Spinelli/Haddad faz avaliação positiva da participação no Dakar, mas prevê “dias difíceis pela frente”

Guilherme Spinelli e Youssef Haddad fizeram uma avaliação positiva de sua participação no Dakar, mas destacaram que os próximos dias também guardam suas dificuldades. Dupla ocupa a 11ª colocação na classificação entre os carros

As imagens do nono estágio do Rali Dakar 2014

Única representante do Brasil na edição 2014 do Rali Dakar, a equipe Mitsubishi Petrobras segue firme na disputa. Na última terça-feira (14), Guilherme Spinelli e Youssef Haddad completaram a nona especial na 14ª colocação, mantendo o 11º lugar na classificação geral do rali.
 
Navegador do time, Haddad fez uma avaliação positiva da performance da equipe, mas ponderou que ainda é cedo para pensar na classificação geral, já que os próximos dias também serão bastante difíceis. 
Guilherme Spinelli e Youssef Haddad seguem com o 11º posto na classificação geral (Foto: Vinícius Branca/Mitsubishi)
“Chegamos bem nessa altura do Dakar, mas não podemos ficar olhando para a classificação, já que temos dias difíceis pela frente”, ponderou. “Qualquer vacilo pode nos fazer perder posições. Devemos continuar mantendo o ritmo e levar o carro até o final do rali”, continuou. 
 
Spinelli, por sua vez, explicou que a especial foi bastante desgastante, mas concluída sem problemas. “Foi uma especial bem desgastante, tipicamente do Deserto do Atacama”, comentou. “Passamos por retas intermináveis, que tinham piso acidentado e fofo, com muitos desvios pelo caminho. Provas assim parecem não render. Mas fizemos um bom dia sem imprevistos”, resumiu.
 
Antes da chegada a Iquique, os competidores passaram por um trecho de 40 km de dunas. “Não foram as dunas mais difíceis que encontramos até aqui, mas trechos como esse sempre são complicados”, frisou Haddad.
 
O ponto alto da prova foi a famosa descida da duna de Iquique, que tem mais de mil metros de altura e que marca a chegada à cidade chilena. “Acho que o mais bacana dessa descida é quando você aponta lá em cima e vê o Oceano Pacífico a sua frente”, opinou Spinelli. “As pessoas parecem formigas devido à altura da duna. No começo é bastante íngreme, mas a medida que você acelera, o terreno vai ficando cada vez mais plano”, explicou Guilherme.
 
Nesta quarta, Spinelli e Haddad têm pela frente uma especial de 631 km, disputada entre Iquique e Antofagasta. Na primeira parte do trecho cronometrado, os pilotos seguem em direção à costa do Pacífico. No trecho final, o caminho é por uma região de minas e formações rochosas.
 
“Vamos buscar completar mais uma etapa limpa, acelerando sempre na medida certa para terminar com segurança. Temos muito rali pela frente”, concluiu Guilherme.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube