Em Paris, FIA inaugura Hall da Fama do Automobilismo e inclui campeões mundiais de F1

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) criou seu próprio Hall da Fama em cerimônia realizada na noite da última segunda-feira (4), em Paris. A entidade incluiu todos os 33 campeões mundiais de F1 e pretende trazer para a laureada galeria, nos anos seguintes, os campeões mundiais de rali e de endurance

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) abriu sua semana de eventos e premiações de fim de ano com a inauguração do Hall da Fama, realizada na noite da última segunda-feira (4) em Paris. A entidade, que tem como sede a Praça da Concórdia, abriu sua galeria com todos os 33 campeões mundiais de F1, sendo que nove deles estiveram presentes à cerimônia na capital francesa. A grande ausência foi Lewis Hamilton, que participou de um evento de moda em Londres e foi uma das estrelas ao lado de Donatella Versace.

 
Bem semelhante ao que faz a Nascar com seu Hall da Fama, a FIA, que trabalhou neste projeto há alguns anos, busca homenagear e honrar os feitos dos seus campeões. A inauguração do Hall da Fama era um desejo antigo do seu presidente, Jean Todt, que vai ser eleito para mais um mandato à frente da entidade.
FIA inaugura o Hall da Fama do Automobilismo com a presença dos campeões mundiais de F1 (Foto: Speedweek/Twitter)
Entre os campeões mundiais presentes ao evento em Paris estiveram os tetracampeões Alain Prost e Sebastian Vettel, o tri Jackie Stewart, o bicampeão Fernando Alonso e os detentores de uma taça: Mario Andretti, Nigel Mansell, Damon Hill, Jacques Villeneuve e Nico Rosberg. Bruno Senna esteve presente ao evento para representar o tio, Ayrton Senna.
 
No novo Hall da Fama do Automobilismo, a FIA traz objetos usados pelos campeões em suas campanhas vitoriosas na F1. Carros, como o Renault R25 do primeiro título de Alonso, capacetes e macacões fazem parte da exposição.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Em entrevista à agência de notícias AFP, Todt lembrou do maior de todos os campeões, Michael Schumacher. “Ele continua lutando. Gostaria que ele estivesse hoje aqui”, comentou. Há quase quatro anos, o heptacampeão luta pela vida depois de sofrer grave acidente na estação de esqui de Méribel, nos Alpes Franceses.

 
“Já era a hora de termos [o Hall da Fama] e era lógico começar sua história com os campeões da categoria rainha”, disse Todt. O presidente da FIA deixou claro que, no ano que vem, vai incluir os campeões mundiais de rali. Para 2019, está marcada a inclusão dos campeões mundiais de endurance.
FIM DE UMA GERAÇÃO

GIAFFONE: “BRASIL TEVE SORTE POR TER PILOTOS POR TANTO TEMPO NA F1”

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube