Brawn busca reduzir diferença entre equipes e sonha em ver time pequeno vencendo corridas na F1

Ross Brawn e Sean Bratches, nomeados pelo Liberty Media como diretor esportivo e diretor de operações comerciais da F1, deram entrevista coletiva cerca de uma hora antes do início do primeiro treino livre do GP da Austrália. Brawn disse que não vai medir esforços para entregar uma categoria empolgante e revelou o desejo de ver equipes pequenas ou médias vencendo corridas em um futuro próximo

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A nova gestão da F1 está, definitivamente, comprometida em melhorar drasticamente o nível da categoria. A influência do Liberty Media já se percebe em pequenos detalhes, como a liberação do uso das mídias sociais por parte dos pilotos durante as atividades da F1, como foi na pré-temporada e também neste fim de semana de abertura do campeonato na Austrália. Mas os novos donos do esporte querem mais e têm o objetivo de tornar o Mundial mais empolgante. Assim, uma das metas de Ross Brawn, novo diretor esportivo da F1, é reduzir a diferença entre as equipes do grid e proporcionar aos times pequenos e médios a chance de vencer corridas na F1.

 
A última vez que uma equipe média venceu uma corrida na F1 foi quando Kimi Räikkönen levou a Lotus — que foi comprada pela Renault no fim de 2015 — ao topo do pódio do GP da Austrália de 2013. Desde então, apenas Mercedes, Ferrari e Red Bull conquistaram vitórias no Mundial.
 
Na mesma Melbourne que viu o triunfo surpreendente do finlandês há quatro anos, Brawn indicou que não vai medir esforços para nivelar o grid e poder dar oportunidade de vitórias a mais equipes nesta nova era da F1.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Ross Brawn deixou claro que quer ver uma F1 com mais equipes vencendo (Foto: Twitter)
“Precisamos reduzir a diferença entre os ponteiros e a parte de trás do grid para que, num bom dia, com um grande piloto, a Force India possa vencer uma corrida. Ou uma equipe muito competente, uma equipe pequena, uma equipe-cliente, possa ganhar uma corrida. No momento, isso é altamente improvável”, reconheceu o dirigente britânico durante entrevista coletiva dada ao lado de Sean Bratches, diretor de operações comerciais da F1, pouco antes do primeiro treino livre do GP da Austrália.
 
“Temos de nivelar o grid, e isso significa encontrar formas de limitar o potencial das regras ou limitar os recursos que as equipes têm à disposição”, acrescentou.
 
Brawn também deixou claro que o Liberty Media já planeja um trabalho em conjunto com as equipes caso as corridas nesta nova temporada não sejam empolgantes para o público. Uma das preocupações do engenheiro e novo diretor esportivo da F1 está em desenvolver carros que não sofram tanto na aproximação com os bólidos da frente, uma das consequências negativas do novo regulamento técnico. Tal fator tende a proporcionar mais dificuldades para se ultrapassar.
 
“Se nós vermos coisas neste ano que não achamos que são ótimas para o esporte, então vamos lutar no nosso canto, e vamos lutar em todos os níveis. Você pode ter certeza de que vamos trabalhar com as equipes e junto à FIA para encontrar soluções se acharmos que as corridas não forem tão boas quanto deveriam ser”, declarou.
 
“Se você analisar a configuração aerodinâmica que nós temos hoje, temos carros com estruturas muito complicadas, que criam regimes muito sensíveis de fluxo em torno das estruturas. Isso significa que, logo que eles são incomodados por um carro à frente, eles sofrem. Então podemos chegar a um conjunto de regras onde ainda podemos usar o poder da aerodinâmica para nos dar velocidade e o espetáculo dos carros, mas de uma forma benéfica, para que eles possam, ao menos, competir uns com os outros mais de perto, sem um impacto. Essa é minha ambição. É meu objetivo”, acrescentou Brawn.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O dirigente falou também em buscar soluções em outras categorias para fazer com que os novos carros da F1 não sofram tanto com a turbulência e possam ter maior facilidade para ultrapassar sem o uso de artifícios com o DRS. “Ouvi dizer que alguns carros correm muito bem mesmo com grande performance aerodinâmica, como os carros de turismo e os da Indy, que não sofrem tanto assim. Então, uma campanha correta nos levaria ao rumo certo, tenho certeza disso", finalizou o diretor esportivo da F1.

 
O GRANDE PRÊMIO transmite todas as atividades do GP da Austrália de F1 neste fim de semana. Acompanhe tudo AO VIVO e em TEMPO REAL, com a estreia do livetiming.
 

PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube