Kvyat descarta código de conduta da FIA e está fora do WEC 2022

Ex-piloto da Fórmula 1 não assinou documento elaborado pelo órgão regulador até o fim do prazo e, por enquanto, está fora da temporada do WEC. Chefe da G-Drive também se recusou a rubricar cartilha

COMO CONFLITO ENTRE RÚSSIA E UCRÂNIA AFETA A FÓRMULA 1 E OUTROS ESPORTES A MOTOR

Daniil Kvyat não irá mais participar do WEC (Mundial de Endurance) em 2022, ao menos por enquanto. Isso porque o piloto russo se recusou a assinar o código de conduta elaborado pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) na última sexta-feira – a cartilha, por exemplo, proíbe expressões públicas de suporte à invasão russa no leste europeu. O órgão regulador determinou a assinatura do documento como requisito obrigatório para que pilotos da Rússia e Bielorrússia possam participar das competições organizadas pela entidade.

Além do banimento de expressões públicas de suporte à postura russa no conflito, o código de conduta da FIA também proibia a exibição – seja em público ou nas redes sociais – de símbolos, cores ou bandeiras da Rússia e Bielorrússia; a marcação em uniformes, roupas, acessórios e outros itens pessoais de emblemas e palavras ligadas aos dois países; e, por fim, o canto ou reprodução do hino russo e bielorrusso.

LEIA TAMBÉM
Kvyat se opõe à guerra, mas protesta contra veto a russos no esporte: “Não é justo”

Kvyat foi titular da F1 pela última vez em 2020, com a AlphaTauri (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Como detentor de uma licença da Rússia, Kvyat tinha até às 16hrs (de Brasília) da última sexta-feira para assinar a cartilha. O piloto de 27 anos passou 2021 como reserva da Alpine e, recentemente, havia fechado acordo para competir no WEC pelo time russo G-Drive.

O prazo de assinatura do documento igualmente não foi cumprido pelo chefe da equipe russa, Roman Rusinov, que também atua como piloto. “Eu, como membro da G-Drive, me recuso a assinar as condições discriminatórias da FIA”, disse em seu Instagram – em publicação que contou com uma curtida de Kvyat.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“O objetivo de todo atleta é ouvir o hino nacional de seu país no pódio. Em 10 anos de experiência internacional, nosso time conseguiu isso diversas vezes. Nós levantamos a bandeira da Rússia, ouvimos e cantamos o hino russo. Pelos meus fãs, meus companheiros de equipe e minha honra esportiva, eu não vou assinar esse documento. Melhor não dirigir”, concluiu Rusinov.

A G-Drive é patrocinada pela Gazprom Neft, terceira maior empresa produtora de petróleo na Rússia. Alexander Krylov, diretor-regional de vendas da companhia, é o presidente da equipe russa de automobilismo.

Vale lembrar que, ao contrário de Rusinov e Kvyat, Nikita Mazepin se disse disposto a assinar o código de conduta da FIA para permanecer na Fórmula 1. Ainda assim, o piloto teve seu contrato com a Haas terminado e está fora da temporada de 2022 da F1.

COMO MERCEDES E RED BULL JÁ SE ENFRENTAM NA FÓRMULA 1 2022
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar