Mazepin destaca decisão unilateral da Haas após saída da F1: “Estou muito decepcionado”

Agora fora da Fórmula 1, piloto russo afirmou que estava disposto a aceitar condições impostas pela Federação Internacional de Automobilismo para continuar na categoria, mas diz ter sido ignorado pela equipe americana

COMO CONFLITO ENTRE RÚSSIA E UCRÂNIA AFETA A FÓRMULA 1 E OUTROS ESPORTES A MOTOR

Nikita Mazepin se pronunciou depois do anúncio do encerramento de seu contrato com a Haas, feito neste sábado (05). O piloto russo classificou a decisão tomada pela equipe americana como “unilateral” e revelou que estava disposto a aceitar as determinações da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

Vale lembrar que a entidade divulgou na última sexta-feira (04) um código de conduta que pilotos russos e bielorrussos deveriam cumprir para não serem impedidos de participar nos eventos do órgão regulador. Dentre as imposições, estava a proibição de execução dos hinos de Rússia e Belarus em eventos da FIA e expressões públicas de apoio à invasão na Ucrânia.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Os testes de pré-temporada em Barcelona, agora, marcam a última vez de Mazepin em um carro de F1 (Foto: Eric Calduch/GRANDE PRÊMIO)

“Queridos fãs e seguidores, estou muito decepcionado por saber que meu contrato na F1 foi encerrado. Enquanto entendo as dificuldades, as imposições da FIA e minha disposição de aceitar as condições propostas para continuar foram completamente ignoradas e nenhum processo foi seguido nessa decisão unilateral”, revelou Mazepin.

“Para aqueles que tentaram compreender, minha eterna gratidão. Eu aproveitei meu tempo na F1 e realmente espero que possamos estar juntos em tempos melhores. Vou falar mais nos próximos dias”, finalizou.

No começo da manhã deste sábado, a Haas anunciou que tanto Mazepin quanto a patrocinadora Uralkali – empresa de fertilizantes russa gerenciada por Dmitry Mazepin, pai do piloto – não faziam mais parte da equipe americana.

LEIA TAMBÉM
Marko reforça confiança em Verstappen após renovação: “Não fazemos contratos longos”

Além do piloto russo, a Uralkali, empresa do pai Dmitry, também está fora da Haas (Foto: Haas)

“A Haas F1 Team decidiu terminar, com efeito imediato, a parceria com a Uralkali e o contrato do piloto do Nikita Mazepin. Assim como o resto da comunidade da Fórmula 1, o time está chocado e triste pela invasão da Ucrânia e deseja por um fim pacífico ao conflito”, afirmou o comunicado emitido pelo time.

Haas não anunciou, de momento, quem será o substituto do piloto russo no grid da Fórmula 1. A expectativa é que Pietro Fittipaldi assuma o posto, com Antonio Giovinazzi também postulando à vaga.

A saída foi ocasionada pela delicada situação de Mazepin após diversas sanções aplicadas a atletas russos e, claro, o rompimento com o patrocínio principal do time. Apesar da FIA decidir que pilotos e equipes da Rússia poderiam permanecer no esporte a motor com bandeira neutra, a Motorsport UK, entidade máxima do esporte no Reino Unido, tomou outra atitude.

O órgão declarou que as licenças de pilotos da RAF (Federação Russa de Automobilismo) e da BAF (Federação Bielorrussa de Automobilismo) estão suspensas no território britânico. Com isso, Nikita perderia o GP da Inglaterra de Fórmula 1 em 2022, obrigando uma troca da equipe ao menos para a etapa de Silverstone. Outras entidades europeias foram aconselhadas a seguirem o mesmo caminho da Motorsport UK.

HORA DA VERDADE: QUAIS PILOTOS PODEM VENCER CORRIDAS NA FÓRMULA 1 2022?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar