Rossi vê 2017 e 2018 como “os anos mais difíceis” e diz que Yamaha está “arrastando problemas técnicos”

Em sua 13ª temporada com a Yamaha, Valentino Rossi avaliou que as temporadas 2017 e 2018 foram as mais difíceis deste período. O #46 considerou que a casa de Iwata está arrastando problemas técnicos

Valentino Rossi não esconde a decepção com a evolução da Yamaha. Após se classificar apenas em 16º para o GP da Comunidade Valenciana deste domingo (18), o #46 avaliou que 2017 e 2018 foram os mais difíceis de seus 13 anos com a YZR-M1.
 
A Yamaha enfrentou em 2018 seu maior jejum de vitórias na classe rainha do Mundial de Motovelocidade, encerrado recentemente por Maverick Viñales na Austrália. Em Sepang, Rossi liderou boa parte da corrida, mas caiu já nas voltas finais e não conseguiu tirar o zero de seu próprio placar.
Valentino Rossi (Foto: Divulgação/MotoGP)
Embora a performance do protótipo dos três diapasões tenha mostrado evolução durante a passagem do Mundial por Ásia e Oceania, a M1 ainda sofre com uma performance e, de acordo com Rossi, vem “arrastando problemas” desde 2016.
 
“Estes dois anos foram os mais difíceis da minha etapa na Yamaha”, comentou Rossi. “Passamos por momentos complicados, como em 2006 ou 2007, mas na época nós conseguíamos ser rápidos”, lembrou. 
 
“Por outro lado, desde 2016, nós arrastamos muitos problemas técnicos que não nos permitem ser”, completou.

#GALERIA(9596)
 

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe,
.embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube