Alonso quer ver batalhas mais acirradas na F1 2021. E Räikkönen nem se importa: “Acho que nem estarei aqui”

Fernando Alonso e Kimi Räikkönen falaram sobre as possíveis mudanças na F1 a partir de 2021 – o Liberty Media vai se reunir com as equipes neste fim de semana para começar a discutir os novos regulamentos. Enquanto Alonso pensa em disputas mais próximas, o ferrarista demonstrou pouco interesse nos planos dos donos da categoria máxima do automobilismo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A F1 deve passar por uma nova mudança de regulamento a partir de 2021. E o Liberty Media, que adquiriu a categoria no começo do ano passado, vai se reunir com as equipes neste fim de semana, no Bahrein, para começar a negociar as novas regras, especialmente no que diz respeito aos motores e a distribuição da premiação. O assunto, então, foi discutido durante a coletiva de imprensa desta quinta-feira (5), em Sakhir, palco da segunda etapa do Mundial 2018. Na bancada, Fernando Alonso e Kimi Räikkönen foram questionados sobre o que esperam das alterações. E até foram convidados a opinar. O primeiro deu seus pitacos, mas o segundo, como sempre, não quis se envolver.

 
O espanhol da McLaren espera que os proprietários do campeonato consigam tornar o esporte mais competitivo. "Não acho que há algo que possamos dizer sobre as regras do futuro, já que o Liberty Media tem sido muito aberto e nos perguntou nossas opiniões, nossas ideias, tivemos conversas muito produtivas. Então, eles têm um plano e vão apresentá-lo às equipes. Eles têm agora um conhecimento de como fazer as coisas e vão trazer novas ideias para melhorar o espetáculo", afirmou Alonso ao ser questionado sobre se os pilotos também têm o poder de mudar a F1.
Kimi Räikkönen não se importa muito com o futuro da F1 (Foto: Ferrari)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Mas eu diria que quero batalhas mais acirradas, que é algo que não estamos vendo muito, eu lembro de ter visto na televisão, há muito tempo, uma corrida em 89 ou 90, em que os primeiros quatro carros estavam mais próximo, mas todos ficavam vidrados e sempre lembramos como uma era dourada da F1. Se compararmos a F1 com a Indy, na Indy há pouca chance de prever o que vai acontecer", completou.

"Na Indy, o resultado é imprevisível até as últimas dez voltas, e isso te faz ficar ligado na TV. Agora podemos lançar a ordem da corrida na quinta-feira na F1, então acho que é um pouco triste", emendou Fernando.

 
Já Räikkönen foi menos entusiasmado e disse não se interessar pelo que pode acontecer com a F1 no futuro. O finlandês ainda lembrou que sequer deve estar no grid quando as possíveis mudanças forem implementadas. "No fim das contas, não é uma decisão nossa, depende deles. É o negócio deles. Eles apenas fazem os planos e decidem o que acham que é correto", disse o ferrarista.
 
"Não sei o que eles estão fazendo. Sei pouco sobre isso e não tenho interesse. Vamos ver amanhã o que dizem. De qualquer forma, isso deve acontecer somente daqui a alguns anos e duvido de que ainda esteja por aqui, então realmente não me incomoda", acrescentou Räikkönen, dizendo ainda que não há muito sentido em se preocupar com as mudanças, uma vez que não tem poder de decisão.
 
"E eu não tenho poder nenhum, então qual o sentido ficar pensando sobre isso?"
 
O encontro entre os representantes do Liberty Media e as equipes da F1 acontece nesta sexta-feira. O GRANDE PRÊMIO acompanha a etapa do Bahrein AO VIVO e em TEMPO REAL.
CEDO DEMAIS?

ALONSO ENTRA NO ‘MODO EMPOLGOU’ ANTES DO TEMPO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube