Márquez conta com sorte para pole e Yamaha cresce. Mas Iannone surge favorito para GP da Austrália

Em uma pista reconhecida por privilegiar os pilotos, Andrea Iannone se destacou tanto pela performance em uma volta quando pelo ritmo de corrida. As condições climáticas da classificação, porém, jogaram contra o italiano, mas o #29 larga como favorito à vitória no GP da Austrália. Além do titular da Suzuki, a Yamaha também se destacou neste sábado (27), enquanto Marc Márquez contou com a sorte para se impor no momento certo em Phillip Island

Phillip Island é mesmo um circuito surpreendente. Neste sábado (27), porém, a surpresa veio do clima, que preparou uma chuvica intermitente para esfriar a parte final do treino classificatório. Com os 12 pilotos do Q2 calçando pneus slicks, a irregularidade das condições de pista foi um desafio extra, mas Marc Márquez conseguiu aparecer no momento certo para garantir a pole do GP da Austrália pela quinta vez consecutiva.
 
Na quinta de suas nove voltas nesta tarde, o #93 cravou 1min29s199 e assegurou a posição de honra com 0s310 de margem para Maverick Viñales, o segundo colocado. Johann Zarco ficou com o terceiro posto, já 0s506 atrás do ponteiro.
 
Dono do melhor tempo nos treinos livres, Andrea Iannone foi também quem mostrou o melhor ritmo na quarta sessão livre, mas o Q2 não saiu exatamente como o esperado. Com 1min29s712, o titular da Suzuki vai largar apenas em quarto, à frente de Álex Rins e Jack Miller, que foi quem mais se expos para tentar uma boa colocação no grid.
Andrea Iannone despontou como favorito à vitória em Phillip Island (Foto: Suzuki)
“Honestamente, eu não estava com muita vontade de arriscar. O plano era fazer três voltas e parar, mas vi que nessa última volta tinha parado um pouco de chover e decidi ficar um pouco mais”, contou Márquez. “Definitivamente, tinha parado de chover, pelo menos não tinha água na viseira, na carenagem, algo que, especialmente neste circuito, dá medo, mas foi ali que dei tudo. Na ultima saída continuava chovendo um pouco e decidi não arriscar, simplesmente marcar Iannone, marcar Valentino [Rossi] e estar por ali”, seguiu.
 
Campeão antecipado, o piloto de Cervera acredita que a vitória em Phillip Island está nas mãos de Iannone.
 
“Não estamos como no ano passado, não estamos um passo à frente, talvez quem esteja um passo à frente seja Iannone, mas logo estão dois ou três pilotos bastante similares”, ponderou. “Vai ser difícil gerir a corrida, será difícil escolher bem o pneu traseiro, mas vamos tentar fazer o melhor possível”, assegurou.
 
“Tudo vai depender de Iannone. Se ele quiser, não vencemos. Se ele estiver como hoje, ele vence”, opinou. “Mas amanhã é outro dia, não precisa ser como hoje. Vamos tentar melhorar e ver se ele não melhora. É aí que estão as nossas opções”, completou.
 
Segundo no grid, Viñales se mostrou confiante em suas chances de fazer uma boa corrida. Até agora, Phillip Island se apresenta como a melhor chance da Yamaha para encerrar o jejum de vitórias.
 
“Estou contente. Em situações como esta, nem sempre eu fui bem, mas hoje foi a vez que me saí melhor com essa chuvinha na carenagem que te faz cortas gás. No segundo ataque, não pensei nem que tinha água nem nada, forcei ao máximo”, relatou. “Acho que estava com parciais vermelhas até o último setor e lá encontrei muita água, estive perto de cair duas ou três vezes. Acho que meu tempo de volta era outro, mas, de qualquer maneira, estou contente. No TL4, sem os pneus com que vou melhor, fiquei em segundo com um bom ritmo”, frisou.
 
Questionado sobre suas chances de vencer, Maverick respondeu: “Sim, a verdade é que é a vez que me encontro mais forte. Além disso, a pista me favorece muito. Amanhã ainda vou dar um pouquinho mais e ver se estamos melhores de ritmo”.
Marc Márquez encontrou momento ideial para voar e vai liderar Maverick Viñales e Johann Zarco no grid (Foto: Repsol)
O #25, no entanto, reconheceu o bom ritmo demonstrado por Iannone no traçado de Victoria, mas seguiu confiante em suas possibilidades.
 
“Sim, ele tem um ritmo muito bom com o pneu duro. Teremos de ver o que vamos escolher. Eu, realmente, não sei. Tanto com o duro com o macio temos potencial. As últimas voltas serão importantes aqui. A moto está funcionando bem, eu estou muito bem em cima da moto, então vamos ver se as condições melhoraram amanhã e se a pista também melhora”, falou Maverick.
 
Perguntado se espera uma corrida como a de 2017, Maverick foi claro: “Espero que não. No ano passado sofremos muito para estar no pódio. Espero poder largar bem e apertar desde a primeira curva”.
 
Fechando a primeira fila, Zarco admitiu que ficou assustado na classificação, mas falou em “esperanças razoáveis” de voltar ao pódio.
 
“Estou bem feliz com a primeira fila. A classificação de hoje foi bem difícil com algumas gotas de chuva. Mesmo que soubéssemos que a pista estava seca, você fica assustado, então fiquei feliz que o tempo de volta saiu bem até a última volta, quando eu estava simplesmente com medo de forçar muito mais”, declarou Johann. “De qualquer forma, depois desta classificação eu estou muitíssimo feliz de estar em terceiro, porque é uma vantagem para amanhã e isso mostra que eu tenho o potencial para brigar com os caras da frente. O ritmo de corrida não é tão mal, então vou tentar. Espero por um bom clima na tarde de domingo para me dar ainda mais confiança e permitir que eu possa lutar perto da ponta. Eu acho que podemos ter esperanças razoáveis de voltar ao pódio”, opinou.
 
Dominante nos treinos livres, Iannone lamentou ter perdido a pole, mas explicou que teve problema com tráfego.
 
“A classificação não foi boa para nós, mas não podemos controlar a meteorologia. Começou a chover e nós entramos de imediato, mas a pista estava um pouco molhada nas curvas 3, 4 e 5. Quando estava forçando, encontrei Rins e Márquez, que tinham reduzido o ritmo, e isso me fez perder tempo. Então voltei aos boxes para trocar os pneus”, relatou Andrea. “Quando voltei à pista, estava chovendo mais do que antes, então era impossível melhorar”, seguiu. 
 
“Hoje também foi uma questão de tempo e sorte”, resumiu. “Lamento, porque não exploramos nosso potencial. Nós tínhamos uma boa chance de fazer a pole-position”, avaliou. 
Valentino Rossi mostrou bom ritmo no TL4 (Foto: Yamaha)
Andrea, no entanto, alertou que será importante ser cauteloso com o pneu traseiro e avaliou que, além de Márquez e Viñales, Rossi e alguma Ducati também podem aparecer na briga pela vitória.
 
“Amanhã, o importante é ter um bom ritmo, mas também controlar o pneu traseiro para chegar nas últimas voltas nas condições certas”, sublinhou. “Amanhã nós seremos fortes, mas acredito que Marc também será. Nos últimos anos, ele conseguiu fazer a diferença aqui. Vou tentar chegar às últimas cinco voltas com os pneus em bom estado, porque este será o momento em que a corrida será decidida. Vai ser uma batalha entre mim, Márquez e Viñales, mas, com certeza, Valentino também estará e alguma Ducati pode se enfiar lá. E até Rins pode se sair bem se tiver vácuo”, concluiu.

#GALERIA(9579)

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube