se colocou na frente de Wilson e Andretti, correndo risco até de brigar contra a eliminação no domingo.

Depois de Newgarden, a primeira Chevrolet do dia, outras duas foram para suas voltas logo na sequência. Rinus VeeKay foi consideravelmente melhor, aparecendo em quinto, enquanto que Scott McLaughlin não fez muito mais que o parceiro, em sétimo. Ainda que fosse cedo, a impressão de um Fast Nine só de Honda já se fazia presente.

Foi a vez, então, de dois pilotos da RLL irem ao traçado. Primeiro, Takuma Sato, com um trabalho mediano, se colocando em sexto, entre VeeKay e Hinch. Depois, Santino Ferrucci, que foi mais lento que Newgarden, aparecendo em 11º. Ao menos o risco de Bump Day diminuía para Josef.

Pietro Fittipaldi fez ótimo resultado (Foto: IndyCar)

Sage Karam saiu na sequência e mostrou uma dificuldade enorme para fazer sua DRR render. O americano foi mais lento até que Andretti, se colocando em último e praticamente assegurando a ida ao Bump Day, a menos que melhorasse muito no fim da tarde. A surpresa até então era proporcionada por Pietro Fittipaldi. Novato, o brasileiro se meteu no top-5, derrubando VeeKay no detalhe. Chance real de Fast Nine para Pietro.

O drama da Chevrolet continuava, parecia um filme repetido do que foi visto em 2020. Juan Pablo Montoya ficou ali na parte final do pelotão, em 13º de 16, muito mais perto de um risco de Bump Day do que alguma coisa mais positiva. Segundo colocado em 2011, J.R. Hildebrand levou o #1 da Foyt ao tempo de 2min36s488. Um erro na terceira volta do piloto impediu uma posição melhor que o 12º de 17 carros.

O péssimo dia da parceria Penske-Chevrolet ganhou um buraco ainda mais fundo. Vencedor de 2018, Will Power decepcionou ao ponto de marcar o pior tempo entre os 18 primeiros carros. 2min37s169, atrás de Karam e Andretti. Ed Carpenter, confirmando o bom ritmo de sua própria equipe, quebrou a sequência negativa dos Chevy e levou o carro ao terceiro posto, anotando 2min35s429.

Will Power decepcionou e corre risco de eliminação (Foto: IndyCar)

Pato O’Ward, com a McLaren, também impressionou ao anotar o sexto tempo. Porém, com gosto amargo, já que teve queda de tempo nas duas voltas finais. Companheiro de Pato, Felix Roseqnvist teve desempenho mediano, com o 12º tempo dos 21 pilotos na pista.

Um dos principais candidatos à eliminação, Max Chilton, da Carlin, confirmou as expectativas de desempenho ruim, anotando 2min36s919 e ficando na 19ª posição. Outro candidato forte é o canadense Dalton Kellett, da Foyt, que fez apenas 2min37s033, se colocando no provisório antepenúltimo lugar.

Conor Daly, da Carpenter, foi pior que os companheiros de equipe VeeKay e Ed Carpenter, ficando com 13º posto ao anotar 2min36s354. Terceiro colocado em 2021, Graham Rahal levou a RLL ao 12º lugar com o tempo de 2min36s168. Quem veio em seguida foi Jack Harvey, da Meyer Shank. Com dificuldades de acerto, surpreendeu e foi o último colocado.

Álex Palou, da Ganassi, entrou na pista e ficou no quinto lugar, com 2min35s746, totalizando três carros do time no top-5. Seguindo o calvário da Penske, Simon Pagenaud, vencedor de 2019, ficou apenas em 21º dos 28 carros, ao anotar 2min36s673.

Colton Herta brilhou no sábado em Indianápolis (Foto: IndyCar)

29º piloto a entrar na pista, Colton Herta conseguiu cortar o 1-2 da Ganassi com Dixon e Kanaan. O piloto da Andretti voou no Brickyard e anotou 2min35s408. Companheiro de Herta na Andretti e vencedor em 2016, Alexander Rossi anotou boas voltas para se colocar no oitavo lugar, com 2min35s813, tirando Pietro Fittipaldi do Fast Nine.

Marcus Ericsson foi para a pista e foi o pior piloto da quadra da Ganassi, mas ainda anotou o oitavo melor tempo, com 2min35s773. Já Simona de Silvestro, com a estreante Paretta, acabou com um dos piores tempos da sessão: 2min37s774

Charlie Kimball, com a Foyt, confirmou as expectativas de um desempenho ruim. 2min37s617 foi o tempo, abaixo da 30ª posição. Companheiro de Kimball, Sébastien Bourdais anotou o 25º tempo, com 2min36s696, escapando da bolha. RC Enerson, da Top Gun Racing, fechou a lista de primeiras tentativas, , e ficou com o segundo pior tempo, com 2min38s393. Ele, Power, Harvey, Kimball e De Silvestro fecharam as primeiras três horas na lista de pilotos para o ‘Last Row Shootout’.

Josef Newgarden melhorou quase nada na segunda chance (Foto: IndyCar)

Newgarden optou por ser o primeiro piloto a fazer a segunda tentativa. O piloto da Penske não conseguiu se aproximar do Fast Nine ao anotar 2min36s473 e ficar só em 20º. Buscando retornar ao grupo do Fast Nine, VeeKay teve sucesso, pulando para o quinto lugar, com 2min35s519, praticamente sacramentando presença na disputa pela pole.

Um dos piores na primeira tentativa, Marco Andretti também deixou os boxes para tentar escapar da bolha do Bump. Com 2min36s608, pulou ao 24º lugar, mais sossegado em relação ao Bump Day. Harvey, que quase abortou a primeira saída, se recuperou e foi para 20º, ao menos se garantindo no grid.

Muito ameaçado, Wilson também foi em busca de uma marca melhor e fez pouquíssimo. O britânico ficou em 28º, ainda correndo sérios riscos, especialmente porque gente do calibre de Power ainda vinha na zona de eliminação. Restavam mais de 2 horas e meia de classificação no sábado.

Palou ocupava a 7ª posição no momento da pancada (Foto: Reprodução)

A temperatura em Indianápolis ia aumentando e, teoricamente, os tempos só melhorariam com algo bem especial. Foi assim que Sato abortou sua tentativa e, minutos depois, Palou estampou o muro. O catalão perdeu o carro na curva 2 e foi violentamente ao muro, destruindo sua Ganassi e forçando a primeira amarela do dia.

A verde voltou, mas o que se via era uma sucessão de voltas lentas e tentativas frustradas de Castroneves, Daly e Karam. O brasileiro vinha dentro do Fast Nine, o piloto da Carpenter aparecia no meio do grid e o da DRR corria sérios riscos de disputar o Bump Day no domingo.

Na ‘Happy Hour’, a condição de pista melhorou e pilotos começaram a evoluir na tabela, como no caso de Ed Jones, que pulou ao 11º lugar, e Felix Rosenqvist, que foi para 14º. Na briga para escapar do Bump Day, Will Power teve uma nova tentativa, mas não conseguiu sair da bolha e disputa a última fila no domingo. Simona de Silvestro foi a última pilota na pista antes do tiro ser disparado, às 18h50.

Indy 2021, 500 Milhas de Indianápolis, Classificação, Dia 1:

1S DIXONGanassi Honda2:35.287 
2C HERTAAndretti Honda2:35.408+0.121
3T KANAANGanassi Honda2:35.414+0.127
4E CARPENTERCarpenter Chevrolet2:35.429+0.142
5R VEEKAYCarpenter Chevrolet2:35.519+0.232
6H CASTRONEVESMeyer Shank Honda2:35.733+0.446
7A PALOUGanassi Honda2:35.746+0.459
8R HUNTER-REAYAndretti Honda2:35.750+0.463
9M ERICSSONGanassi Honda2:35.774+0.487
10A ROSSIAndretti Honda2:35.813+0.526
11E JONESDale Coyne Honda2:35.815+0.528
12P O’WARDMcLaren Chevrolet2:35.936+0.649
13P FITTIPALDIDale Coyne Honda2:35.948+0.661
14F ROSENQVISTMcLaren Chevrolet2:36.017+0.730
15T SATORLL Honda2:36.042+0.755
16J HINCHCLIFFEAndretti Honda2:36.140+0.853
17S McLAUGHLINPenske Chevrolet2:36.144+0.857
18G RAHALRLL Honda2:36.168+0.881
19C DALYCarpenter Chevrolet2:36.231+0.944
20J HARVEYMeyer Shank Honda2:36.392+1.105
21J NEWGARDENPenske Chevrolet2:36.474+1.187
22J HILDEBRANDFoyt Chevrolet2:36.535+1.248
23S FERRUCCIRLL Honda2:36.556+1.269
24J MONTOYAMcLaren Chevrolet2:36.596+1.309
25M ANDRETTIAndretti Honda2:36.609+1.322
26S PAGENAUDPenske Chevrolet2:36.673+1.386
27S BOURDAISFoyt Chevrolet2:36.696+1.409
28S WILSONAndretti Honda2:36.717+1.430
29M CHILTONCarlin Chevrolet2:36.920+1.633
30D KELLETTFoyt Chevrolet2:37.672+2.385
31S DE SILVESTROParetta Chevrolet 
32W POWERPenske Chevrolet 
33R ENERSONTop Gun Chevrolet 
34C KIMBALLFoyt Chevrolet 
35S KARAMDRR Chevrolet 

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar