F1

Hamilton cita amadurecimento na F1 e diz que “ao longo dos anos aprendi muito sobre quem sou”

Lewis Hamilton passou por um grande processo de amadurecimento na Fórmula 1. O inglês pontuou algumas das coisas que aprendeu na categoria, ressaltando como hoje tem uma mente mais sábia que o permite pilotar em alto nível

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Lewis Hamilton comentou sobre sua vivência na Fórmula 1 e como amadureceu ao longo dos anos. O inglês ressaltou como todas as experiências que enfrentou o ajudaram a entender quem é e a pilotar melhor.
 
A temporada de estreia do agora pentacampeão foi em 2007, quando tinha apenas 22 anos. Já no ano seguinte, quando defendia a McLaren, conseguiu conquistar seu primeiro título mundial – o segundo viria apenas seis anos depois, com a Mercedes.
 
12 campeonatos mais tarde, o #44 aparece em 2019 na liderança da classificação com uma vantagem de 29 pontos para o segundo colocado. Ao olhar para trás, vê muitas mudanças que encarou desde sua chegada à categoria.
 
“Bem, naturalmente, tinha 22 anos, era uma criança e para mim, pessoalmente, sinto que amadureci muito. Fui jogado nesse incrível circo e esporte. Uma coisa que estava preparado era correr, mas não estava preparado para todo o circo que vem junto”, falou.
Lewis Hamilton (Foto: Mercedes)
“Não sei se poderia dizer o que o esporte me ensinou. Naturalmente, durante todas as experiências aprendi muito sobre quem sou, como me adaptar a diferentes situações que me cercam. Fiz tudo na base de tentativa e erro”, seguiu.
 
“Cometi muitos erros durante os anos. Muitos de vocês [mídia] estiveram comigo durante essa jornada e definitivamente viram esses erros, o positivo e o negativo, então não há muito que a mídia ou você não sabiam sobre mim em termos de caráter. Não sou perfeito, mas cresci muito com o esporte e o esporte deu significado para minha vida, então sou eternamente grato por isso”, completou.
 
Hamilton ainda explicou como hoje em dia tem uma mente mais sábia, o que o ajudou a atingir o atual nível na F1. “Hoje, tenho 34 anos, sou um homem crescido e ainda amo pilotar. Ainda estou pilotando com o mesmo coração de quanto tinha 22 anos, mas com uma cabeça melhor em cima dos ombros, uma mente muito mais sábia, o que me permitiu pilotar com o estilo e habilidade que tinha antes, mas muito melhor”, apontou.
 
“Mas também viajamos o mundo, vemos muitas culturas diferentes, e todas essas diferenças, lindos países e pessoas, e acho que o que aprendi foi realmente aproveitar. Primeiro, não se preocupar com o que as pessoas pensam de você, pois cada um vai ter uma opinião, mas desde que tenha pessoas importantes ao seu redor e que te amem – como sua família, então tudo o que tem que fazer é aproveitar o que faz e fazer seu melhor, pois nossos dias são limitados”, seguiu.
 
“Tento ter certeza de que vou dormir à noite e sei que dei tudo no final de semana e vou voltar ainda mais forte na próxima corrida, e espero não cometer erros na sexta-feira, por exemplo”, encerrou.
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.