Bastianini segue barca e se aproxima de acordo com KTM para temporada 2025 da MotoGP

De acordo com o site da revista inglesa Autosport, Enea Bastianini vai correr em uma das motos da KTM, que planeja ter quatro equipamentos de fábrica, na temporada 2025 da MotoGP

Enea Bastianini é o próximo da fila a deixar a Ducati na MotoGP. O italiano, que atualmente corre na equipe principal da fabricante italiana ao lado de Francesco Bagnaia, vai assumir uma das motos da austríaca KTM na temporada 2025.

A informação é do site da revista inglesa Autosport desta terça-feira (4) e vem na esteira da reviravolta causada por Marc Márquez nos bastidores da casa de Borgo Panigale. Após a confirmação da saída de Jorge Martín para a Aprilia, a expectativa era que Bastianini fosse o natural substituto, uma vez que a Pramac também compete com as motos do ano, ao contrário das demais satélites da marca. Mas o piloto de 26 anos preferiu apostar em um projeto novo e que pode dar a ele a chance de desafiar a atual hegemonia da Ducati.

Relacionadas


O Pierer Mobility Group, que gerencia a equipe de fábrica da KTM e a satélite Tech3 GasGas, já avisou que o plano é colocar quatro motos do ano no grid de 2025. Estreante na temporada, Pedro Acosta já foi confirmado no time principal ao lado de Brad Binder no ano que vem, portanto a vaga de Bastianini é na Tech3. O segundo piloto ainda não foi definido, porém há Jack Miller com contrato para ainda ser renovado.

Os bastidores da MotoGP estão em ebulição desde a bomba de Márquez. No dia anterior, a Autosport revelou que a Ducati optou por romper o vínculo com Jorge Martín para abrir vaga para o hexacampeão no time de fábrica.

Enea Bastianini corre na Ducati de fábrica (Foto: Ducati)

A Ducati possui quatro equipes no grid atual da classe rainha do Mundial de Motovelocidade. Duas delas, Gresini e VR46, disputam o campeonato com as motos do ano passado, a GP 23, enquanto Pramac — onde hoje corre Martín — e o time de fábrica usam as motos do ano.

Disposto a voltar a ser competitivo ainda que isso significasse ter de andar em uma equipe satélite, Marc aceitou a proposta dos italianos e foi para a Gresini, porém deixou claro que o objetivo era ter a moto de fábrica. Com Martín bem cotado para enfim subir para a Ducati graças às recentes performances na MotoGP, a expectativa era de que o #93 naturalmente ocupasse a vaga que seria deixada por Jorge na Pramac.

Só que tudo mudou quando o próprio Márquez declarou que correr por lá não era uma opção. A imprensa italiana, inclusive, já dava o acordo entre Martín e Ducati como certo, porém o posicionamento de Marc obrigou o time chefiado por Gigi Dall’Igna a abrir mão do atual líder do Mundial para não perder a maior estrela em atividade da MotoGP.

Tanto KTM quanto Ducati devem fazer os anúncios oficiais das contratações em breve.

MotoGP volta a acelerar entre 28 de 30 de junho para o GP dos Países Baixos, em Assen, com a 8ª etapa da temporada 2024. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das outras classes do Mundial de Motovelocidade durante todo o ano.

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente:Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.