F1

Melhor em classificação em 2018, Ocon vê dever cumprido ao atingir meta traçada pela Mercedes

Esteban Ocon tinha um desejo da Mercedes a cumprir em 2018 mais do que qualquer outra coisa: ter melhor desempenho nos treinos de classificação. Após terminar o ano superando Sergio Pérez, acredita que atingiu esse objetivo
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Esteban Ocon e Sergio Pérez (Foto: Force India)
Esteban Ocon é visto abertamente como um dos mais talentosos pilotos da nova geração da F1. Aos 22 anos, o piloto francês não estará no grid em 2019 e vai trabalhar como reserva da Mercedes, a quem tem a carreira ligada. Segundo Ocon, o que mais a Mercedes quis ver dele em 2018 foi uma evolução nos treinos classificatórios, algo que ele entregou. 
 
Enquanto Valtteri Bottas tem contrato até o fim de 2019, há a impressão de que a marca alemã está preparando Ocon para assumir o lugar do finlandês em 2020. Se esse for o caso, Esteban atendeu o pedido da Mercedes para 2018: Ocon largou no top-10 em dez oportunidades, contando um terceiro posto na Bélgica. Superou o companheiro de Force India Sergio Pérez, inclusive.
 
"Minha meta é ganhar o campeonato e vamos ver como as coisas se desenvolvem para o futuro, mas acredito que a Mercedes queria ver o piloto deles se sair melhor nas classificações. Em qualquer tipo de corrida é importante começar na frente. Quando nós temos aerodinâmica assim [como na F1] é muito difícil ultrapassar", afirmou à revista inglesa 'Autosport'.
 
"É de grande ajuda e eu estou muito feliz com minhas melhoras. Eu acredito que onde mais melhorei foi na classificação, como abordar o fim de semana. Foi nisso que fui mais forte neste ano. Larguei em sexto, sétimo ou oitavo várias vezes nessa temporada. Isso é bom e estou satisfeito", garantiu.
Esteban Ocon (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Ocon, que ficou sem lugar no grid de 2019 após uma série de acontecimentos incomuns, olha o ano de forma positiva.
 
"Eu acho que melhorei nas classificações mais que um pouco. O ritmo de corrida eu já tinha uma boa base desde que comecei na F1, mas aprendi que, na F1, se você não largar onde o carro merece, é difícil recuperar o espaço", explicou.
 
"Eu também posso comparar com meu companheiro de equipe. Creio que ele é bastante experiente, também está melhorando com o passar dos anos, mas menos que um novato. Comparado a ele, fui muito mais forte no ano passado", encerrou.
 
O lugar de Ocon na Force India foi para Lance Stroll, filho de Lawrence Stroll, milionário que lidera o grupo que comprou a equipe no meio da temporada que passou.