F1

Briatore diz que entende decisão de Alonso, mas acha que é “cedo demais” para deixar F1

Fernando Alonso anunciou, nesta terça-feira, que está de saída da F1 e provocou a reação de muitas figuras do paddock. Para seu mentos, Flavio Briatore, a decisão faz sentido, mas ainda espera ver o espanhol de volta nos monopostos da categoria
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Flavio Briatore (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
A saída de Fernando Alonso do grid ainda é o principal assunto da pausa de verão da F1. Apesar de ter surgido, para muitos, como uma decisão já esperada por parte do piloto, Flavio Briatore, mentor do espanhol, não acredita ser um caminho sem volta e não descarta um possível retorno de Alonso em uma equipe competitiva no futuro. O bicampeão anunciou, nesta terça-feira, que esta será sua última temporada na F1.
 
"Vamos ver. Primeiro ele vai terminar a temporada na F1 e no endurance. Então é normal querer fazer uma pausa. O que está claro é que é muito cedo para dizer adeus. As coisas mudam muito rapidamente na F1. Nunca diga nunca. Eu gostaria de ver Fernando na Mercedes ou na Ferrari”, afirmou para o jornal italiano ‘La Gazzeta Dello Sport’.
 
Ao lado de Alonso nos seus anos de auge com a Renault, o italiano vê, claramente, a razão pela qual o bicampeão mundial decidiu deixar a F1.
 
"Para ele não faz sentido ser sétimo ou oitavo. Nesse momento, o piloto perde a motivação. Não posso deixar de pensar quão estranho é não haver lugar na F1 para um piloto com o talento de Fernando", acrescentou.
Fernando Alonso fa sua última temporada na F1 em 2018 (Foto: McLaren)
Com os rumores de que Alonso poderia integrar a Red Bull na vaga de Daniel Ricciardo, que assinou com a Renault para a próxima temporada, Christian Horner, chefe dos taurinos, logo se manifestou a respeito. O britânico falou sobre o “caos” que o espanhol causava dentro das equipes por onde passava, se referindo ao seu comportamento, muitas vezes indisciplinado, com o restante do time. 
 
"Eu sou um amigo de Christian, mas acho que isso aconteceu. Se tem uma equipe não pode ter esse tipo de pilotos é sua. Assim se foi Daniel Ricciardo. Fernando pilotou para mim e me fez glorioso na Renault. É uma grande exemplo de parceiro para outros pilotos e um ponto de referência para os engenheiros”, encerrou Briatore.