Produção em série de talentos por Moto3 e Moto2 coloca pressão nos pilotos da MotoGP

Fontes quase que inesgotáveis de bons pilotos, as classes menores do Mundial de Motovelocidade fornecem competidores cada vez mais preparados para a MotoGP, o que facilita a substituição

Vitória dominante de Oliveira e líder punido: assista aos melhores momentos do GP da Catalunha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

A produção serial de talentos por Moto3 e Moto2 está tornando mais difícil a vida dos pilotos na MotoGP. Com novatos surgindo mais e mais fortes, as equipes têm uma grande variedade de opções, o que permite a substituição ao menor sinal de problemas.

Houve um tempo em que as equipes podiam se dar ao luxo de insistir em alguém que confiavam, ainda que o competidor não estivesse na melhor fase. Hoje, porém, isso é quase impossível, já que, ao manter uma aposta, as marcas correm o risco de perder para a concorrência o próximo grande astro do Mundial.

Enea Bastianini é um dos novatos da MotoGP em 2021 (Foto: Avintia)

LEIA TAMBÉM
Oliveira ratifica melhora da KTM com vitória impecável no GP da Catalunha

Hoje, mais de 63% do grid da MotoGP é formado por pilotos que estiveram no Moto2 há no máximo cinco anos. As exceções são Maverick Viñales, Aleix e Pol Espargaró, Marc Márquez e Valentino Rossi. Jack Miller, Danilo Petrucci e Lorenzo Savadori, por razões diferentes, sequer passaram pela categoria. 45% dos 22 pilotos atuais fizeram a última temporada na divisão intermediária há três anos ou menos.

Ou seja, o grid é cada vez mais jovem. E esses novatos chegam mais e mais fortes. Campeão vigente, Joan Mir faz a terceira temporada na MotoGP. Fabio Quartararo, que lidera o campeonato deste ano, também. O que é mais uma confirmação do quão bem a base prepara esses competidores.

Para o próximo ano, já está certo o salto de Remy Gardner para a classe rainha, mas ele pode não ser o único estreante na Tech3. Iker Lecuona e Danilo Petrucci ainda não sabem quem ou se algum dos dois continuará por lá. A principal ameaça vem de Raúl Fernández, que estreou na classe do meio neste ano e já é cotado para a MotoGP.

Para aumentar a pressão na KTM, Aleix Espargaró já manifestou publicamente que gostaria de ter o jovem Raúl como companheiro de Aprilia.

No caso de Iker, é até esperado que a KTM entregue os pontos. Afinal, ele está no segundo ano com a equipe e não deu grandes indicativos até aqui. Por outro lado, Danilo acabou de chegar e está apenas na sétima corrida com a RC16. Natural, então, que ele precisasse de mais tempo de adaptação, já que vem de muitos anos com as motos da Ducati.

Pedro Acosta já começa a despertar interesse no Mundial (Foto: Red Bull KTM Ajo)

O projeto da KTM é ver campeão da MotoGP um piloto formado na casa, daí também o interesse dela em manter laços com os pilotos que a defenderam nas classes menores. O que acelera essa roda, já que a produção é contínua.

Mas ninguém tem feito tanto quanto a Ducati na promoção de talentos. Ao que tudo indica, a marca de Bolonha terá oito motos no grid de 2022 e pelo menos duas delas com novatos. E os três estreantes de 2021 também são equipados pela marca italiana.

Para aumentar ainda mais a pressão nos veteranos, a Moto3 também tem suas joias, especialmente Pedro Acosta, o astro do momento. Se optar pelo caminho da prudência, o espanhol estará na Moto2 em 2022 e, dando tudo certo, o passo natural seria chegar à MotoGP em 2023.

Assim, fácil imaginar que a renovação do grid vai seguir acelerada. É a consequência direta de ter uma base bem constituída, planejada e executada.

A MotoGP volta às pistas no próximo dia 20 de junho, para a disputa do GP da Alemanha, em Sachsenring, oitava etapa da temporada 2021. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar