McLaren monopoliza primeira fila com Hamilton na pole em Monza. Massa é 3º e larga à frente de Alonso

Pela terceira vez consecutiva a McLaren terá um de seus carros na posição de honra do grid de largada. Será Lewis Hamilton quem largará na frente neste domingo (9), em Monza, na Itália, com Jenson Button a seu lado. Fernando Alonso foi mal no Q3 e ficou apenas em 10º, enquanto Felipe Massa conquistou seu melhor resultado do ano em classificações

► As imagens deste sábado da F1 na Itália

A primeira fila é do grid de largada para o GP da Itália é prateada. Lewis Hamilton não decepcionou na tomada de tempos, manteve o bom rendimento dos treinos livres e cravou a pole-position para a 13ª etapa do Mundial de 2012, a terceira consecutiva da McLaren.

Jenson Button foi o segundo colocado e Felipe Massa apareceu em uma ótima terceira posição, bem à frente de Fernando Alonso – a primeira vez que isso acontece em 2012. O espanhol foi o mais rápido no Q1 e no Q2, mas teve um Q3 frustrante, graças a um problema mecânico em sua F2012, e largará apenas em décimo neste domingo

Button, Hamilton e Massa posam para fotos após a classificação em Monza (Foto: Red Bull/Getty Images)

Merece destaque o desempenho de Paul di Resta, quarto colocado na tomada de tempos, nono no grid, por causa de uma punição por troca de câmbio. Isso coloca Michael Schumacher na segunda fila.

Na base da superação, Sebastian Vettel, que em momento algum durante o fim de semana andou entre os primeiros colocados, vai largar em quinto. A sequência do grid tem Nico Rosberg, Kimi Räikkönen e Kamui Kobayashi.

O outro piloto da Red Bull na disputa pelo título, Mark Webber, amargou mais um revés. Ele sequer conseguiu integrar o grupo que disputou a pole-position e ficou em 11º. Junto dele, também ficou pelo caminho no Q2 Bruno Senna, que começará o GP da Itália em 13º.

Hamilton celebra evolução da McLaren na classificação em Monza
Alonso lamenta perda de "pole-position fácil"
Massa diz que "estava precisando" largar à frente de Alonso
Senna admite que "faltou um pouquinho" em volta rápida

Q1: Alonso mais rápido; Hülkenberg salva D’Ambrosio da eliminação

O primeiro piloto a deixar os boxes na sessão de classificação foi o australiano Daniel Ricciardo, da Toro Rosso. Em pouco tempo, 16 dos 24 pilotos estavam na pista. O primeiro tempo registrado na tomada de tempos, por Ricciardo, foi de 1min26s760. Nada demais. Rapidamente, Jérôme D’Ambrosio, estreando na Lotus, já conseguiu uma volta melhor.

Aos que pensavam em evitar o 18º lugar e a prematura eliminação no Q1, junto das nanicas, veio um fator tranquilizante. Nico Hülkenberg, com um problema no câmbio, parou no fim da reta dos boxes. Foi a segunda falha do tipo do fim de semana na Force India, que viu Paul di Resta punido em cinco posições por trocar o sistema.

Nico Rosberg chegou a liderar, mas quem estava mesmo disposto a ficar na primeira posição era Fernando Alonso. Assim que entrou na pista o espanhol já tratou de registrar duas voltas voadoras consecutivas e disparar em relação aos rivais.

Junto de Alonso, Massa também andou bem e se colocou entre os cinco primeiros. Por lá estavam as duas Mercedes e Di Resta e, em certo momento, Bruno Senna foi outro que apareceu bem, em quinto.

A McLaren foi a última a mandar seus pilotos à pista, em um risco calculado. Quando finalmente partiram para voltas cronometradas, Lewis Hamilton e Jenson Button subiram para segundo e terceiro, respectivamente.

Alonso lamentou o problema que teve e a décima colocação no grid (Foto: Ferrari)

O Q1 chegou ao fim com Alonso em primeiro, seguido por Hamilton, Button, Rosberg, Di Resta e Massa. Discreto como em todo o fim de semana, Vettel estava em sétimo.

Os eliminados foram, do 18º ao 24º: Heikki Kovalainen, Vitaly Petrov, Timo Glock, Charles Pic, Narain Karthikeyan, Pedro de la Rosa e Hülkenberg. A falha no câmbio de Hülkenberg salvou D’Ambrosio, o 17º colocado.

Para as estatísticas: esta foi a primeira vez desde o GP da China de 2005 que o indiano da HRT se classificou a frente de seu companheiro de equipe.

Q2: Alonso de novo na frente. Massa vai ao Q3 e Senna fica pelo caminho

Mais disputada, a segunda parte da classificação teve todos os pilotos entrando na pista de uma vez em seus primeiros minutos. Alonso começou na frente, com um tempo de 1min24s242, 0s1 mais lento que o do Q1. Massa foi para segundo e, Di Resta, mostrando a boa forma da Force India em Monza, era o terceiro.

Jenson Button e Nico Rosberg demoraram um pouco mais, mas também queriam andar nas primeiras posições. O inglês melhorou bastante em relação ao Q1 e ficou a apenas 0s013 de Alonso, na segunda posição. O alemão foi para quarto, quinto depois que Lewis Hamilton marcou o terceiro tempo.

A briga para saber quem avançaria ao Q3 é que começava a esquentar. O mais interessante, sem dúvida, era o sofrimento da Red Bull, que tem dois pilotos na briga pelo título, mas que perdeu muito desempenho em relação a suas adversárias. Vettel era o nono e Webber, o 13º.

Esta é a terceira vez que a dupla da McLaren fecha a primeira fila para si em 2012 (Foto: McLaren)

A quatro minutos do fim, o tempo a ser batido para os que almejavam garantir um lugar entre os dez era de Pastor Maldonado: 1min25s036.

O venezuelano conseguiu ganhar uma posição em sua segunda tentativa, foi para nono e colocou Vettel na berlinda. Senna, antes 11º, caiu para 13º. E Kamui Kobayashi, que estava apagado no fim de semana, subiu para oitavo.

Em cima da hora, Vettel alcançou o nono tempo. Mark Webber, por sua vez, já sabia que estava de fora, em 11º. Kimi Räikkönen chegou a cair para décimo, mas conseguiu, por pouco, se classificar para o Q3. Em um último suspiro, Senna não foi capaz de melhorar seu próprio tempo de volta e ficou pelo caminho.

Os eliminados, do 11º ao 17º, foram: Webber, Maldonado, Pérez, Senna, Ricciardo, D’Ambrosio e Jean-Éric Vergne. Punido em 10 lugares, por queimar a largada e provocar um acidente (com Timo Glock) no GP da Bélgica, Maldonado largaria, portanto, apenas na 22ª posição.

Q3: Problema tira Alonso da briga e Hamilton não desperdiça chance

A Ferrari não quis saber de perder tempo no começo do Q3. Fernando Alonso e Felipe Massa foram os primeiros a entrar na pista na fase final do treino, em busca da pole-position. O espanhol foi quem abriu volta primeiro, mas o brasileiro que completou a frente, com o tempo de 1min24s436. Não seria suficiente para a pole-position.

Com o melhor tempo nas três parciais, Lewis Hamilton cravou 1min24s010 e foi para primeiro. Jenson Button não conseguiu andar melhor que Massa e ficou em terceiro, e Sebastian Vettel estava em quarto.

Massa, terceiro no grid (Foto: Ferrari)

Foram apenas estes cinco os que partiram para duas tentativas de conquistar a pole-position. Os demais abriram suas voltas cronometradas já na metade final do Q3. As Mercedes foram as primeiras: Michael Schumacher foi para quarto e Nico Rosberg, para quinto. Räikkönen, por sua vez, assumiu o sexto lugar provisório.

Ainda havia, porém, Paul di Resta, que apareceu pela primeira vez na folha de tempos do Q3 em segundo lugar. Quem estava desesperado por uma boa volta era Alonso, um dos favoritos à pole, mas em último quando a bandeira quadriculada foi agitada.

A última tentativa do espanhol, contudo, foi desastrosa. Ele melhorou seu tempo – até porque ele era bastante ruim – mas não conseguiu se aproximar dos adversários e ficou mesmo em 10º. Lá na frente, Massa chegou a pular para segundo, mas Button queria mesmo assegurar a primeira fila da McLaren.

O top-10 do grid de largada, já considerando a punição aplicada ao piloto da Force India, ficou assim: Hamilton, Button, Massa, Schumacher, Vettel, Rosberg, Räikkönen, Kobayashi, Di Resta e Alonso.

F1, GP da Itália, Monza, grid de largada:

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube