F1

Magnussen elogia Button, mas vê Grosjean como companheiro “mais rápido” da carreira na F1

Kevin Magnussen tem suas cutucadas para cima de Romain Grosjean, mas também tem o elogio. Um deles é dizer que Grosjean, incrivelmente rápido durante o curso de uma volta, consegue superar o campeão mundial Jenson Button no quesito. E apesar de reconhecer que as atualizações da Haas colocaram o carro mais a favor do francês, deixou claro: apenas Kevin andou forte antes e depois das mudanças
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Kevin Magnussen e Romain Grosjean (Foto: Haas)
Kevin Magnussen está no terceiro companheiro de equipe fixo na F1. O primeiro deles, ainda em 2014, na McLaren, foi o campeão mundial Jenson Button. Mas o atual parceiro de equipe, Romain Grosjean, é o mais rápido que ele já teve. Ao menos foi a declaração dada pelo piloto dinamarquês.
 
Apesar do pesado elogio a Grosjean, a declaração não foi de tamanho carinho por parte de Magnussen. Apesar de dizer que Romain é mais rápido que Button, avalia que o "pacote completo" do inglês, que inclui inclusive a questão pessoal, é melhor.
 
"Se você olhar para o pacote completo - lado humano, química, tempo de voltas e daí por diante - Jenson foi o melhor companheiro de equipe que eu tive. Mas não há dúvidas que Romain é mais rápido que Jenson. Em uma volta, Romain é incrivelmente rápido quando tudo dá certo para ele", disse.
 
A declaração seguiu mordendo a assoprando com relação a Grosjean. Magnussen admitiu que a parte final da temporada 2018 do francês foi melhor que a dele, uma vez que as atualizações da Haas deixaram o carro mais à feição de Romain. Mas cutucou: diferente do companheiro, ele andou forte também antes da atualização.
Kevin Magnussen (Foto: Haas)
"Romain voltou depois de um período difícil e talvez tenha feito parecer que eu piorei um pouco, mas não foi o caso. Ele apenas voltou ao nível mais alto. É claro que, com as atualizações, Romain ficou com um carro bem casado com suas características. No geral, estava melhor [o carro], mas diferente de Romain eu podia guiar o anterior também", afirmou.
 
Com relação à Haas, concluiu que o time segue em crescimento e teve um 2018 à frente do que esperava.
 
"Ainda somos um time jovem numa curva de crescimento grande. Talvez tenhamos tido um carro melhor que esperávamos. Estávamos lutando numa classe acima da que pertencíamos. Mas é um problema de luxo que mostra quanto talento e potencial essa equipe tem. Na verdade, tive dificuldades para entender o que fez tanta diferença com Romain", admitiu.
 
Os dois, Magnussen e Grosjean, seguem juntos para um terceiro ano de Haas.