Chefe da Renault crê que teto orçamentário será “distração e trará problemas” para equipes grandes

Cyril Abiteboul, o manda-chuva da Renault, acredita que a implantação de um teto orçamentário na F1, planejado para 2021, complicará mais as equipes grandes - mesmo antes de tal ano, em razão do planejamento necessário

O Liberty Media já informou às equipes o plano, dividido em duas partes, para implementar o teto orçamentário na F1 a partir de 2021. Faltando apenas dois anos para tal momento, as equipes já começam a se planejar. E, para a Renault, isso pode ser bom para que a distância entre os times menores e o top-3 diminua.

Segundo Cyril Abiteboul, chefe da equipe francesa, o problema será maior para Red Bull, Ferrari e Mercedes do que para as outras do grid: "Nossa vantagem é que não temos essa distração de pensar no futuro", disse, afirmando que o orçamento da Renault não deve sofrer por causa do teto.

Além disso, ele comparou os recursos humanos das equipes maiores com as principais: "Sabemos que temos um alto déficit em comparação às outras com que queremos lutar. Mas sabemos também que esse teto orçamentário pode ajudar."

Nico Hülkenberg será titular da Renault em 2019 (Foto: Renault)

"Nós podemos nos concentrar nas corridas e não precisamos pensar nos planos que afetarão, sejamos sinceros, mais às equipes com mais gente do que a nós", seguiu.

"Há aspectos positivos e negativos, mas não estou me queixando, temos um plano e levaremos ele à cabo", completou.

A ideia do Liberty Media é que, a partir de 2021, cada equipe gaste no máximo € 130 milhões (ou R$ 607 milhões, na cotação atual) por temporada. Os valores ainda não foram confirmados.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube