Lotus admite que pit-stop na Malásia “não foi o melhor” e fala em trabalho duro para melhorar

Equipe não repetiu o bom final de semana na Austrália e não ficou nem perto de vencer em Sepang. Para Paul Seaby, o desempenho nos boxes foi um dos fatores que atrapalhou o time na última semana

O desempenho ruim da Lotus no GP da Malásia não aconteceu apenas na etapa. A equipe não conseguiu ter boas paradas nos boxes, e isso acabou complicando ainda mais a prova para Kimi Räikkönen e Romain Grosjean. Engenheiro de corrida, Paul Seaby admitiu que todos os envolvidos nos pit-stops vão ter que treinar mais durante o intervalo até o GP da China, que acontece em três semanas.

“Por alguma razão, não fomos bem no fim de semana na Malásia. Na sexta-feira, nossos treinos foram muito bons, mas, no sábado, estávamos com dificuldade. Tivemos a mudança da pista de molhado para seco, além alguns ajustes no carro. As mudanças não ajudaram, mas, mesmo com isso em consideração, ainda não foi nosso melhor trabalho”, explicou.

Trabalho nos boxes da Lotus não foi ideal na Malásia (Foto: Andrew Ferraro/ Lotus)

“Temos que trabalhar mais, colocar todos no ritmo e praticar mais um pouco mais em Enstone, e trabalhar duro para voltar ao nosso lugar. Quando estamos bem, somos elogiados. Quando não estamos, precisamos encarar isso e trabalhar juntos”, continuou.

Além da melhora no desempenho dos pit-stops, o diretor demonstrou ansiedade para acabar com a diferença de desempenho entre os carros – Räikkönen recebeu as primeiras atualizações do E21, enquanto Grosjean ainda está com parte da configuração do início dos testes.

“Um dos principais objetivos é garantir que os dois pilotos tenham tudo disponível. Romain estava sem a atualização mais recente do sistema de escapamento na Malásia. E ainda teremos novas atualizações nos dois carros em cima dos dados que temos”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube