F1

Alonso vê nono lugar de Bianchi em Mônaco no ano passado como “milagre” e exalta “estrela da corrida”

Fernando Alonso lembrou a nona colocação conquistada por Jules Bianchi no GP de Mônaco do ano passado e avaliou que o piloto francês fez um “milagre” e foi a estrela daquela corrida. O piloto de 25 anos segue internado após o grave acidente que sofreu no GP do Japão

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
O fim de semana da F1 em Mônaco está repleto de memórias de Jules Bianchi. O francês de 25 anos segue internado em um hospital em Nice, na França, após o grave acidente que sofreu no GP do Japão do ano passado, quando colidiu com um guindaste que estava em uma das áreas de escape da pista de Suzuka para remover o carro de Adrian Sutil, acidentado uma volta antes.
 
Na etapa de Monte Carlo de 2014, Bianchi somou os únicos pontos da história da Marussia no Mundial, o que foi imprescindível para a sobrevivência do time em um momento de crise econômica.
Fernando Alonso afirmou que em Mônaco é mais difícil entender o que aconteceu com Bianchi (Foto: AP)
 De volta ao circuito onde Bianchi somou seus primeiros pontos, os integrantes da Manor Marussia não escondem que será um fim de semana emocionante e, inclusive, prepararam pulseirinhas especais para homenagear os feitos de Jules.
 
Nos boxes vizinhos, entretanto, o feito de Bianchi em Mônaco no ano passado não passou despercebido. Falando à imprensa em Monte Carlo, Fernando Alonso afirmou que o jovem francês conseguiu um milagre em 2014.
 
“É difícil entender quando você está em um carro que não é competitivo, conseguir pontuar”, começou o bicampeão. “É um tipo de milagre. E foi isso que ele fez no ano passado, um nono lugar aqui. Ele foi a estrela da corrida”, frisou.
 
“Agora, voltar aqui e não vê-lo no grid junto conosco é muito triste. Não é só aqui que nós lembramos dele, é em todo fim de semana, mas aqui é um pouco mais difícil de entender as coisas que aconteceram no ano passado”, ponderou. “Ele está em Nice, está meia hora daqui, então tomara que possa sentir a força extra que enviamos para ele”, concluiu.