Ricciardo diz que adaptação à McLaren só vem “com mais tempo e quilometragem”

Vencedor no circuito de Baku em 2017, Daniel Ricciardo tem, na chegada ao Azerbaijão, outra grande motivação para dar a volta por cima depois de um começo bastante complicado na McLaren. Para o australiano, somente a falta de adaptação ao MCL35M justifica as dificuldades deste início de temporada

Castroneves passou Palou para vencer a Indy 500 (Vídeo: NBC)

Daniel Ricciardo chega ao Azerbaijão, onde venceu em 2017, disposto a dar mais um passo no seu ainda árduo processo de adaptação ao carro da McLaren. O sorridente australiano, na verdade, não vem encontrado tantos motivos para sorrir diante de um começo de temporada complicado. Em cinco corridas até agora, o dono do carro #3 somou 24 pontos, enquanto Lando Norris, seu novo companheiro de equipe, vem sendo um dos grandes nomes de 2021 e acumula mais que o dobro, 56 tentos.

Em Baku, o objetivo de Daniel é reagir depois de um fim de semana complicado em Mônaco. O piloto sequer entrou na zona de pontuação, enquanto Norris subiu ao pódio pela segunda vez na temporada. “Mônaco não foi meu fim de semana, mas estou tentando me recuperar. É importante reservar um tempo para redefinir o foco e voltar a me concentrar antes de ir para Baku”, disse Ricciardo em entrevista veiculada pelo site oficial da Fórmula 1.

LEIA TAMBÉM
+Com domingo histórico, GRANDE PRÊMIO registra recorde de audiência em maio

Daniel Ricciardo vem de um fim de semana sem pontos em Mônaco (Foto: AFP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O piloto garante que não vem medindo esforços para identificar os motivos de ainda não ter conseguido se encaixar ao estilo do MCL35M. “A equipe e eu estamos trabalhando muito para entender, analisar e apontar as principais áreas em que precisamos melhorar. Sabemos que o carro tem um bom potencial, só precisamos encaixar tudo para desbloqueá-lo”.

“Ainda há aquele elemento de adaptação a um carro novo que, tenho certeza, virá com mais tempo e quilometragem ao volante. Vou seguir trabalhando nisso, aproveitar o progresso que fizemos em Portugal e na Espanha e tentar me encaixar com o carro”, explicou.

Questionado sobre o circuito urbano que será palco da Fórmula 1 neste fim de semana, com 6.003 m de extensão, um trecho de pé embaixo de mais de 2 km e tempo de volta em pouco mais de 1min40s, Ricciardo revelou ser um apreciador do traçado azeri.

“Baku é um circuito de rua muito legal, uma daquelas corridas em que tudo pode acontecer. A pista é conhecida por ter uma das retas mais longas do calendário, com três carros conseguindo correr lado a lado quando você vai para a curva 1. Esperamos poder colocar o carro na janela certa de funcionamento na sexta-feira e ter um bom fim de semana”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar