F1

F1 encerra pré-temporada em Barcelona com duelo entre Ferrari e Mercedes e incertezas sobre favoritismo

Enfim, a Mercedes foi para a arena. A equipe escolheu o último dia de testes, em Barcelona, para encarar a Ferrari em ritmo de classificação. É bem verdade que Sebastian Vettel venceu a briga, mas por apenas 0s003 – a marca de Lewis Hamilton veio só no fim do dia. Ainda assim, é impossível dizer quem começa na frente a F1 2019

GRANDE PRÊMIO, de Barcelona / EVELYN GUIMARÃES, do Circuito da Catalunha
Depois de se enfrentarem em simulação de corrida na tarde de quinta-feira (28), Ferrari e Mercedes, as duas principais equipes do grid, viveram um duelo de classificação nesta sexta-feira, dia final de testes da pré-temporada. E a equipe italiana, assim como já havia feito no dia anterior, venceu a adversária. Mas por uma margem bem menor. 

A sessão foi dedicada mesmo a velocidade. Tanto é assim que grande parte dos times andaram com os pneus C5 – a versão mais macia e rápida da Pirelli. Para não dizer todos, apenas a Red Bull preferiu os compostos macios C2 e foi capaz de percorrer pouquíssimo, muito devido ao acidente de Pierre Gasly na tarde de ontem. Também não é ilógico pensar que os carros com os C5 saíram dos boxes com pouco peso e configuração para testar a velocidade. 
 
Foi assim com a Ferrari no início do dia, quando colocou Sebastian Vettel para concluir os trabalhos. O alemão testou em diversos acertos e foi capaz de andar por 110 voltas, a melhor delas – e melhor de toda a pré-temporada – veio em 1min16s221. A tarde foi dedicada à simulação de corrida e aos ensaios de situações que o time pode encontrar em Melbourne, daqui a duas semanas. Só que os trabalhos tiveram o fim antecipado de novo por conta de uma falha de confiabilidade. O alemão enfrentou um problema eletrônico que acabou tirando a chance de fechar os testes na frente.
A Ferrari teve mais um dia de problemas em Barcelona, mas liderou o dia (Foto: Ferrari)
Enquanto isso, a Mercedes decidiu avaliar mesmo o desempenho em classificação. Valtteri Bottas pela manhã e Lewis Hamilton a tarde. O finlandês chegou até a duelar com Vettel com os pneus C5, mas fechou a primeira parte do dia com 0s340 atrás. Mas foi na sessão vespertina que o carro prateado mostrou a que veio: nas mãos do pentacampeão, o W10 atingiu 1min16s224 no finzinho das ações. Ou seja, apenas 0s003 separaram os dois multicampeões da F1, o que deixa dessa pré-temporada uma impressão de grande batalha a partir de 17 de março, sem favoritos. Ao menos por enquanto.
 
A esquadra alemã andou com diferentes compostos e a espera para usar o C5 compensou, uma vez que provou conseguir tempos mais próximos dos rivais. Outras equipes também foram capazes de entrar na casa de 1min16s nesta sexta-feira, mas muito longe da performance obtida pelas duas protagonistas. A Renault ficou com o posto de melhor do resto.
 
Depois de passar a semana focando no ritmo de corrida e no uso dos pneus médios e macios, a esquadra francesa apareceu bem com Nico Hülkenberg. De novo, a Toro Rosso surgiu forte, trazendo a McLaren de Carlos Sainz. Todos esses times ficaram separados por apenas menos de 0s1. A confiabilidade também impressionou: tanto Sainz quando Daniil Kvyat completaram mais de 130 voltas hoje.
Lewis Hamilton apareceu na parte de cima da tabela pela primeira vez nesta pré-temporada (Foto: Mercedes)
A Haas continuou o trabalho de tentar anular as falhas, enquanto a Alfa Romeo novamente esbanjou quilometragem. Discreto, Sergio Pérez terminou no fim da tabela, mas com o acúmulo de 104 giros. 
 
Já a Williams viveu mais um dia de muita atividade. Robert Kubica andou por 90 voltas, mas saiu ‘pistola’ do carro. O polonês falou em “dia perdido” e “nenhuma informação útil”. Péssima maneira de acabar uma sessão que já começou atrasada.
 
A F1 volta agora a partir de 17 março com o GP da Austrália.

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a pré-temporada da F1 em Barcelona com os repórteres Evelyn Guimarães, Vitor Fazio,  Eric Calduch e o fotógrafo Xavi Bonilla. Acompanhe tudo aqui.