Adaptação difícil é compreensível, mas Ricciardo precisa de evolução imediata

Daniel Ricciardo começa a temporada 2021 abaixo do esperado e vê Lando Norris muito melhor. O australiano precisa evoluir, e a solução talvez seja entender o que o britânico faz de diferente

Daniel Ricciardo parece não conseguir se livrar das dificuldades da adaptação à McLaren, vivendo em meio a problemas nítidos no começo de 2021. Foi assim na Renault em 2019 e tudo se desenha para que o segundo capítulo dessa novela se repita agora. Porém, se à época a equipe de Enstone não poderia oferecer muito ao australiano, a de Woking tem o melhor carro do pelotão intermediário até aqui, fato este comprovado pelos dois pódios de Lando Norris, companheiro de Ricciardo e protagonista da equipe no momento. Já é hora de se reencontrar e voltar a guiar em alto nível

Nas cinco primeiras corridas da temporada, Ricciardo foi devorado por Norris. Este, aliás, deixou de ser promessa para virar a realidade da McLaren: só o carro de número #4 está competitivo, enquanto o #3, de Ricciardo, pena para ficar na zona de pontuação de forma constante.

Após o GP de Mônaco, onde pela segunda vez a McLaren foi ao pódio com Norris, Ricciardo teve um dia de cão. O veterano viu o bom desempenho do colega, cruzando a linha de chegada uma volta atrás. Fato humilhante para o piloto de 31 anos, que tem um sexto lugar no GP da Espanha como seu melhor resultado em 2021. Situação muito aquém do esperado. Daniel reconhece a má fase, sabe que não entrega o que Norris entrega, mas não consegue explicar os motivos para tal.

“Claro, eu vou seguir checando tudo para ver o que posso fazer de melhor. Só que há diferenças na telemetria. Como, por exemplo, apontando o motivo para o Lando ser mais rápido nessa ou naquela curva. Eu consigo ver, mas não sei se consigo fazer do jeito que o Norris faz. Veremos. Talvez ainda seja questão de me acostumar com o carro, mas tenho certeza de que vamos checar tudo. Até porque é duro ficar tão atrás”, assumiu o australiano após a corrida no Principado.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Daniel Ricciardo ficou novamente atrás de Lando Norris (Foto: McLaren)

Ainda sobre o GP de Mônaco, Ricciardo reconheceu que foram dias para se esquecer, de uma performance para ficar longe do DVD de melhores momentos da carreira. Mesmo sem indícios de evolução até aqui, o carismático australiano mostrou sua face otimista ao projetar melhora para Baku, palco da sexta etapa do Mundial que acontece daqui duas semanas.

“Eu acho que todo o fim de semana inteiro foi para esquecer. O carro #4 [de Lando Norris] conseguiu um pódio, então obviamente quero parabenizá-los. Conseguiram fazer tudo direito. Não sei dizer o que deu errado, apenas nunca conseguimos o melhor. Não fizemos um acerto diferente. Quero dizer que os carros eram idênticos na questão do ajuste. Não estou tentando ser mais esperto, mas tenho que aprender mais desse carro do que o Lando, então não estou sendo muito diferente, apenas segui o padrão. Foi um estranho fim de semana e devemos esquecer. Vamos para Baku.”, disse.

Se a esperança é a última que morre, Ricciardo ainda tem sobrevida. Mas, até aqui, leva passeio do próprio carro e é goleado por Norris no Mundial de Pilotos. Atualmente oitavo colocado no campeonato com 24 pontos, Daniel vê quase que com binóculos Lando ocupar a terceira posição com 56 tentos, 32 a mais que ele. Se a McLaren hoje cumpre com maestria o objetivo de ser a terceira força do grid, parabéns a Norris, que consegue a maior parte dos resultados.

Verdade seja dita que em 2019, quando chegou à Renault após a bombástica transferência da Red Bull, Ricciardo começou de forma inconsistente. Demorou duas provas para ir aos pontos. E teve um quarto lugar no GP da Itália daquele ano como melhor resultado. Acabou o campeonato em nono, quatro posições à frente de Nico Hülkenberg. Em 2020, no segundo e último ano na equipe francesa, teve resultados melhores. Subiu ao pódio em duas oportunidades, no GP do Eifel e no GP de Ímola, enquanto Esteban Ocon teve, no GP de Sakhir, um segundo lugar. No Mundial, números melhores daquela vez: quinto colocado com 119 pontos e 6 posições acima do companheiro de equipe.

Mas, é bom ressaltar que no meio desta boa temporada pela Renault, Ricciardo já havia acertado com a McLaren, onde está atualmente. Sem continuidade nos trabalhos recentes desde que deixou a Red Bull, equipe que defendeu entre 2014 e 2018, Ricciardo repete o ciclo de começar mal em sua nova casa. O grande problema é que agora as ambições de sua equipe são claras e estão sendo palpáveis, mas não com a ajuda do australiano, que mais uma vez decepciona no papel de capitanear novos projetos.

Para 2021, a melhora precisa ser imediata. Afinal, a diferença em comparação a Norris é gritante. Se em 2022 tudo der certo nos planos da McLaren, a equipe voltará a seus dias de glória com o advento do novo regulamento técnico da categoria. Porém, se continuar assim, Norris será o piloto para comandar a equipe e os louros do projeto, enquanto Ricciardo continuará vivendo seu drama pessoal de não se adaptar rapidamente a novos ambientes.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar