Binder segura Mir e vence GP da Austrália de Moto2. Bagnaia é 12º e desperdiça primeiro match-point

Brad Binder fez valer sua boa performance em Phillip Island e conseguiu segurar Joan Mir nos metros finais por 0s036 para vencer neste domingo (28). Xavi Vierge completa o pódio australiano. 12º, Francesco Bagnaia não aproveitou o primeiro match-point

A corrida da Moto2 pode não ter sido tão emocionante quanto a da Moto3, mas nem por isso deixou de ser bem disputada, com cinco pilotos na briga pela vitória até os giros finais. Com só 0s036 de vantagem, Brad Binder fez valer sua boa performance no circuito de Victoria e viu a bandeira quadriculada primeiro neste domingo (28).
 
Bem ao longo de todo o fim de semana, Binder liderou boa parte da corrida, mas, na 12ª das 25 voltas na Austrália, perdeu a liderança. O sul-africano chegou a cair para o quarto posto, mas retomou o comando em Phillip Island na penúltima volta.
 
O #41, então, tratou de apertar o passo, mas seguiu pressionado de perto por Joan Mir.  O piloto da KTM, porém, conseguiu segurar o espanhol na linha de chegada e recebeu a bandeirada com 0s036 de margem. Xavi Vierge conseguiu superar Augusto Fernández por 0s008 e completa o pódio australiano.
Brad Binder garantiu a vitória em Phillip Island (Foto: KTM Ajo)
Luca Marini conseguiu entrar na disputa pelo primeiro pelotão na parte final da prova, mas errou na curva quatro no último giro e acabou em quinto, à frente de Dominique Aegerter.
 
Depois do susto com uma forte queda no sábado, Álex Márquez conseguiu correr, mas acabou em um isolado sétimo posto, seguido por Jesko Raffin. Marcel Schrotter largou do pit-lane depois de um problema já no grid, mas conseguiu se recuperar e ficou em nono, à frente de Fabio Quartararo.
 
Protagonistas no campeonato, Francesco Bagnaia e Miguel Oliveira não passaram de figurantes no GP da Austrália deste domingo. Os dois até recuperaram algumas posições em relação ao ponto de partida, mas não conseguiram se aproximar da briga pela vitória em nenhum momento da disputa. O português recebeu a bandeirada em 11º, 1s050 à frente do italiano. 
Assim, a disputa pelo título segue para a Malásia, próxima parada do Mundial, já que Bagnaia foi aos 288 pontos, abrindo 36 de margem para Oliveira. Binder é o terceiro na tabela, seguido por Baldassarri e Mir.
 
Mas, se a disputa no Mundial de Pilotos continua, na disputa entre Construtores acabou neste domingo. Com um total de 366 pontos, a Kalex chegou ao sexto campeonato na Moto2.
 

Saiba como foi o GP da Austrália de Moto2:
 

Apesar das nuvens no céu de Victoria, a previsão não era de chuva para este domingo. Quando a Moto2 alinhou no grid, os termômetros marcavam 13°C, com o asfalto chegando a 35°C. 
 
Pela oitava vez na Moto2 ― igualando Sam Lowes como o quinto piloto com mais poles na categoria ―, Mattia Pasini tinha a pole-position. Além disso, aos 33 anos e 75 dias, o italiano é o piloto mais velho a conquistar a posição de honra na classe intermediária, superando seu próprio recorde.
 
Na primeira fila pela sexta vez no ano, Marcel Schrotter tinha o segundo posto, seguido por Xavi Vierge e Dominique Aegerter. Brad Binder vinha em quinto, seguido por Fabio Quartararo. Líder do Mundial, Francesco Bagnaia ficou só com o 16º posto do grid, com o rival Miguel Oliveira apenas em 20º.
 
Neste fim de semana, a Dunlop levou para Phillip Island os pneus dianteiros macios ‘343’ e médios ‘2’ e os traseiros extraduro ‘S1’ e duros ‘H3’.
 
As luzes se apagaram no circuito australiano, com Pasini mantendo a primeira colocação, com Vierge ficando em segundo. Lecuona ficou com o terceiro posto do pelotão.
 

Mas alguns metros mais a frente, Vierge logo tratou de superar Mattia para tomar a liderança do pelotão. Brad Binder vinha em segundo, seguido por Lecuona, Aegerter e Marini fechando o top-5 do momento.
 

E no segundo giro, então, Pasini já sofreu com um forte golpe de má sorte. Na curva 4, o piloto acabou perdendo o controle da sua moto, caindo sozinho e abandonando de forma prematura a corrida.
 

Enquanto isso, no fundo do pelotão, Oliveira era o nono colocado do pelotão, enquanto Bagnaia vinha em décimo. Entretanto, o #42 acabou cometendo um erro e caindo para 12º.

 

Com 21 voltas para o final, as posições seguiam mantidas na ponta do pelotão. Binder seguia em primeiro, seguido por Vierge, Lecuona, Aegerter, Baldassarri, Marini, Márquez, Mir, Gardner e Fernandez fechando o top-10.

Dois giros mais tarde, foi a vez de Lecuona ver sua prova acabar de forma precoce. O piloto acabou tocando com Vierge, saindo da pista e caindo. Com isso, abandonou quando ocupava a segunda colocação.
 
Entre os postulantes da briga pelo título, Oliveira era o décimo colocado da tabela, enquanto Bagnaia era apenas o 12º.
 
Faltavam 15 giros para a bandeira quadriculada e Binder seguia sem problemas na primeira colocação do pelotão. Vierge, Baldassarri, Mir e Aegerter completavam os cinco pilotos mais velozes do momento.
 
A briga pela primeira colocação começava a apertar a medida que a prova se aproximava de sua reta final. Vierge superou Brad para tomar a primeira colocação, mas estava com o #41 em sua cola, junto com Baldassarri.
 

Com o #7 tomando a segunda colocação do #41, ele começou a sua caçada em cima do #97. Os dois pilotos começaram a travar uma briga pela primeira colocação, com Vierge constantemente fechando a porta de Baldassarri.

Enquanto a briga no pelotão da frente seguia animada, mais para trás os postulantes pelo título amargam uma prova difícil. Bagnaia era o 13º, com Oliveira uma posição a sua frente, em 12º.
 
Mir era um piloto que vinha fazendo boa corrida. Após largar das posições mais do fundo do grid, o piloto veio escalando aos poucos os postos. Com seis voltas para o fim, o titular da Marc VDS estava em quinto, com Baldassarri, Binder, Vierge e Fernandez a sua frente.
 
Na reta final, Baldassarri seguia na ponta, mas Vierge e Fernandez vinham atacando o italiano incansavelmente. Até que, na abertura do giro 22, o #97 voltou a ser o líder do pelotão. Binder, Mir e Fernandez fechavam o top-5.
Quando estava no pódio, então, Baldassarri acabou caindo sozinho em Phillip Island. Perdendo o controle da moto, acabou indo ao chão e encerrando de forma precoce sua corrida. Quem tomava o primeiro posto foi Binder.
 
Na última volta, Binder tentava segurar a primeira colocação, mas Mir encostou de forma perigosa, com o #36 colocando ao lado e perdendo por milésimos na reta principal. Na terceira colocação foi Vierge, que superou Fernandez nos últimos instantes. Marini fechou o top-5.

Moto2 2018, GP da Austrália, Phillip Island, Final:
1 B BINDER Red Bull KTM Ajo 39:23.427 25 voltas
2 J MIR Marc VDS Kalex +0.036  
3 X VIERGE Intact Kalex +0.949  
4 A FERNANDEZ PONS Kalex +0.957  
5 L MARINI VR46 Kalex +1.767  
6 D AEGERTER Kiefer KTM +2.482  
7 A MÁRQUEZ Marc VDS Kalex +3.759  
8 J RAFFIN SAG Kalex +4.850  
9 M SCHROTTER Intact Kalex +6.250  
10 F QUARTARARO Speed UP +7.453  
11 M OLIVEIRA Red Bull KTM Ajo +8.675  
12 F BAGNAIA VR46 Kalex +9.725  
13 T NAGASHIMA Tady Kalex +9.787  
14 S LOWES Interwetten KTM +11.209  
15 E PONS Speed UP +14.076  
16 K IDHAM PAWI Tady Kalex +15.350  
17 S ODENDAAL RW NTS +15.396  
18 J ROBERTS RW NTS +23.230  
19 S CORSI TASCA Kalex +33.736  
20 A LOCATELLI Italtrans Kalex +42.324  
21 B STARING Tech3 Mistral 610 +52.297  
22 L BALDASSARRI PONS Kalex +1:03.888  
  X CARDELUS Stylobike Kalex NC  
  R GARDNER Tech3 Mistral 610 NC  
  J NAVARRO Gresini Kalex NC  
  I LECUONA Interwetten KTM NC  
  F FULIGNI TASCA Kalex NC  
  J DANILO SAG Kalex NC  
  I VIÑALES Forward Suter NC  
  M PASINI Italtrans Kalex NC  
         
REC A DE ANGELIS Forward Speed Up 1:32.814 172.5 km/h
MV T RABAT Marc VDS Kalex 1:32.470 173.1 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 13ºC | pista: 35ºC

#GALERIA(9579)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube