Mercedes descarta promoção de Russell em 2020: “Não queremos queimá-lo”

No meio da disputa entre Valtteri Bottas e Esteban Ocon, George Russell está descartado. Toto Wolff afirma que o ambiente de pressão da Mercedes poderia ser terrivelmente ruim para o piloto de 21 anos, e afirmou que não pretende quebrar o contrato com a Williams

Ainda sem decidir o segundo piloto da Mercedes para 2020, Toto Wolff já descartou um nome. O chefe de equipe afirmou que o jovem George Russell, que faz sua primeira temporada na Fórmula 1 pela Williams, não está na disputa do segundo carro do time alemão.
 
O chefe de equipe, que ainda decide entre Valtteri Bottas e Esteban Ocon para a próxima temporada, comentou que não quer jogar Russell, atualmente com 21 anos, na fogueira. Wolff crê que o ambiente não seria o melhor para o jovem piloto inglês
 
"Eu não acho que pela possibilidade de aprender na Mercedes, você será colocado em um carro que pode brigar por vitórias e campeonatos em um ambiente de alta pressão, e acho que pode ser terrivelmente ruim para um piloto que tem o talento para se tornar campeão do mundo se ele for jogado em um ambiente junto do melhor piloto de sua geração, que está conosco por sete anos. Não quero queimar o George. Acho que está em um bom lugar na Williams, ajudou eles a retomar a forma, aprender e apreciar funções do carro. Ele me viu depois da classificação na Hungria e está muito feliz que finalmente entendeu como ajustar o carro", comentou Wolff ao site inglês ‘RaceFans.net’.
George Russell (Foto: Williams)
Apesar de ser o único piloto que não somou pontos na Fórmula 1 em 2019, Russell é considerado como um dos destaques pelo desempenho com a Williams, claramente o pior carro do grid, mas que nas mãos do jovem, consegue ficar à frente de monopostos mais desenvolvidos.
 
Wolff destacou que Russell está ficando cada vez mais confortável no time de Grove, que funciona como ambiente de aprendizado, e também revelou que não tem intenções de quebrar o contrato, que vai até o fim de 2020.
 
"Eu acho que nesses momentos ele precisa aprender e apreciar. Um dia, ele receberá um carro que brigará por títulos e vai apreciar também. Então, penso que seria muito cedo, e quero ser respeitoso com todos os contratos que assinamos, e assinamos um contrato, sabíamos que o estávamos fazendo, fizemos com a Williams, e é lá que ele vai aprender", seguiu.
 
No meio da polêmica troca da Red Bull, que substituiu Pierre Gasly por Alexander Albon, Wolff destacou a maturidade de Max Verstappen, que também chegou jovem na Fórmula 1, teve espaço para errar e hoje é um dos principais nomes do grid.
 
"Estes caras vem para a Fórmula 1, e existem exceções da normalidade como Max Verstappen, que teve um ambiente na Toro Rosso para aprender e errar, e até na Red Bull teve este espaço. É impressionante ver o avanço dele em todos os aspectos. Como personalidade, não tem uma palavra ruim sobre a Honda, só elogios ao time. O compromisso dele com o time é o comportamento certo de um piloto. Não esperaria mais nada", comentou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar