FBI nega que Bubba Wallace tenha sido alvo de ato racista em Talladega

Relatório emitido pelo órgão federal aponta que o nó de forca, usado como símbolo racista, estava na garagem, usada por Bubba Wallace neste fim de semana, desde 2019 e não configura crime de ódio

O nó de forca encontrado na garagem usada de Bubba Wallace, único piloto preto do grid da Nascar, em Talladega causou enorme repercussão não apenas na categoria, mas também fora das pistas. O estado do Alabama pediu desculpas pelo caso, o heptacampeão Richard Petty, dono da equipe de Wallace, esteve presente no autódromo, e o FBI passou a investigar o caso como crime de ódio.

Nesta terça-feira (23), o órgão federal americano emitiu um comunicado informando que 15 agentes especiais estiveram em Talladega, conduzindo informações e que não há provas de que foi cometido crime racial.

De acordo com a instituição, o nó de forca já estava na garagem número quatro, usada por Wallace, antes mesmo de ela ser atribuída a ele na última semana. O FBI ainda afirmou ter um vídeo da Nascar que mostra o objeto no local em outubro de 2019.

Bubba Wallace
Garagem 4, utilizada pela RPM em Talladega (Foto: Nascar)

A Nascar também comentou o fim das investigações conduzidas pelo FBI. Em nota, a categoria norte-americana declarou que evidências fotográficas confirmam que Bubba Wallace não foi alvo de crime de ódio e que objeto estava no local antes da equipe Richard Petty Motorsport utilizar no último fim de semana.

“Apreciamos o rápido trabalho do FBI na investigação e ficamos agradecidos em informar a todos que este caso não foi intencional e nem um ato racista contra Bubba Wallace. Mantemos nosso compromisso em promover um ambiente acolhedor e inclusivo para todos que amam automobilismo”, disse a Nascar no comunicado.

A Wood Brothers Racing, equipe que utilizou a mesma garagem no ano passado, emitiu uma nota comentando sobre o depoimento de um funcionário alertando que o nó de forca estava na garagem em 2019 e que imediatamente alertou a Nascar sobre o caso para ajudar nas investigações.

O nó de forca é símbolo associado ao linchamento e morte em ataques racistas nos Estados Unidos, utilizado no passado pela Ku Klux Klan, grupo racista que atua no país. Bubba Wallace, recentemente, se colocou como voz da Nascar a favor da diversidade e pediu o fim das bandeiras confederadas nos autódromos, sendo prontamente atendido pela categoria.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube