Chefe da Sauber reitera que talento foi fator principal para manter Nasr e Ericsson e mostra confiança para 2016

Monisha Kaltenborn explicou que, ainda que o fator financeiro tivesse sua importância para contratar e, depois, renovar com sua dupla para o ano que vem, o talento falou mais alto. Felipe Nasr começou muito bem 2015, mas agora Marcus Ericsson vem mostrando melhor forma na segunda metade do Mundial

Satisfeita com o trabalho desempenhado por Felipe Nasr e Marcus Ericsson, a Sauber renovou o contrato com sua dupla de pilotos para o Mundial de F1 em 2016. Uma decisão baseada muito mais no talento dos competidores do que propriamente pelo fator financeiro, garante Monisha Kaltenborn, a chefa da escuderia suíça. Embora reconheça que o dinheiro trazido pelos patrocinadores dos seus pilotos seja importante, a dirigente indo-austríaca reforçou que o mais importante para fechar sua dupla para o ano que vem foi a capacidade técnica.

A Sauber teve um grande e surpreendente começo de temporada depois de enfrentar os tribunais em razão de uma ação impetrada na justiça australiana por Giedo van der Garde. Passada a tormenta jurídica e aproveitando a ausência de vários carros num esvaziado GP da Austrália, Nasr teve a melhor estreia de um brasileiro na F1 e terminou em quinto lugar. Depois de um jejum de pontos desde o GP de Mônaco, a Sauber voltou a pontuar nas últimas três provas do calendário — Hungria, Bélgica e Itália —, sempre com Ericsson, que está em rota ascendente no campeonato.

A chefa da Sauber está confiante em desempenhar um bom papel na próxima temporada da F1 (Foto: Getty Images)

Em entrevista ao site espanhol ‘LaF1.es’, Monisha deixou claro que aposta no talento dos jovens Nasr e Ericsson e mostrou confiança para a próxima temporada com a continuidade da sua dupla de pilotos.

“Nesta equipe, a decisão de negociar com qualquer piloto sempre é proporcionada pelo seu talento. Muita gente chega prometendo muito dinheiro e não os correspondemos. Neste caso, quando vieram Marcus e Felipe, obviamente sabíamos que um fator da decisão seria a situação financeira, mas não era o principal fator. Era só apenas um deles”, comentou a dirigente.

“Inclusive nos momentos difíceis, tivemos pilotos que não trouxeram aporte financeiro, mas estávamos totalmente convencidos de que queríamos ter esse tipo de piloto. É uma mescla de muitos assuntos que devem levar em conta as equipes privadas hoje em dia: levar em conta o dinheiro em sua decisão, mas antes de tudo se o piloto nos convence ou não”, explicou.

“Sempre espero muito mais, como temos demonstrado neste ano. Olhando o potencial dos nossos pilotos e o futuro que vejo neles e a capacidade da nossa equipe, não tenho motivos para estar preocupada”, acrescentou Monisha.

Questionada sobre o futuro, Kaltenborn reiterou que está bastante otimista. “Sim, absolutamente. Acredito que se tivermos a sensibilidade suficiente para manter as regras estáveis, o que fizermos em um ano pode ser aproveitado também para o próximo. Talvez, uma deficiência da equipe é que não fomos muito ágeis quando vieram as novas mudanças no regulamento da F1 [de 2013 para 2014], mas logo nos recuperamos e, inclusive, demos um grande passo em frente”, complementou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube