Kobayashi admite que precisa de patrocinadores para seguir na F1 e critica atual momento da categoria

Para o piloto da Sauber, é ruim para F1 contar com muitos pilotos pagantes no grid e diz que faltam pilotos de verdade na categoria. Precisando de dinheiro para seguir com um carro, ele sabe que não vai ser fácil conseguir patrocínios no Japão

Kamui Kobayashi conquistou a terceira colocação no GP do Japão e fez a alegria de seus compatriotas que estavam no circuito de Suzuka para assistir a corrida. Mas o resultado não garantiu a presença do piloto na Sauber no próximo ano e ele mesmo confirmou, nesta quinta-feira (11), que vai precisar de patrocinadores fortes para seguir na F1 em 2013.

“Um patrocinador pode me ajudar a continuar aqui no próximo ano, mas eu não tinha isso quando cheguei aqui”, disse Kobayashi, visivelmente desanimado com a situação, aos jornalistas no circuito de Yeongam, na Coreia, casa da etapa deste final de semana da F1. “É uma sensação estranha procurar patrocinadores para continuar em outra equipe ou aqui [na Sauber]”.

Kobayashi gostaria de seguir na F1 sem a necessidade de um patrocinador (Foto: Red Bull/Getty Images)

O grande desejo de Kamui é continuar na F1 sem um patrocinador para apoiá-lo, mas ele sabe que esse tipo de coisa para um piloto das equipes do meio do grid é complicada por conta da crise financeira que continua dando dor de cabeça aos principais chefes de equipe da categoria. “Neste momento, é claro que o dinheiro é muito importante, mas eu quero ser como um piloto de ponta: sem um patrocinador e com uma boa equipe. Era isso que eu sonhava quando era mais jovem”, contou.

O piloto aproveitou para criticar o atual momento da F1, que vê muitos pilotos pagantes e poucos com capacidade de acertar o carro para uma corrida. “Trazer um patrocinador é, talvez, muito importante para o futuro. Mas estamos em falta de pilotos da forma como eles devem ser, que pensam o carro. Isso é parte do trabalho do piloto, mas parece que o momento é mais sobre trazer um patrocinador. Isso não é o caminho certo de um piloto”, criticou. “Então, estou um pouco surpreso, mas vou tentar ficar na F1 no próximo ano e tentar mostrar o que sou capaz”.

Ele afirmou que não chegou à categoria com a ajuda de um patrocinador e nem está procurando por um no momento. “Se não há empresas japonesas de automóveis na F1, então é difícil porque os fabricantes de automóveis são as maiores empresas do Japão”, contou.

Perguntado se existe a chance de perder sua vaga para um piloto pagante, Kobayashi foi categórico: “Então é o destino, não?”.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube