Frio, chuva e reclamações: MotoGP precisa dar segurança e rever data do GP da França

A chuva e o frio foram novamente intrusas na festa da MotoGP em Le Mans, palco do GP da França. Com isso, os pilotos enfrentaram dificuldades para esquentar os pneus e um show de quedas foi visto. Os competidores, no entanto, pediram mudanças no calendário para evitar o alto risco de lesões no futuro

Trailer dos personagens clássicos do F1 2021 (Vídeo: Codemasters)

A MotoGP segue com tudo nas reclamações em 2021. Depois das queixas sobre a segurança em Jerez, palco do GP da Espanha, os pilotos passaram a questionar Le Mans, que recebe o GP da França há algumas décadas. Nada contra a pista, é verdade, mas com a época do ano que a prova é marcada, no início de maio.

É vem verdade que a Europa já vive sua primavera, mas as condições raramente são agradáveis para os pilotos em Le Mans nesta época do ano. O fim de semana da quinta etapa do Mundial de Motovelocidade, por exemplo, foi marcado pela chuva e pelo frio intenso. Com isso, foram muitas as quedas nos dois primeiros dias de treinos — 77, no total —, especialmente pela dificuldade em esquentar os pneus nessas condições.

É bem verdade que Le Mans parece estar sempre nublado e muitas vezes com chuva quando recebe a MotoGP. Foi assim em 2020, inclusive, quando a prova foi realizada em outubro, já no outono europeu. Na ocasião, porém, com a bagunça no calendário em decorrência da pandemia de Covid-19, a situação foi relativizada pelos pilotos.

Pneus e pista fria, uma combinação ingrata na França (Foto: Repsol)


Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

A situação gerada pelo frio em Le Mans fez com que diversos pilotos pedissem abertamente para que a corrida fosse transferida para uma época mais quente do ano. O warm-up, na manhã de domingo, foi adiado em 40 minutos por conta da baixa temperatura, repetindo a situação vivida em Aragón no ano passado.

Aleix Espargaró, assim como em Jerez, foi uma das vozes mais ativas nos pedidos de mudanças. “Se falamos muitas vezes sobre segurança, não podemos correr em Le Mans nessa época. Os pneus não estão aquecendo. Vimos 65, 70 acidentes e um piloto já foi operado [Yari Montella, da Moto2]”, afirmou o espanhol.

“Não podemos correr em Le Mans com 12ºC na pista porque os pneus Michelin e Dunlop trazidos não estão funcionando. Não sei se para alguém é engraçado nos ver caindo, mas para nós não é. Todo mundo está caindo, então somos todos idiotas? Não, estou bem irritado”, completou o piloto da Aprilia.

A pista francesa, no entanto, é bem querida pelos pilotos. Com trechos de alta velocidade e vários pontos de ultrapassagens, é uma das preferidas no calendário. Por isso, o apelo pela mudança de data, como fez Maverick Viñales. “Eu realmente desejo que coloquem Le Mans em outra data porque é uma pista legal, mas essa baixa temperatura a transforma em um pesadelo. É difícil, isso é bem perigoso. Espero que mudem [a data] porque Le Mans é uma das pistas mais bonitas, mas o frio dificulta muito. Acho que teríamos melhores corridas e um melhor espetáculo”, opinou.

Álex Rins caiu e abandonou o GP da França (Foto: Suzuki)

LEIA TAMBÉM
⇝ Miller engrena com vitórias seguidas e assume protagonismo na temporada da MotoGP
⇝ WEB STORY: Com Miller, Zarco e Quartararo, MotoGP tem pódio incomum na França

Além do frio, a chuva se fez presente durante todo o fim de semana no Circuit Bugatti, aumentando a dificuldade de esquentar os pneus e deixando a pista ainda mais insegura. Corridas com pista molhada não são tão incomuns na França, não foi só em 2021. Só neste século foram 9 vezes.

Durante todo o fim de semana, nas quatro categorias presentes, quedas foram comuns até para os pilotos mais experientes. Marc Márquez, por exemplo, foi vítima de duas quedas durante o GP da França e precisou abandonar a prova em uma situação que muitas vezes o fez brilhar.

Se Michelin e Dunlop não desenvolverem um pneu especial para Le Mans e suas baixas temperaturas, como sugeriu Aleix Espargaró — e que não faria muito sentido gastar esse dinheiro pensando em apenas uma etapa do calendário — é hora da Dorna sentar com os organizadores e repensar uma nova data. O problema é que o circuito recebe a tradicional prova de 24 Horas geralmente em junho, então o ideal seria depois disso, para não competir com a grande atração da casa. É uma dor de cabeça a mais para a modificação.

O fundamental é que encontre uma data no verão, talvez trocando com alguma outra etapa do calendário. Em uma pista tão querida, mas também tão traiçoeira, todo detalhe é fundamental para evitar maiores problemas para aqueles que fornecem o espetáculo para nós espectadores.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar