FIA estuda alterações no tanque de combustível após acidente de Grosjean

De acordo com o site RaceFans, A FIA estudou o acidente de Romain Grosjean no GP do Bahrein e pretende fazer mudanças em três áreas dos carros já em 2022: no tanque de combustível, na proteção dos pedais e no apoio de cabeça. O relatório, porém, vai ser divulgado apenas dia 5 de março

Três meses depois, a investigação sobre o acidente de Romain Grosjean na volta inicial do GP do Bahrein está próxima de ser revelada. O veredito final do Conselho Mundial de Esporte a Motor da FIA será no dia 5 de março, mas o site RaceFans se antecipou com algumas informações que devem ser publicadas nas próximas semanas.

O piloto da Haas escapou na saída da curva 3 do circuito barenita e acertou o guard-rail a 240 km/h, registrando um impacto de 53G antes do carro se dividir em dois e explodir em chamas. Grosjean escapou com queimaduras nas mãos e em um dos tornozelos, sem ferimentos graves.

De acordo com a publicação, detalhes sobre a investigação foram revelados no Comitê Consultivo Técnico da Federação Internacional de Automobilismo da última semana. O foco da entidade foi em três áreas: as causas do incêndio, a razão do apoio de cabeça ter soltado e como melhorar a proteção nos pedais. Várias recomendações foram registradas visando implementação nos novos carros de 2022.

Haas se partiu em duas e Grosjean ficou preso (Foto: Haas)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O regulamento da FIA exige tanques de combustível do tipo FT5-1999, da fornecedora ATL, mas com cada equipe adequando em seus modelos. Em 2019, a entidade fez um processo de inspeção nos times para ver se todos estavam de acordo com as regras, algo que vai repetir na atual temporada. Segundo o RaceFans, quatro equipes devem ter os sistemas reprovados — Haas, Ferrari, Alpine e Red Bull.

Procuradas pela publicação, Haas e Ferrari afirmaram que usam o mesmo sistema de pedais e tanques e que sempre aderiram o padrão da FIA. Alpine e Red Bull não responderam os questionamentos.

Os restos do carro carbonizado de Grosjean (Foto: AFP)

Na questão do apoio de cabeça, o comitê analisou que essa não foi a primeira vez que o equipamento se soltou. Kevin Magnussen perdeu a peça em batida no GP da Bélgica de 2016, assim como Lewis Hamilton enfrentou problemas durante a etapa do Azerbeijão no ano seguinte. Por isso, “pequenas mudanças” vão ser realizadas, mas a FIA ainda não acredita que é uma situação de “100%” de confiança.

A revisão na área dos pedais também foi discutida visando o regulamento de 2022, quando os carros vão passar por drásticas mudanças aerodinâmicas. “Alguma coisa boa saiu de um acidente tão feio”, afirmou uma fonte ao RaceFans.

https://open.spotify.com/episode/56EWZtjjXZerTSc5mEGdpr?si=dXJwGloaQQ6ZEGdY1gUInQ&nd=1

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube