Hamilton admite desconforto na Arábia Saudita e critica lei anti-LGBT: “É assustador”

Voz mais importante da Fórmula 1, Lewis Hamilton criticou a ida da categoria à Arábia Saudita: “Não é minha escolha, é escolha do esporte estar aqui”

F1 NA ARÁBIA: RED BULL PROVOCA HAMILTON E MERCEDES | WGP

Lewis Hamilton não escondeu o desconforto por estar na Arábia Saudita para desempenhar sua profissão, de piloto de Fórmula 1, num fim de semana decisivo para os rumos do campeonato e para as suas pretensões de buscar o oitavo título mundial. O país, que tem aportado muito dinheiro no esporte nos últimos tempos em razão do patrocínio da petrolífera Aramco, tem leis opressoras e que criminalizam a comunidade LGBTQIA+. A homossexualidade é punida com flagelação, chicotadas, prisão e até com execução.

Ciente da sua potência e do impacto que alcança com suas declarações e posicionamentos, Hamilton bradou contra o regime totalitário e extremista saudita e criticou a Fórmula 1 ao clamar por mensagens de conscientização.

No ano passado, a própria Fórmula 1 lançou uma campanha chamada We Race As One (Corremos como um só, em tradução livre) e tinha como premissa defender a igualdade e a diversidade, num discurso contra o racismo e qualquer tipo de discriminação. Contraditória, a categoria não apenas mantém sua presença em países opressores como se expandiu ao levar etapas para o Catar e a Arábia Saudita.

Lewis Hamilton não está feliz e tampouco confortável por estar na Arábia Saudita (Foto: Hassan Ammar/AFP)

LEIA TAMBÉM
+ANÁLISE: Arábia Saudita se mostra imune às regras da F1 com pista muxibenta e código de vestuário
+ANÁLISE: Arábia Saudita e a transformação que sai com água
+FE ignora violações dos direitos humanos ao se render à Arábia Saudita: revolução é inumana
+Corremos como qual um só? Parabéns, F1, pelo novo punhado de dólares alcançado

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Hamilton, como profissional do esporte, sente que não tem escolha, ainda mais neste momento decisivo da temporada, a não ser viajar a um país como a Arábia Saudita e desempenhar sua profissão. Mas trata-se de uma situação muito difícil para quem sempre se posicionou contra tudo o que o governo saudita prega.

“Como disse na última corrida, senti que o esporte e que nós temos o dever de tentar ajudar a aumentar a conscientização para certas questões que vimos, particularmente os direitos humanos nos países para onde vamos”, afirmou o heptacampeão do mundo em entrevista coletiva nesta quinta-feira em Jedá, palco do GP da Arábia Saudita neste fim de semana.

“Com o maior respeito com todos os que estão aqui. Até agora recebi uma recepção calorosa de todos. Mas não posso fingir ser o mais informado ou ter a compreensão mais profunda de que alguém que cresceu na comunidade aqui é fortemente afetada por certas regras e pelo regime”, criticou Lewis, que nas redes sociais cobrou “igualdade para todos”.

Quando perguntado se se sentia bem no país, Hamilton não se furtou em responder. “Se eu me sinto confortável aqui? Não diria que sim, mas não é minha escolha estar aqui, o esporte optou por estar aqui. Seja certo ou errado, enquanto estivermos aqui, acho importante tentarmos aumentar a conscientização”.

Ao mencionar a inacreditável lei anti-LGBT, Hamilton criticou novamente a opressão que a comunidade gay vive na Arábia Saudita. “Se alguém quiser ler o que é a lei para a comunidade LGBTQIA+, é muito assustador. Há mudanças que precisam ser feitas”.

O país tem gasto milhões de dólares para tentar limpar a imagem e atrair diversos eventos esportivos nos últimos anos. Só no esporte a motor, a Arábia Saudita já recebe a Fórmula E e o Dakar, além da F1 a partir deste ano. Trata-se do que se chama de sportswashing, ou de maquiar a imagem do país e tentar passar a impressão de que o regime é um pouco mais aberto do que realmente é.

Hamilton citou o banimento de outra lei opressora do país, que proibia mulheres de dirigir, e questionou a validade do que é colocado como uma nova liberdade. “Essas mudanças, por exemplo, como os direitos das mulheres de poder dirigir, em 2018. Como elas são policiadas? Elas estão realmente em vigor? Por que algumas mulheres ainda estão na prisão por dirigir há muitos, muitos anos?”.

“Há muitas mudanças que precisam acontecer e acho que nosso esporte precisa fazer mais”, cobrou o maior vencedor da história da Fórmula 1.

O GP da Arábia Saudita marca a 21ª e penúltima etapa da temporada 2021 da Fórmula 1 e está marcado para 14h30 (de Brasília, GMT-3) deste domingo. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Fernando Alonso e Esteban Ocon chegam com troféus da Bola de Ouro (Vídeo: ESPN)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar