Equipes negam que tenham sido procuradas pela Pirelli para treino privado após GP da Espanha

Red Bull, Ferrari e Lotus disseram que não foram procuradas pela Pirelli e, mesmo que tivessem sido, não poderiam aceitar o convite, já que o regulamento esportivo da F1 proíbe treinos com o carro de 2013

Principais equipes na temporada 2013 da F1, Red Bull, Ferrari e Lotus afirmaram que não receberam nenhuma oferta da Pirelli para conduzir um treino com o carro deste ano após o GP da Espanha. Essa teria sido uma das condições impostas pela FIA para que a fornecedora de pneus pudesse realizar uma atividade com os bólidos de 2013, antes do polêmico teste secreto da Mercedes.

O chefe de equipe da Red Bull, Christian Horner, afirmou que a Pirelli já vinha pedindo treinos há algum tempo e por isso recebeu o carro usado pela Lotus há alguns anos, para continuar desenvolvendo os compostos, pois o regulamento esportivo da F1 impede que as equipes treinem fora dos fins de semana de corrida – e do treino dos novatos – com a máquina deste ano.

Christian Horner afirmou que a Red Bull não foi procurada (Foto: Getty Images)

“Nós nunca achamos que isso estava de acordo com o regulamento”, disse o dirigente. “Claro que a Pirelli já queria testar por algum tempo, e o compromisso que foi acertado com eles é que iam usar o carro da Lotus, já que o Toyota que eles tinham estava defasado. Esse era o compromisso”, declarou.

A polêmica envolvendo o teste secreto da Mercedes começou no domingo, quando Red Bull e Ferrari protestaram contra a atividade. A FIA explicou que permitiu o treino desde que ele fosse conduzido pela Pirelli e que todas as equipes tivessem a mesma oportunidade de ir à pista. Os times, porém, afirmaram que não foram procurados.

Horner disse, ainda, que durante as negociações sobre os treinos ao longo do ano a Red Bull foi procurada para ser a responsável, mas isso acabou negado pelas outras escuderias. “Em um momento, houve a proposta de que eles deveriam testar com a equipe que venceu o Mundial de Construtores, mas claro que as outras equipes ficaram horrorizadas, e também era preciso ser aceito com unanimidade. O que não aconteceria”, revelou o dirigente.

Por isso, o dirigente afirmou que mesmo que a Pirelli tivesse o procurado após o GP da Espanha já sabia que não poderia testar com o carro de 2013. “Então, qualquer pedido para treino sempre foi visto pela maioria das equipes do paddock como algo fora do regulamento, portanto impossível”, completou.

As imagens do domingo de F1 em Monte Carlo 
Acompanhe a cobertura do GP de Mônaco no GRANDE PRÊMIO

Já Stefano Domenicali, da Ferrari, confirmou que a fornecedora de pneus tinha solicitado testes, mas havia sido ignorada porque não seria possível usar os carros de 2013. “Por dois anos, a Pirelli pediu para todas as equipes para fazer alguns testes. Para nós, estava claro que não poderia ser feito com o carro atual. É por isso que, mesmo com eles tendo nos pedido formalmente, não acreditávamos que seria possível fazer”, afirmou.

Ao contrário de Red Bull e Ferrari, a Lotus não entrou com um protesto contra a Mercedes, mas o chefe da escuderia, Eric Boullier, deixou claro que não foi procurado após o GP da Espanha. “Não. Eu ouvi alguns rumores sobre a FIA ter dado permissão, mas seja lá qual permissão foi dada ela deveria ter sido estendida a todos nós. E ao menos era preciso informar a todos, não apenas ir lá e testar”, disse.

O francês, porém, afirmou que mais importante que a Mercedes ter sido beneficiada com a atividade é o fato de uma equipe ter quebrado o regulamento. “Há um regulamento esportivo e até mesmo um acordo para testes entre as equipes. Eles poderiam ter tirado vantagem disso e eles só foram testar porque tiveram essa vantagem. Mas, mais do que isso, houve uma quebra do regulamento”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube