MotoGP

Pedrosa opta por pendurar capacete e anuncia que se aposenta ao fim da temporada 2018

Dani Pedrosa cumpriu o prometido e anunciou nesta quinta-feira (12), em Sachsenring, que decidiu colocar um ponto final na carreira no Mundial de Motovelocidade. Depois de 18 temporadas correndo com motos da Honda, o #26 não teve seu contrato renovado
Warm Up / JULIANA TESSER, de São Paulo
 Dani Pedrosa (Foto: Michelin)
LEIA MAIS
Aos 32, Pedrosa deixa MotoGP com um rótulo que não encaixa
Pedrosa fala que foi 'muito difícil' decidir sobre aposentadoria
MotoGP diz que Pedrosa vai vira lenda do esporte em Valência

As dez maiores marcas da carreira de Dani Pedrosa na MotoGP

Uma era da MotoGP chegará ao fim na temporada 2018. Aos 32 anos, Dani Pedrosa anunciou nesta quinta-feira (12), em Sachsenring, que decidiu pendurar o capacete e colocar um ponto final na carreira no Mundial de Motovelocidade.
 
O anúncio de Pedrosa chega depois de quase um mês de suspense. Inicialmente, o #26 tinha prometido oficializar seus próximos passos em meados o mês passado, em Barcelona, mas acabou adiando já que ainda negociava para guiar uma Yamaha satélite na recém-formada SIC. A Honda confirmou que junho que Dani não seguiria ao lado de Marc Márquez na MotoGP. O piloto de Sabadell será substituído por Jorge Lorenzo na escuderia apoiada pela Repsol. 
Dani Pedrosa decidiu encerrar a carreira no Mundial de Motovelocidade (Foto: Honda)
Dono de três títulos no Mundial de Motovelocidade ― um nas 125cc (2003) e dois nas 250cc (2004 e 2005) ―, Pedrosa chegou à classe rainha em 2006, já correndo pelo time de fábrica da Honda, mesma equipe que defendeu em todas as temporadas seguintes. Ao longo destes quase 13 campeonatos vestindo o uniforme laranja, Dani conquistou 31 vitórias, 112 pódios e 31 poles, mas jamais conseguiu realizar o sonho de escrever seu nome na Torre dos Campeões. Entretanto, o espanhol foi vice-campeão da classe rainha em três ocasiões ― 2007, 2010 e 2012 ―, mas perdeu a taça para Casey Stoner e Jorge Lorenzo.
 
A partir de 2013, ano da chegada de Marc Márquez à classe rainha e à Honda, as vitórias e pódios começaram a minguar, mas Pedrosa conseguiu manter ― considerando que 2018 ainda está em aberto ― a média de pelo menos uma vitória por ano.
 
Ao longo deste período, Pedrosa, que tem 1,60 metro e 51 kg, se lesionou em diversas oportunidades. São quase duas dezenas de lesões, entre fraturas nos pés e mãos, no rádio, no fêmur e nas clavículas. Mais recentemente, o #26 sofreu uma fratura no punho direito e teve de drenar líquido do quadril por conta de uma forte queda.
 
A saída de Pedrosa da Honda coincide, também, com a chegada de Alberto Puig, que assumiu a chefia do time da asa dourada com a aposentadoria de Livio Suppo no fim do ano passado. Até 2013, o agora dirigente atuou como mentor e agente de Dani, mas a relação terminou de forma um pouco espinhosa. Tão logo Puig foi anunciado no cargo, já surgiram rumores na imprensa espanhola de que a caminhada do piloto na equipe chegaria ao fim. E assim foi. 
 
Nestas últimas semanas, Valentino Rossi e Maverick Viñales fizeram campanha pela contratação de Pedrosa, já que consideravam que o espanhol podia ser uma boa contribuição para o desenvolvimento da YZR-M1, que vive um jejum de 18 corridas sem vencer. O próprio Lin Javis, diretor do time de Iwata, admitiu sua curiosidade para ver o #26 a bordo do protótipo dos três diapasões.
 
Entre o anúncio da Honda e o GP da Holanda, Pedrosa reiterou que tinha algumas boas opções para seguir no grid, mas nunca tirou a aposentadoria de sua lista de alternativas. No início da semana passada, Dani anunciou que tinha feito sua escolha e prometeu oficializar seus planos em Sachsenring, como fez nesta quinta. 

"Eu vou encerrar a minha carreira na MotoGP neste ano e não vou correr no ano que vem", anunciou Pedrosa. "É uma decisão difícil, pois esse é o esporte que eu amo. Mas mesmo tendo boas oportunidades, sinto que não vivo a corrida tão intensamente como antes", justificou.

"Tem sido uma vida incrível poder correr por uma equipe tão importante. Posso dizer que conquistei muito mais do que eu esperava e que estou muito orgulhoso de tudo o que eu fiz. Eu alcancei o meu sonho de me tornar um piloto", continuou.

Presente na coletiva, Carmelo Ezpeleta, diretor-executivo da Dorna, promotor do Mundial de Motovelocidade, anunciou que, no GP da Comunidade Valenciana deste ano, Pedrosa será introduzido no rol das Lendas da MotoGP.