GP às 10: Recusar Red Bull? Apostar na Honda? Alonso tomou decisões erradas, mas que fizeram sentido

Na esteira da revelação de que foi Fernando Alonso quem recusou a ida para a Red Bull e assumiu o risco de liderar a aliança McLaren-Honda, Vitor Fazio analisa, no GP às 10, que as decisões fizeram sentido. Ainda que tenham dado errado

Fernando Alonso é frequentemente lembrado pelas suas atuações na pista, mas também pelas decisões controversas que tomou ao longo da sua carreira no Mundial de F1. O assunto veio à tona novamente nesta semana, quando Helmut Marko, consultor da Red Bull, revelou que tentou contratar o espanhol para a temporada 2008 depois de o bicampeão deixar a McLaren. Depois, o próprio Fernando disse que precisava correr o risco de assumir o desafio de liderar o projeto McLaren-Honda, a partir de 2015, depois de uma passagem cheia de altos e baixos de cinco anos pela Ferrari.
 
Como se sabe, a reedição do casamento entre McLaren e Honda teve um desenrolar bem diferente da época de Ayrton Senna e Alain Prost. A escuderia britânica jamais foi competitiva neste período, e Fernando foi o protagonista de uma relação que se esfacelou entre 2015 e 2017 com críticas públicas à Honda. Mas mesmo no ano passado, quando o time de Woking substituiu a fábrica de Sakura pela Renault, a competitividade não veio. Sem uma boa vaga para seguir na F1, Alonso optou por deixar o esporte.
 
No GP às 10 desta noite de terça-feira, Vitor Fazio analisa os caminhos escolhidos por Alonso ao longo da sua carreira. E entende que, ainda que o espanhol tenha sido malsucedido, suas decisões fizeram todo sentido à época.

O GP às 10 é a série que traz um comentário em vídeo dos jornalistas do GRANDE PRÊMIO, sempre às 10h (de Brasília), do dia e da noite. Veja aqui todas as edições do GP às 10.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube