Mercedes assume risco e sai em vantagem na Turquia. E Ferrari vira aliada contra Red Bull

Lewis Hamilton dominou a sexta-feira de treinos livres e parece ter um carro ajustadíssimo para o circuito de Istambul. Só que terá de trabalhar para minimizar prejuízos e neutralizar Max Verstappen e a Red Bull. Neste sentido, a Ferrari aparece como uma curiosa aliada

A Fórmula 1 viveu nesta sexta-feira (8) mais um capítulo intrigante desta imprevisível temporada 2021. É que, curiosamente, foi um raro dia de treinos livres em que a Mercedes comandou as ações. Lewis Hamilton liderou as duas sessões no Istambul Park e não foi ameaçado por ninguém. O carro preto pareceu muito bem ajustado para o circuito turco, que agora apresenta um nível de aderência muito maior do que em 2020. Hamilton foi rápido em todas as condições de pneus e fechou os trabalhos em vantagem na comparação com o rival direto. Mas há uma ressalva que os heptacampeões terão de driblar para transformar a performance de hoje em vitória no domingo.

Acontece que a Mercedes decidiu trocar um elemento do motor do carro do inglês, o que vai implicar em uma punição no grid. Havia a expectativa por uma decisão desse tipo, mas a equipe alemã optou por um caminho um pouco diferente. Ao invés de substituir toda a unidade de potência, o que faria Hamilton cair para o fundo do grid, o time resolveu mudar apenas o motor de combustão interna. Foi um controle de prejuízo, digamos assim. A manobra ainda vai render uma sanção, mas menor: Lewis vai perder dez posições no GP da Turquia. Existe aí, claro, um fator estratégia, mas a verdade é que a esquadra da estrela pretende fechar todas as lacunas e afastar o risco de um abandono por falha técnica.

“Havia o risco de um problema de confiabilidade. É também uma questão evitar qualquer falha em corrida, o que ainda nos levaria a cumprir uma punição na próxima etapa”, explicou Andrew Shovlin, engenheiro da Mercedes, sobre a decisão tomada pela equipe quanto ao motor de Hamilton.

“Então, há um elemento de desempenho porque as unidades de potência perdem alguns cavalos ao longo do ciclo de vida. A punição de dez posições no grid foi o melhor cenário diante de fatores de confiabilidade e desempenho”, completou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Lewis Hamilton comandou as ações em Istambul nesta sexta-feira (Foto: AFP)

Dessa forma, a Mercedes se coloca no controle da situação. A boa notícia é que a pista turca é um território em que há chance de uma recuperação sem sobressaltos. O W12 #44 revelou um ritmo de classificação muito veloz, o que deve realmente colocar Hamilton na pole amanhã. Só que o mais importante é: o desempenho de corrida é o melhor até aqui – inclusive, superando bem a performance dos adversários pelo campeonato. A única grande preocupação foi o fato do carro sair muito de frente em alguns momentos.

“Há muita aderência. É muito mais agradável de guiar do que foi no ano passado. Começamos com uma configuração muito boa e depois fizemos algumas alterações. A pista está evoluindo, fizemos mudanças que foram boas, mas não pareciam as melhores. Faremos mais algumas para o fim de semana”, disse Lewis após os treinos.

“Precisamos conquistar a pole para minimizar o prejuízo e, então, entender como o carro se comportou nas simulações de corrida. Estamos tentando encontrar o equilíbrio”, acrescentou.

Os tempos de volta do líder da classificação também deixaram evidentes a melhora considerável do asfalto do traçado turco. Usando o pneu macio (C4), Hamilton estabeleceu 1min23s894, quebrando o recorde que pertencia a Juan Pablo Montoya, obtido em 2005. No TL1, o britânico também foi o mais rápido com o composto de marca vermelha, em 1min24s178. Aliás, Lewis e Charles Leclerc foram os únicos pilotos a romperem a barreira de 1min23s. Ainda, o melhor tempo de Hamilton no TL2 foi cerca de 4s5 mais rápido do que a marca de 2020, considerando que a Pirelli havia optado pela gama mais dura na temporada passada e que o clima também era bem diferente.

Max Verstappen, quinto colocado na sexta-feira (Foto: Getty Images/Red BulL Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Enquanto isso, Max Verstappen e a Red Bull viveram um dia mais trabalhoso. O RB16B branco e vermelho encontrou mais problemas para se adequar ao circuito turco. Tanto que a equipe austríaca dividiu os trabalhos entre os dois pilotos no acerto das asas traseiras. Max andou com mais downforce. Já Sergio Pérez saiu com menos. Só que ambos reclamaram de uma configuração que deixou o carro ora saindo de frente, ora deixando a traseira escapar. Além disso, os engenheiros taurinos têm uma equação delicada para resolver, envolvendo a velocidade de reta, temperatura de pneus e o desgaste. Sem contar a variável chuva, que ainda ronda o fim de semana.

Outro ponto que preocupa a Red Bull: Verstappen não foi veloz o suficiente em ritmo de classificação. Ficou atrás de Leclerc e Bottas. Em simulação de corrida, a perda para a Mercedes é ainda maior. Hamilton foi em média 0s5 melhor que Max com pneus médios, enquanto o finlandês do carro #77 foi 0s2.

“É confuso. Estamos um pouco fora da janela para a configuração correta do carro de Max, então hoje vai ser uma noite agitada. Vamos estudar bastante com a equipe e os engenheiros em Milton Keynes também. Acho que só precisamos entender o problema. Sabemos que temos um bom carro, então é só uma questão de entrar na janela certa, mas não acho que chegaremos a isso hoje”, admitiu Christian Horner, o chefão do time dos energéticos.

Charles Leclerc, o segundo melhor da sexta-feira (Foto: Ferrari)

“Tentamos obter o máximo de informações, então dividimos as estratégias. Foi um bom dia para o Pérez, então já temos alguns bons resultados, o que é útil para decidirmos qual plano seguir amanhã”, completou.

E entre Mercedes e Red Bull, há a Ferrari. Leclerc foi o segundo mais rápido dia, perdendo 0s166 na comparação com Hamilton no ritmo de classificação. O carro vermelho apresentou uma performance interessante em reta e parece que pode repetir os feitos de Mônaco e até mesmo o ritmo de corrida mostrado em Silverstone. O monegasco, no entanto, não tem desempenho suficiente para encarar o carro preto, mas pode muito bem atrapalhar os planos taurinos. Neste sentido, a equipe italiana, com Charles, vira um triunfo para os alemães.

Fórmula 1 volta a acelerar em Istambul Park neste sábado. O treino livre 3 terá início às 6h (de Brasília, GMT-3), enquanto a classificação está marcada para 9h. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar