Migno segura Di Giannantonio e conquista 1ª vitória da KTM na temporada 2017 da Moto3 em corrida de tirar o fôlego na Itália

Andrea Migno foi impecável na volta final do GP da Itália deste domingo (4) e conquistou sua primeira vitória na Moto3. Fabio Di Giannantonio formou a dobradinha italiana, com Juanfran Guevara fechando o pódio em Mugello

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O dia em Mugello começou muitíssimo bem neste domingo (4). Apesar do céu nublado, a Moto3 teve uma de suas tradicionais corridas quentes, com a briga pela vitória indo até a linha de chegada. Por 0s037, Andrea Migno conquistou a primeira vitória da carreira e também a primeira da KTM no ano.

 
Com uma atuação impecável no giro final, o pupilo de Valentino Rossi conseguiu se afastar o suficiente para neutralizar o vácuo de Fabio Di Giannantonio, que brigou pelo triunfo em todas as 20 voltas da corrida.
A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Itália
Andrea Migno venceu sua primeira corrida na Moto3 em casa (Foto: VR46)
Juanfran Guevara também rodou o tempo todo na ponta, mas acabou em terceiro, à frente de Darryn Binder, que recebeu a bandeirada com apenas 0s002 de margem para Arón Canet.
John McPhee recebeu a bandeirada no sexto posto, à frente do líder do Mundial Joan Mir. Ayumu Sasaki aparece na sequência, com Marcos Ramírez e Nicolò Bulega completando o top-10.
 
Antes de chegar ao parque fechado, Migno parou e foi cercado por abraços de integrantes da VR46. Quem também chegou para os cumprimentos foi Rossi, que deu um longo abraço no italiano da Academia de Pilotos VR46.
 
Saiba como foi o GP da Itália de Moto3:
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Depois de dois dias de muito sol em Mugello, o tempo virou e o domingo amanheceu nublado. Antes da largada da Moto3, os termômetros marcavam 22°C, com o asfalto chegando a 28°C. A velocidade do vento era de 10 km/h.
 
Mais rápido no treino classificatório, Jorge Martín foi punido por conta de sua atuação no TL3 e, assim, John McPhee herdou a pole-position. Joan Mir e Fabio Di Giannantonio formavam a primeira fila.
 
Neste fim de semana, os pilotos podiam optar entre os pneus Dunlop dianteiros macios ‘S’ e médios ‘M’ e traseiros macios ‘S1’ e médios ‘M1’. No grid, todos optaram por um par de médios.
No momento da largada, Di Giannantonio foi quem saiu melhor e tomou a ponta, à frente de Fenati e Suzuki. Mir caiu para quarto, à frente de McPhee, com Bulega despencando para 14º. Martín começou bem e logo subiu para sexto depois de largar em 13º.
 
Na passagem pela reta, os quatro primeiros ficaram lado a lado, mas as posições permaneceram inalteradas. Na volta seguinte, Martín conseguiu saltar para o segundo posto, mas logo caiu para quarto, atrás de Fenati e Martínez.
 
Na volta seguinte, Martín conseguiu pular para a liderança, se colocando à frente de Darryn Binder, que corre com uma réplica do capacete de Nicky Hayden. McPhee era o terceiro.
 
Na sequência, o sul-africano tentou um ataque na direção do piloto da Gresini, mas a porta foi fechada rapidamente. A longa reta, porém, mudou a ordem de novo, com Fenati dando o bote com um belo vácuo para entrar primeiro na San Donato.
 
Na passagem seguinte, os pilotos se agruparam mais uma vez, mas Romano conseguiu defender a liderança, à frente de Di Giannantonio e Ramírez.
 
No fim da sétima volta, Ramírez usou a entrada da reta para pegar a liderança, mas na San Donato já era tudo diferente. Migno aparecia como novo líder, à frente de Mir, Ramírez, Di Giannantonio, Fenati e Martín. 
Fabio Di Giannantonio ficou com o segundo posto em Mugello (Foto: Gresini)
Di Giannantonio foi se mantendo na ponta, embora sem conseguir se afastar do pelotão. Entretanto, Fenati apareceu para retomar a ponta com uma manobra por dentro na Arrabbiata 1.
 
Com 12 voltas para o fim, Binder tomou brevemente a liderança, mas logo foi superado por Di Giannantonio. Ramírez vinha em terceiro, à frente de Fenati e McPhee.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Ao abrirem a volta seguinte, McPhee saltou para a ponta, mas ditou o ritmo por pouco tempo, já que Mir apareceu para mergulhar primeiro na San Donato.
 
Com 11 voltas para o fim, eram 25 pilotos dentro do intervalo de 3s em Mugello.
 
Neste mesmo ponto da corrida, Jules Danilo caiu na Borgo San Lorenzo e abandono a disputa.
 
Enquanto isso, Mir atrasou a freada para entrar primeiro na San Lorenzo, mas passou do ponto e abriu caminho para Binder. O líder do Mundial, no entanto, se recuperou rápido e voltou a dar o tom da prova em Scarperia.
 
Com nove voltas para o fim, a maior vantagem do líder em relação ao segundo colocado: 0s200 entre Mir e Fenati. O que não significa nada na Moto3, já que Di Giannantonio apareceu para entrar primeiro na San Donato, seguido por Ramírez, Romano, Suzuki, Binder, McPhee e Joan.
 
Faltando sete giros para a bandeirada, Mir conseguiu um novo bote e retomou a ponta, com Bulega aparecendo em segundo depois de sair do nada com uma manobra sensacional.
 
Metros depois, Di Giannantonio atacou o #8 na curva três e, depois, pulou para a ponta. McPhee também agiu e assumiu o segundo posto, à frente de Bulega, Binder e Mir.
 
Bulega, então, colou na traseira de McPhee e usou o vácuo na entrada da reta para assumir a ponta. Logo depois, Binder usou a reta para entrar na San Donato na liderança, com Di Giannantonio, MIr e Ramírez na sequência. Eram 22 pilotos em 1s6.
 
Bulega, que abriu a volta 14 na liderança, chegou ao terceiro setor do traçado de Scarperia na 17ª colocação.
 
Logo depois, Migno saltou para a ponta da prova com uma ótima ultrapassagem na Bucini, à frente de Suzuki, Sasaki, Guevara e Ramírez.
 
Com quatro voltas para o fim, Sasaki chegou a assumir o comando, mas perdeu a ponta para Guevara, que era seguido por Canet, Migno e Di Giannantonio. Suzuki e Binder se tocaram ligeiramente e acabaram ficando mais para trás em um embolado pelotão.
 
Di Giannantonio retomou a liderança da disputa com três voltas para o fim, agora com Oettl em segundo, à frente de Canet e Ramírez.
 
Oettl, então, deu o bote e tomou a ponta, abrindo 0s2 de margem para o rival da Gresini pouco depois. 
 
Fabio, entretanto, seguiu firme e conseguiu recuperar a ponta pouco depois, superando Canet no contorno da San Donato. Guevara alcançou para segundo, deixando o piloto da Estrella Galicia 0,0 em terceiro.
No fim da volta, Guevara chegou a se colocar na ponta, mas o vácuo na reta foi fatal para o piloto da RBA, que perdeu a ponta para Di Giannantonio.
 
O piloto da Gresini, porém, durou pouco no comando, já que Migno ressurgiu para entrar primeiro na San Donato.
 
Andrea, então, tento abrir vantagem para evitar o bote na reta, se afastando pouco mais de 0s2 de Di Giannantonio. E a estratégia funcionou perfeitamente para dar à KTM seu primeiro triunfo na temporada.
 

#GALERIA(7059)

Moto3, GP da Itália, Mugello, Final:

1 16 ANDREA MIGNO ITA VR46 KTM 39:43.963 20 voltas
2 21 FABIO DI GIANNANTONIO ITA GRESINI Honda +0.037  
3 58 JUANFRAN GUEVARA ESP RBA Mahindra +0.166  
4 40 DARRYN BINDER RSA WORLDWIDE KTM +0.362  
5 44 ARÓN CANET ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda +0.364  
6 17 JOHN MCPHEE ING BRITISH TALENT TEAM Honda +0.419  
7 36 JOAN MIR ESP KIEFER Honda +0.556  
8 71 AYUMU SASAKI JAP SIC Racing Team KTM +0.710  
9 42 MARCOS RAMÍREZ ESP WORLDWIDE KTM +0.772  
10 8 NICOLÒ BULEGA ITA VR46 KTM +1.125  
11 33 ENEA BASTIANINI ITA ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda +1.229  
12 64 BO BENDSNEYDER HOL RED BULL KTM AJO +1.261  
13 5 ROMANO FENATI ITA ONGETTA Honda +1.461  
14 65 PHILIPP OETTL ALE SCHEDL GP KTM +1.524  
15 88 JORGE MARTÍN ESP GRESINI Honda +1.553  
16 23 NICCOLÒ ANTONELLI ITA RED BULL KTM AJO +1.858  
17 12 MARCO BEZZECCHI ITA CIP Mahindra +2.259  
18 7 ADAM NORRODIN MAL SIC Racing Team Honda +2.272  
19 48 LORENZO DALLA PORTA ITA ASPAR Mahindra +2.319  
20 84 JAKUB KORNFEIL TCH SAXOPRINT Peugeot +3.053  
21 14 TONY ARBOLINO ITA SIC58 Honda +3.476  
22 96 MANUEL PAGLIANI FRA CIP Mahindra +11.162  
23 11 LIVIO LOI BEL KIEFER Honda +17.713  
24 41 NAKARIN ATIRATPHUVAPAT TAI TEAM ASIA Honda +37.687  
25 27 KAITO TOBA JAP TEAM ASIA Honda +37.688  
26 6 MARÍA HERRERA ESP ARGIÑANO & GINÉS KTM +37.776  
27 4 PATRIK PULKKINEN FIN SAXOPRINT Peugeot +37.887  
  24 TATSUKI SUZUKI JAP SIC58 Honda NC  
  75 ALBERT ARENAS ESP ASPAR Honda NC  
  95 JULES DANILO FRA ONGETTA Honda NC  
  30 EDOARDO SINTONI ITA 3570-MTA Mahindra NC  
             
POLE JORGE MARTÍN ESP GRESINI Honda 1:57.176 161.1 km/h
VOLTA MAIS RÁPIDA ARÓN CANET ESP ESTRELLA GALICIA 0,0 Honda 1:57.071 161.2 km/h
RECORDE BRAD BINDER RSA RED BULL KTM AJO 1:57.318 160.9 km/h
MELHOR VOLTA DANNY KENT ING KIEFER Honda 1:56.615 161.9 km/h
             
    Condições do tempo   PISTA SECA   ar: 22ºC | pista: 27ºC

ALONSO ATINGE NOVO PATAMAR NA HISTÓRIA DO AUTOMOBILISMO NA ESPETACULAR INDY 500

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = ‘ca-pub-6830925722933424’;
google_ad_slot = ‘8352893793’;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(‘crt_ftr’).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(‘cto_ifr’);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(‘px’)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write('’);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube