F1

Ferrari lidera ranking de prêmios e recebe mais de R$ 775 milhões do Liberty Media em 2019, diz site

É verdade que a Mercedes venceu o Mundial de Construtores da F1 nos últimos cinco anos e que a Ferrari está longe da conquista desde 2008, mas ainda é a equipe vermelha quem mais enche os cofres com o sistema de premiações da F1. Em 2019, a Ferrari leva R$ 775,5 milhões contra R$ 669,5 milhões da Mercedes

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Mesmo após dez anos sem ganhar um título mundial de F1, a Ferrari ainda é a equipe que mais ganha dinheiro na entrega de prêmios da F1. A premiação de 2019, que tem em consideração os resultados da temporada 2018, vão render aos cofres da Ferrari um total de US$ 205 milhões - equivalente a R$ 775,5 milhões na conversão do dia.
 
A informação é do site inglês 'RaceFans'. Segundo ele, o Liberty Media vai pagar US$ 177 milhões - R$ 669,5 milhões - para a Mercedes, quantia respeitavelmente menor se for levado em conta que o time alemão ganhou o Mundial nos cinco últimos anos. 
 
O bolo total a ser dividido pelo Liberty Media para as equipes é de US$ 1,004 bilhão - R$ 3,8 bilhões. Os pagamentos são feito respeitando a três divisões: uma é valor fixo para todas as equipes que terminaram o campeonato no top-10 [R$ 132,4 milhões]; a segunda leva em conta a posição no campeonato [vai de R$ 249,6 milhões, da Mercedes, até R$ 56,7 milhões, para a Williams]; a terceira é um bônus de construtores, ligados à tradição histórica de Ferrari, Mercedes, Red Bull, McLaren e Williams.
Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)
Para desequilibrar mais para a Ferrari está um pagamento por permanência histórica. Isso faz com que o valor de bônus recebido pela marca italiana seja de R$ 431,2 milhões.
 
A Red Bull é a terceira que mais recebe, com valor que chega à R$ 575 milhões. A McLaren põe as mãos em R$ 378,2 milhões, seguida por Renault [R$ 276,1 milhões], Haas [R$ 264,7 milhões], Williams [R$ 227 milhões], Racing Point [R$ 223,1 milhões], Alfa Romeo [R$ 211,8 milhões] e Toro Rosso [R$ 196,7 milhões].
 
Grande dúvida da distribuição de prêmios, o tratamento do Liberty à Racing Point é a de uma equipe que já existia em vez de uma recém-criada. A Alfa Romeo herda tudo aquilo conquistado pela Sauber em 2018.