Com Dovizioso, MotoGP tem menor pontuação na liderança após sete etapas em 35 anos

Em 1985, Freddie Spencer liderava o campeonato das 500cc com 81 pontos após sete etapas. No ano seguinte, Eddie Lawson chegou à mesma altura da competição com 84

A MotoGP vive uma temporada atípica em 2020. Com Marc Márquez fora de combate após fraturar o braço direito ainda no GP da Espanha, na abertura do campeonato, a classe rainha ficou sem um líder claro e, semana após semana, surpreende com resultados cada vez mais inesperados.

Completada a primeira metade da temporada, são seis vencedores diferentes: Fabio Quartararo, Brad Binder, Andrea Dovizioso, Miguel Oliveira, Franco Morbidelli e Maverick Viñales ― quatro deles inéditos. Um fato inédito na história. Além disso, 12 pilotos já passaram pelo pódio neste ano, com Valentino Rossi, Johann Zarco, Joan Mir, Jack Miller, Pol Espargaró e Francesco Bagnaia se juntando aos seis vencedores.

Andrea Dovizioso lidera com apenas um ponto (Foto: Red Bull Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

No entanto, também chama atenção o número alto de abandonos. Até agora, apenas Dovizioso, Takaaki Nakagami, Álex Márquez e Bradley Smith completaram todas as corridas, com só os dois primeiros pontuando em todas as etapas e unicamente o japonês da LCR Honda conseguindo sete aparições no top-10.

Em um cenário como este, Dovizioso completa a parte do campeonato na liderança, com 84 pontos, apenas um a mais do que Quartararo e Viñales, segundo e terceiro, respectivamente. Em boa fase, Mir vem pertinho também, com só quatro pontos a menos que o líder.

Na era da MotoGP, que substituiu as 500cc em 2002, a pontuação do italiano de Forli é consideravelmente menor que a média. Nos 18 campeonatos anteriores, os competidores chegaram a sétima etapa com cerca de 140,5 pontos. Portanto, uma média 1,6 maior do que os pontos somados pelo piloto da Ducati até aqui.

Esta é, também, a primeira vez em 34 anos que um piloto lidera o campeonato com 84 pontos após sete etapas. Em 1986, Eddie Lawson chegou ao GP da Bélgica com tal pontuação, apenas dez tentos à frente de Randy Mamola. O californiano de Upland, aliás, conquistou naquele ano o segundo dos quatro títulos.

No ano anterior, Freddie Spencer chegou ao GP da Holanda, sétima parada da competição, com só 81 pontos, sete a mais que Lawson, o então vice-líder. Foi o ano do bicampeonato de ‘Fast Freddie’ nas 500cc.

Entre 1977 e 1987, porém, a categoria principal do Mundial de Motovelocidade contava com um sistema de pontuação diferente, no qual o vencedor somava apenas 15 pontos, contra os 25 em vigor desde 1993. Naquela época, apenas os dez primeiros pontuavam, ao contrário de hoje, onde todo top-5 marca.

LEIA TAMBÉM
Francis Bradfield, o homem que protesta contra o racismo sozinho na MotoGP

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube