F1

Ferrari se isenta de culpa por problemas de confiabilidade e responsabiliza fornecedora da vela por abandono no Japão

O chefe da Ferrari, Maurizio Arrivabene, não se furtou em culpar a fornecedora da vela da Ferrari, a japonesa NGK, pela falha terminar que tirou Sebastian Vettel de mais uma disputa pelas primeiras colocações em Suzuka
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Os chefões de Mercedes e Ferrari, Toto Wolff e Maurizio Arrivabene, batem um papinho em Spa (Foto: Beto Issa)

Depois de mais uma corrida com Sebastian Vettel prejudicado pela confiabilidade, a Ferrari saiu do Japão colocando a culpa da situação recente da equipe nas fornecedoras de componentes. Neste caso específico, a fornecedora de vela do motor: a japonesa NGK.
 
O problema de Vettel foi identificado minutos antes da largada do GP do japonês. O carro foi levado ao grid e um grande número de funcionários se juntaram para tentar resolver a questão - o que acreditaram que havia acontecido. Mas logo na largada ficou evidente que não era o caso. Em cinco voltas, Vettel já perdera sete colocações e foi chamado para abandonar.
 
A ironia é que a NGK tem sede a mais ou menos uma hora do circuito de Suzuka, então estava em sua corrida caseira.
 
Para o chefe Maurizio Arrivabene, não há dúvida: a Ferrari foi vítima. "Todo mundo viu o que aconteceu. Você vê algum erro do time? O carro é bom, se não fosse pelos componentes que nos custaram... Temos que virar a página, seguir motivados, analisar o que aconteceu e ir para Austin, mesmo que os pontos de desvantagem para a Mercedes sejam muitos."
 
Até na Mercedes há uma empatia com a dramática situação da Ferrari, que em três corridas saiu de líder do campeonato a ter as chances de título enterradas sob sete palmos de terra.
Maurizio Arrivabene (Foto: Ferrari)
"Eu me dou muito bem com Maurizio e eles devem se sentir péssimos. Talvez no desenvolvimento enorme do carro. Eles deram um grande passo em frente de 2016 para 2017. O carro é súper rápido, mas falta confiabilidade. É o próximo passo", afirmou.
 
Niki Lauda também mostrou simpatia com Vettel. "Sinto muito por Sebastian. Graças a Deus que é com eles e não conosco, mas a Ferrari precisa avaliar esses pequenos erros, saber de onde vêm e corrigí-los. Sebastian tem um grande déficit de pontos, mas eu sempre digo que contanto que o título não esteja ganho ou perdido, então não está nem ganho e nem perdido", encerrou.

A F1 volta em duas semanas, 22 de outubro, para o GP dos Estados Unidos de F1. GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 em Austin AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.
HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA