Stock Car

Osman vê “evolução realmente grande” e comemora início de trabalho pela Shell: “Está sendo fantástico”

Depois de um ano muito complicado na Stock Car, Galid Osman vive nova fase. Correndo pela Shell Helix Ultra, o paulista de 33 anos volta a ser comandado por Maurício Ferreira, o ‘Mau Mau’, velho conhecido desde os tempos de Fórmula Renault, na década passada. Galid vem da sua melhor etapa na temporada, em Goiânia, onde quase foi ao pódio

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
Galid Osman vive uma fase nova em sua carreira na Stock Car. O experiente piloto, desde 2012 na Stock Car, passou a defender as cores da Shell Helix Ultra a partir desta temporada. Dono de mais de 130 largadas na principal categoria do automobilismo brasileiro, Galid, hoje com 33 anos, tem a chance de voltar a defender a Full Time e atuar novamente sob os comandos de um velho conhecido: Maurício Ferreira, o ‘Mau Mau’, chefe da equipe sediada em Vinhedo, interior de São Paulo. Ferreira já foi chefe de Galid nos tempos de Fórmula Renault, na década passada.
 
Ao todo, o piloto conquistou duas vitórias na Stock Car: Velopark, em 2014; Goiânia, em 2016. Seu último pódio aconteceu em Tarumã, há dois anos, depois de ter largado na pole-position. Em contrapartida, a temporada 2018 foi a pior possível para Galid, que somou apenas quatro pontos em um total de 21 corridas no calendário.
 
Em 2019, após a etapa do Velopark e as rodadas duplas do Velo Città e Goiânia, Osman aparece em 15º lugar no campeonato e já somou oito vezes mais pontos que no ano passado, chegando aos 34 tentos. O dono do carro #28 vem do seu melhor resultado em 2019 com um sexto e um oitavo lugares na rodada dupla de Goiânia.
Galid Osman mostra crescimento no seu primeiro ano correndo pela Shell (Foto: José Mário Dias/Shell Racing)
Na visão de Galid, o bom resultado exibido no Planalto Central é um reflexo da evolução exibida desde o começo da temporada e que finalmente foi refletida em pontos para o campeonato.
 
“Venho da minha melhor etapa e me sinto, a cada corrida, mais adaptado à equipe. A equipe está dando toda a estrutura que preciso para conseguir voltar a andar lá na frente. Estou vindo de um processo de reciclagem na minha cabeça, praticamente porque ano passado foi muito ruim, sendo que 2017 foi um ano bom com pole, pódios, vários resultados bons ao longo do ano”, salientou.
 
A reciclagem, assim definida por Galid, consiste em muita dedicação para voltar a viver bons tempos na Stock Car, agora defendendo as cores da Shell. “Estou indo muito à oficina. Toda semana estou lá, junto aos mecânicos e engenheiros, e acho que isso está sendo fundamental para a gente conseguir ter bons resultados, como o que tivemos em Goiânia, onde andamos o tempo todo na frente e foi por detalhes que a gente não foi ao pódio. Mas foi uma evolução realmente grande”, declarou.
 
Sua situação na tabela poderia ter sido até melhor. No Velo Città, Galid partiu com uma estratégia de privilegiar a corrida 2. Só que a decisão não se pagou porque Osman acabou sendo abalroado logo na largada e perdeu as chances reais de terminar entre os três primeiros.
Em apenas cinco corridas, Galid somou oito vezes mais pontos em relação a 2018 (Foto: José Mário Dias/Shell Racing)
“Foi uma pena porque nós fomos para uma estratégia [visando] a segunda corrida e tudo encaixou perfeitamente: larguei na frente do Cacá Bueno — que foi ao pódio —, estava com todos os quatro pneus novos, tinha todos os pushes... Sem dúvidas, foi uma grande chance que perdi por conta do acidente na largada, onde, até agora, ninguém foi punido por isso”, explicou.
 
“Mas houve uma evolução. Daqui pra frente, meu objetivo é continuar sempre dando um passinho pra frente a cada vez, óbvio que com os pés no chão. Para a próxima corrida, minha meta é evoluir um pouquinho mais em relação a Goiânia e, daqui a pouquinho, estar na casa dos dez primeiros do campeonato e sonhar um pouco mais alto”, complementou.
 
Galid destacou também a chance de correr novamente sob os comandos de um velho amigo. “Trabalhar com o ‘Mau Mau’ está sendo muito bom. Já o conhecia bastante e sempre tive vontade de voltar a trabalhar com ele. Nosso retrospecto é muito bom. Está sendo bem legal essa fase, ele está sendo meu engenheiro de pista, então estou aproveitando muito seu conhecimento”, disse.
 
Por fim, o #28 comemorou a chance de viver uma nova fase da carreira. “Com a Shell, está sendo fantástico. A Shell está investindo demais no automobilismo, criou a Academia de Pilotos, tem todo o processo de treinamento por trás e é uma empresa muito profissional, que apoia muito o automobilismo. Está sendo muito legal. Estou muito feliz e tenho certeza de que vai ser uma parceria muito duradoura”, finalizou Galid Osman.

Paddockast #20
Punições tardias, circuitos chatos... O que tem de acabar no esporte a motor?



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.