LCR apresenta moto que põe Zarco como parte do caminho de reconstrução da Honda

Sem Álex Rins, que partiu para a Yamaha, a solução da HRC foi assinar com Johann Zarco para vaga na LCR. Com o time de Lucio Cecchinello, o francês tem a responsabilidade de ajudar a fábrica japonesa a recolocar a RC213V de volta aos trilhos

Como tradicionalmente faz — graças aos patrocinadores diferentes —, a LCR dividiu em duas partes a apresentação das motos para a temporada 2024 da MotoGP. E a primeira a ter o layout revelado nesta quinta-feira (15) foi a de Johann Zarco, que estreia pela equipe neste ano. A moto de Takaaki Nakagami será apresentada às 8h (de Brasília).

Com apoio principal da Castrol, a moto de Zarco carrega as cores da marca de lubrificantes: branco, verde e vermelho. Mas, mesmo que as cores sejam as mesmas da antecessora, a moto deste ano tem um layout diferente, mais fluido.

Veterano na MotoGP e com passagens pelas equipes de fábrica de Yamaha e KTM e pela estrutura satélite da Ducati, Zarco chega ao time de Lucio Cecchinello como parte da reconstrução da Honda. Foi a gigante japonesa que conseguiu atrair o francês para a LCR, oferecendo não só uma boa proposta financeira, mas também um projeto de mais longo prazo — com equipe italiana, o contrato era de apenas um ano, enquanto que a marca da asa dourada deu um vínculo até 2025. Hoje, apenas Johann, Luca Marini e Brad Binder têm acordos publicamente confirmados para além de 2024 — a duração do elo entre KTM e Pedro Acosta ainda é desconhecida.

A escolha por Zarco parece justa pela experiência. Ainda que a primeira — e única — vitória tenha vindo apenas no ano passado, o #5 já soma 124 GPs na classe rainha e, mais do que isso, tem experiência com a Ducati, a melhor moto do momento.

LCR usa layouts diferentes nas motos de Zarco e Nakagami (Foto: LCR)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

No entanto, a passagem do piloto de Cannes pela KTM é que deixa algumas dúvidas. Em 2019, Zarco desembarcou em Mattighofen com um contrato de dois anos, mas, insatisfeito com a performance de uma moto sabidamente em desenvolvimento, pediu para sair ainda na metade do primeiro.

Na época, a LCR surgiu como opção, com o bicampeão da Moto2 substituindo um então lesionado Takaaki Nakagami em três corridas — Austrália, Malásia e Valência —, mas a oportunidade nunca chegou. Johann foi, então, resgatado pela hoje extinta Avintia, graças à intervenção de Gigi Dall’Igna, já que o chefe da Ducati Corse convenceu o piloto que tinha rejeitado publicamente a opção de guiar por aquela que era a última nas prioridades da casa de Bolonha.

De lá, Zarco passou para a Pramac, onde ficou por quatro temporadas. Ano passado, o lugar do piloto de 33 anos foi oferecido a Marco Bezzecchi, que rejeitou a promoção e optou por seguir na VR46. Ainda assim, o Johann se sentiu mais “desejado” pela LCR e optou pela mudança.

Zarco sabe, porém, que trocou por uma moto inferior. Enquanto a Ducati venceu o Mundial de Construtores e o de Pilotos e a Pramac levou o Mundial de Equipes, a Honda fechou 2023 na lanterna do Mundial de Construtores e perdendo o maior astro da equipe: Marc Márquez optou por encerrar o contrato um ano antes do previsto para correr com a Gresini.

📷 Conheça a RC213V, moto da LCR Honda para temporada 2024 da MotoGP

Johann Zarco tem a função de ajudar a Honda a recuperar a competitividade da RC213V (Foto: LCR)

Ao aceitar a proposta, Johann assumiu, também, o desafio de ajudar a Honda a recuperar o rumo. Durante os testes da MotoGP na Malásia já foi possível notar que a RC213V nova é melhor do que a antecessora, mas só as corridas vão dar a medida exata dessa evolução.

Animado com a nova experiência na MotoGP, Zarco evitou estabelecer um objetivo claro, mas quer ver a Honda de volta às principais posições.

“Quero correr para estar na ponta e, pelo menos, sentir que posso lutar por um pódio ou até algo mais se surgir a oportunidade”, disse Zarco. “Com a nova moto, tenho esse estímulo, esta motivação e a sensação de que é possível, com mais motivo. Não posso dar um objetivo ou uma posição clara. Seria ser muito constante, tipo voltar a colocar a Honda no top-10 do Mundial”, seguiu.

Resta, contudo, outra dúvida: qual tipo de participação a Honda vai permitir a Zarco? Até aqui, o desenvolvimento era muito focado em Marc Márquez, com os demais pilotos reiteradamente se queixando de não serem ouvidos. Ao que tudo indica, isso mudou. Como o próprio Cecchinello confirmou.

Se puder participar, o #5 tem como contribuir, já que conta com uma boa experiência com a melhor moto do pedaço. Se ele vai ter paciência para esperar a evolução, só o tempo vai dizer.

“A vantagem da LCR em relação a uma equipe de fábrica é que temos mais contatos com os mecânicos e os técnicos, mas temos a moto de fábrica, então é, mais ou menos, a melhor solução: menos pressão na equipe, mas com o melhor material”, avaliou Zarco.

Cecchinello destacou a força do grid da MotoGP e lembrou que, a cada ano, é preciso evoluir mais e mais para poder se manter entre os ponteiros.

“Temos de trabalhar mais a cada ano, nos esforçarmos mais para sermos competitivos, porque estamos no grid mais competitivo do motociclismo, então a cada ano a moto tem de crescer”, defendeu Cecchinello. “Estamos prontos para um novo capítulo da nossa história. Estamos focados em conseguir os melhores resultados da história”, completou.

MotoGP retoma as atividades entre os dias 19 e 20 de fevereiro em Lusail, no Catar, para concluir a pré-temporada. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das outras classes do Mundial de Motovelocidade durante todo o ano.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.