Opinião GP: GP da Malásia deixa mancha na temporada da MotoGP, mas incidente de Rossi e Márquez não tem único culpado

Valentino Rossi errou na Malásia e foi punido na medida de seu erro, mas não é o único culpado pelo que aconteceu. Marc Márquez, entretanto, não vai assumir responsabilidade pelo que fez, já que não quebrou o regulamento

A cobertura completa do GP da Malásia no GRANDE PRÊMIO

A MOTOGP VIVEU dois domingos de emoções distintas nesses últimos 15 dias. Se na Austrália foi a alegria que tomou conta do paddock, na Malásia a sensação foi de tristeza.

 
Na sétima volta da corrida de Sepang, Valentino Rossi e Marc Márquez tiveram um toque na curva 14 que terminou com um tombo do espanhol. Ao fim das 20 voltas da disputa, a dupla foi ouvida pela direção de prova, que decidiu punir o #46 com três pontos por julgá-lo culpado por direção irresponsável.
Valentino Rossi e Marc Márquez têm culpa pelo que aconteceu em Sepang (Foto: Repsol)
Como Rossi já tinha recebido um ponto em Misano — por ter reduzido a velocidade próximo da linha rápida no momento em Jorge Lorenzo realizava uma volta lançada (um incidente não causou maiores transtornos ou polêmicas) —, o piloto chegou a quatro pontos no carnê e, por isso, vai largar em último no GP da Comunidade Valenciana, última etapa da temporada 2015.
 
A disputa entre os dois, entretanto, começou muito antes da largada na pista de Sepang. Já na quinta-feira, Rossi fez um duro ataque a Márquez, acusando-o de ajudar Jorge Lorenzo na disputa em Phillip Island.
 
Embora o piloto da Honda tenha vencido a disputa à frente do #99, o italiano de Tavullia acredita que Marc reduziu o ritmo da prova para permitir que mais pilotos se colocassem entre ele e o companheiro de Yamaha.
 
Levando em conta que Márquez venceu Lorenzo na última volta em Phillip Island, muita gente não acreditou na teoria de Rossi, mas ele não foi o único a dizer que Marc “jogou” na Austrália. Andrea Iannone compartilhou a mesma opinião e era um os quatro pilotos envolvidos na briga pela vitória.
 
As críticas de Rossi esquentaram o clima no paddock, mas um lance curioso no sábado deu o alerta de que o italiano podia não estar tão errado assim. No treino classificatório, Lorenzo fez a volta que lhe rendeu o quarto posto no grid exatamente atrás de Márquez, que não se importou em puxar o rival, mesmo sabendo que não era só Lorenzo que o seguia —Iannone e Aleix Espargaró também estavam por lá.
 
Na coletiva de imprensa, Márquez se defendeu alegando que tinha uma estratégia de duas paradas e não quis desperdiçar um pneu abortando o giro. Mas a situação ficou estranha mesmo assim.
 
Já no domingo, Márquez não mostrou grande espírito combativo quando foi ultrapassado por Lorenzo, mas adotou uma postura completamente diferente na hora de enfrentar Rossi.
Acidente entre Rossi e Márquez (Foto: Reprodução/Twitter)
Mais uma vez, Márquez pareceu corroborar a teoria do italiano. Diretor de provas da MotoGP, Mike Webb reconheceu que o espanhol tentou, deliberadamente, afetar o ritmo de Rossi. O que Valentino entendeu como uma provocação.
 
Claro que a ação de Rossi é reprovável, mas ele não é o único culpado pelo que aconteceu ontem na Malásia. Só que, como atuou dentro do limite do regulamento, Márquez escapa de qualquer punição.
 
E quando se fala em ‘ação de Rossi’, a referência se faz ao fato de ele querer empurrar Márquez para fora da pista. A imagem não é conclusiva. Olhando de frente, parece um chute, olhando pela imagem aérea, não parece.
 
“A defesa de Rossi é que o pé saiu do apoio como resultado do contato. De todas as evidências em vídeo, não há uma imagem clara que mostre que o pé dele escorregou por causa do contato ou que ele deliberadamente chutou”, explicou Webb.
 
Chefe da Yamaha, Lin Jarvis não acredita na teoria do chute e lembrou que “não é muito inteligente chutar uma RC213V de 157 kg”. E, de fato, não é. Rossi podia cair numa situação dessas, o que lhe tiraria da liderança do Mundial.
 
Mesmo fora do lance e sem tê-lo visto em primeira mão, Lorenzo, claro, foi rápido em cobrar uma punição mais severa ao companheiro de Iwata. De acordo com Jorge, o nome de Rossi pesou na hora da decisão da direção de prova.
 
Mas não é bem assim. E a temporada 2015 tem dois exemplos disso, ambos da Moto3. No GP da Argentina, durante o warm-up, Romano Fenati chutou (nesse caso, claramente) Niklas Ajo e foi punido com os mesmos três pontos que Rossi recebeu.
 
Em Jerez de la Frontera, Karel Hanika também atacou Enea Bastianini, mas o tcheco recebeu uma pena mais severa. O piloto da Red Bull KTM Ajo partiu para cima do rival da Gresini por trás, após a bandeirada, de forma completamente inesperada e provocou uma queda feia do italiano. Recebeu cinco pontos no carnê.
 
VIU ESSA? O POLÊMICO INCIDENTE ENTRE ROSSI E MÁRQUEZ NA MOTOGP

determinarTipoPlayer(“15655524”, “2”, “0”);

Mas é verdade que o nome de Rossi pesa. Casey Stoner, por exemplo, não demorou a aparecer no Twitter para culpar o italiano. Mas o aposentado australiano atacaria Valentino ainda que ele descobrisse a cura da AIDS, devido às eternas rusgas do passado entre eles.
 
Ben Spies, por sua vez, também achou a ação de Rossi agressiva, mas ponderou que Márquez “pediu por isso”. Andrea Dovizioso e Iannone também viram erro do lado do compatriota, mas ambos reconheceram que Marc provocou.
 
Muita gente criticou o fato de Rossi não ter recebido a mesma punição de Marco Simoncelli recebeu — um ride-through — quando derrubou Dani Pedrosa anos atrás, provocando uma lesão de clavícula no momento em que o espanhol acabava de voltar de uma outra lesão. Mas Marco e Dani não tinham se estranhado dias antes e o #26 não estava provocando o então titular da Gresini. E isso pesa. 
 
De novo, Rossi errou, não deveria ter feito o que fez e merece a sanção que sofreu, mas não é o único culpado. 
 
Rossi não está reclamando de ter alguém que disputa posição com ele na pista no momento em que ele briga pelo título — minutos antes de atacar Márquez na coletiva de quinta-feira, o italiano estava defendendo Iannone das críticas nas redes sociais, dizendo que o piloto da Ducati fez o que tinha que fazer ao batê-lo na Austrália —, mas da forma como isso está sendo feito.
 
Qualquer que seja o objetivo de Marc, é bom parar por aqui. A carreira que ele vem fazendo até aqui não merece tal postura.
 
Rossi errou ao comprar uma briga com alguém que não tem nada a perder e errou ao perder a cabeça na Malásia. E foi punido na medida de seu erro. 

Opinião GP é o editorial do GRANDE PRÊMIO que expressa a visão dos jornalistas do site sobre um assunto de destaque, uma corrida específica ou o apanhado do fim de semana de automobilismo.

Siga o GRANDE PRÊMIO      Curta o GRANDE PRÊMIO

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube