Aston Martin patina em 2021 porque não é capaz de desenvolver ‘Mercedes verde’

A Aston Martin parece estagnada neste momento. Isso porque não consegue tirar performance de um novo pacote aerodinâmico e ainda conta com um Sebastian Vettel em adaptação. A equipe, quarta colocada em 2020, é a grande decepção deste início de temporada

A Aston Martin talvez tenha concentrado os maiores níveis expectativa deste início de 2021 na Fórmula 1. A equipe, na verdade, nem é nova, é apenas a Racing Point com uma pegada mais charmosa, desde que Lawrence Stroll e seus associados decidiram elevar o sarrafo após a compra da então Force India, o que culminou agora com o uso da icônica marca inglesa. Sebastian Vettel chegou para fortalecer esse objetivo e tudo parecia caminhar dentro de um plano muito bem arquitetado. Só que não. O fato é que o carro verde é tão problemático e difícil, que torna qualquer previsão arriscada.

O time britânico havia achado o caminho das pedras em 2020, quando replicou na pista as ideias vitoriosas da Mercedes de 2019. O então RP20 lembrava tanto o W10 que ganhou o singelo apelido de ‘Mercedes rosa’. De fato, a esquadra liderada por Otmar Szafnauer soube usar bem a parceria técnica com os alemães para entender melhor o projeto vencedor da equipe da estrela. O modelo era tão semelhante que despertou a atenção das rivais. A Renault conseguiu encontrar o ponto do fraco – os dutos de freios – para colocar mais luz sobre a audaciosa manobra de Szafnauer.

Só que, apesar das reclamações e de uma punição, o time terminou o ano na quarta colocação, brilhando com a vitória de Sergio Pérez, em Sakhir. Então, diante de uma mudança de nome e de uma injeção financeira razoável, a inspiração na Mercedes se deu novamente, quase como algo natural. Mas as mudanças no regulamento técnico se mostraram uma armadilha.

LEIA TAMBÉM
+Ocon cresce e carrega Alpine nas costas enquanto Alonso tenta se reencontrar na F1
+Russell sofre com volta da ameaça Ocon em ano que prometia ser desfile rumo à Mercedes

A luz está vermelha na Aston Martin na F1 (Foto: Aston Martin)

O AMR21 nasceu inspirado no W11 – um dos carros mais incríveis já construídos em Brackley. Porém, o corte no assoalho, por exigência da redução do downforce, um novo conjunto aerodinâmico que se fez necessário e um rake mais baixo complicaram por completo a vida da Aston Martin. O resultado é um carro aquém das expectativas. Depois de finalizar o campeonato passado no encalço da McLaren, a equipe verde aparece hoje apenas na sétima posição, com só cinco pontos, 60 atrás do rival de Woking, que segue no top-3. Todos os pontos foram conquistados por Lance Stroll, com um décimo posto no GP do Bahrein, na abertura do campeonato, e um oitavo na Emília-Romanha. Vettel ainda trabalha para se adaptar e entender o time e o carro.

O fato é que o desenvolvimento deste modelo tem sido particularmente complexo. A Aston Martin enfrentou problemas de confiabilidade durante a pré-temporada – a perda de tempo de pista foi considerável e significativa para a falta de rendimento que se vê após quatro etapas. O time precisou mudar diversos aspectos, como as questões relacionadas ao superaquecimento dos componentes, um dos motivos pelos quais a caixa de câmbio quebrou durante os testes. A soluções aerodinâmicas também se mostraram mais extremas, e isso comprometeu a performance geral. Além disso, a equipe chefiada pelo engenheiro Andy Green tentou caminhos diferentes daqueles tomados pela fonte de inspiração, a Mercedes.

Os heptacampeões foram capazes de encontrar um rumo mais rapidamente, mas o ponto fundamental é: o time de Toto Wolff trabalhou em um conceito novo com o W12, que não é uma atualização do modelo anterior, no qual se baseia o projeto da Aston Martin.

Lance Stroll é o responsável pelos pontos da Aston Martin até o momento (Foto: Aston Martin)

Dessa forma, os elementos novos do AMR21 ainda não corresponderam. Desde o GP de Portugal, o time vem testando um novo assoalho e um pacote significativo de partes aerodinâmicas. Primeiramente, o carro guiado por Stroll recebeu as atualizações. Mas nada do que foi feito encheu os olhos. O canadense enfrentou problemas em Portimão, especialmente na classificação – ele foi apenas o 17º. Na corrida, o modelo apresentou um ritmo melhor, mas Stroll não passou do 14º posto. Vettel também não foi capaz de pontuar.

Na Espanha, a Aston Martin decidiu entregar as novidades também ao tetracampeão. Ambos os pilotos viveram um fim de semana difícil em Barcelona e não foi possível pontuar. Neste momento, os engenheiros da equipe inglesa trabalham para melhorar a performance aerodinâmica do carro, que sofre em pistas que exigem mais do downforce. O carro sofre também acentuadamente com o desgaste de pneus. E se o circuito catalão é um termômetro daquilo que pode funcionar para o resto da temporada, a esquadra está em apuros.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“A cura virá de muito trabalho bom no túnel de vento e trazer atualizações para o carro nas próximas corridas para recuperar um pouco da carga aerodinâmica que perdemos”, disse Szafnauer. “Há um caminho. Teremos melhorias. Quanto mais você guia o carro, mais você fica com ele na mão. É apenas uma questão de tempo de pista”, completou.

De toda a forma, a inspiração na Mercedes até pode parecer uma boa ideia no papel, mas a prática tem ensinado diferente. A Aston Martin enfrenta dificuldades para fazer o carro evoluir a partir das mudanças no regulamento, que em nada se assemelham ao W11 de 2020. Mas o problema parece ser a falta de um entendimento do que melhorar.

F1 troca Turquia por Estíria e mantém 23 corridas no calendário 2021 (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar