Honda descarta questão técnica e diz que problema de Lorenzo é “coragem e vontade”

Chefe da Honda, Alberto Puig avaliou que as dificuldades de Jorge Lorenzo não estão relacionadas ao campo técnico, mas são uma questão de coragem e vontade. O dirigente ressaltou que adoraria ver o #99 rápido como ele era nos tempos de Yamaha


O clima para Jorge Lorenzo na Honda não parece dos melhores. Chefe do time, Alberto Puig descartou que as dificuldades do espanhol com a RC213V sejam resultado de uma questão técnica e avaliou que a falta de performance tem a ver com “coragem e vontade”.
 
Depois de duas temporadas com a Honda, Lorenzo fechou com a Honda para formar o que foi classificado como ‘time dos sonhos’ com Marc Márquez. Até agora, no entanto, a estreia com o protótipo da asa dourada está mais próximo de um pesadelo, já que, além de não ter conseguido sequer um único top-10, o piloto de Palma de Maiorca também vem colecionando lesões.
 
Enquanto se recuperava das consequências de uma queda na Holanda, surgiram rumores de que Lorenzo buscava uma volta à Ducati. O tricampeão da MotoGP, no entanto, decidiu seguir com a Honda e tentar encontrar uma maneira de recuperar a competitividade perdida. 
Jorge Lorenzo ainda não conseguiu encontrar sua boa forma na Honda (Foto: Repsol)
Paddockast #32
AS PISTAS MAIS PERIGOSAS DO MUNDO

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

“Para Jorge, é como começar de novo outra vez, mas ele tem de querer isso, estar ansioso e motivado”, disse Puig ao podcast oficial da MotoGP. “Ele tem de estar disposto a correr riscos e aceitar que, neste esporte, você pode se machucar. É como alguém entrando no ring”, seguiu.
 
“Não acho que o problema de Lorenzo seja técnico, mas coragem e vontade”, disparou. “Nós adoraríamos vê-lo ser rápido como era na Yamaha, seria um sonho”, comentou.
 
Ainda, Puig contou que a Honda não chegou a considerar um substituto para o caso de Lorenzo decidir antecipar o fim de seu contrato. Enquanto o #99 se recuperava de lesão, muitos rumores apontavam para um divórcio precoce.
 
“Se ele decidir quebrar o contrato para o segundo ano, algo que não queremos, no momento a Honda não está pronta para substituí-lo”, admitiu. “Não pensamos em nenhum substituto”, explicou.
 
“Mas se esse fosse o caso, reagiríamos e começaríamos a buscar uma opção, mesmo que não fosse uma maravilhosa”, assegurou.
 
Questionado se Johann Zarco seria uma opção, Puig lembrou que o francês rejeitou uma vaga com a Honda para este ano. O #5 acabou assinando por dois anos com a KTM, mas recentemente pediu para o vínculo ser encerrado na metade e hoje está livre no mercado.
 
“Nós oferecemos a moto a Zarco e ele recusou”, lembrou. “Depois de tudo isso, ele veio, se desculpou e demitiu seu agente por não ter me informado de nada. Nesse sentido, ele foi um cavalheiro e está tudo claro entre nós. Mas não estamos pensando nele, porque nosso piloto é Lorenzo”, concluiu.

O GP de San Marino e da Riviera de Rimini de MotoGP está marcado para o domingo, às 9h (de Brasília). Acompanhe aqui a cobertura do GRANDE PRÊMIO.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube