Chefe da Red Bull se irrita com desempenho dos motores Renault na Austrália e diz: “Parece que regrediram”

O fraco resultado atingido pelas equipes que utilizam motores Renault irritou de vez Christian Horner. O chefe da Red Bull disse que vai ajudar a Renault a se recuperar, mas deixou claro que vê um retrocesso nos motores de 2014 para 2015

A paciência da Red Bull com a Renault está bem curta. Logo após um péssimo desempenho dos motores da fornecedora francesa na abertura da temporada 2015 da F1 na Austrália, Christian Horner, chefe do time austríaco, disse que os motores deixaram os carros indirigíveis e mostrou-se claramente irritado com o fato da Red Bull não ter sequer batido a Sauber de Felipe Nasr – que foi o quinto.
 
Horner falou das dificuldades enfrentadas por Red Bull e Toro Rosso na Austrália e comentou que os carros estão muito difíceis de serem controlados.
 
“Foi um final de semana muito complicado para a Renault. O motor está deixando o carro praticamente indirigível. Dá para ver e ouvir isto nos comentários dos pilotos”, disse.
 
O chefe do time austríaco citou o fato da Red Bull não ter nem ficado na frente da Sauber de Nasr e reclamou da falta de evolução nos motores Renault.
 
“Com todo respeito que a Sauber merece, mas eu sinceramente duvido que eles tenham mudado os chassis da água para o vinho desta forma. É frustrante porque parece que nós estamos ainda mais longe do que estávamos em Abu Dhabi”, falou.
 
Para o britânico, a Renault regrediu, a Ferrari evoluiu, mas o campeonato parece mais uma vez fadado ao domínio da dupla de pilotos da Mercedes.
 
“A Ferrari conseguiu evoluir bem. Enquanto isto, a Renault parece ter regredido. Pelo que vimos hoje, teremos novamente dois pilotos sozinhos na disputa de todas as provas deste ano”, afirmou.
Christian Horner se irritou bastante com a Renault na Austrália (Foto: Getty Images)
Horner se colocou à disposição da Renault e garantiu que vai trabalhar junto dos franceses.
 
“É importante que, depois deste final de semana, a gente se reúna com a Renault e mostre que estamos ao lado deles e que vamos ajudar no que pudermos. Claramente eles precisam disto, estão em um momento confuso”, declarou.
 
Horner contou que o problema na caixa de câmbio de Daniil Kvyat veio a partir de vibrações do motor. Portanto, dois dos quatro motores Renault não completaram a prova.
 
“De quatro carros nós tivemos dois problemas de motor e seríssimos problemas de dirigibilidade. Com certeza não é este o máximo que a Renault pode atingir”, completou.
 
A Renault teve uma primeira etapa muito complicada. Daniil Kvyat sequer largou, Verstappen abandonou, Carlos Sainz Jr. ficou em nono e Daniel Ricciardo foi o melhor, chegando na sexta colocação. 
 

As imagens do domingo do GP da Austrália
#GALERIA(5246)

POUCOS CARROS
E MUITA HISTÓRIA

Arnold Schwarzenegger junto de Lewis Hamilton no pódio em Melbourne (Foto: Reprodução)Lewis Hamilton obteve neste domingo na Austrália uma de suas vitórias mais tranquilas na carreira. Uma vez que contornou a primeira curva na frente, não sofreu qualquer pressão de Nico Rosberg. As Mercedes chegaram longe de Sebastian Vettel e Felipe Massa, terceiro e quarto, respectivamente. E Felipe Nasr ficou com um quinto lugar, pontuando na estreia na F1.

CORUJÃO DA F1

A nova transmissão comandada por Galvão Bueno que vai tentar aproximar o público das pessoas que levam a F1 à TV precisa de algumas coisas antes de ser continuada. Há que ser divulgada pela emissora. Depois, precisa tornar mais enxuto o número de convidados e oferecer uma razão de ser aos presentes no estúdio. Especialmente tem que dar prioridade sempre às notícias sobre F1. Apesar de uma primeira experiência desconfortável, a ideia pode ser amadurecida e tem potencial para dar bons frutos.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube