Mercedes prega independência da Williams e fica fora de debate sobre Russell

Chefe da Mercedes, Toto Wolff “não ficaria feliz” com uma possível demissão de George Russell na Williams. O dirigente, entretanto, negou impacto sobre o fornecimento de motor

A Mercedes não quer se meter nas decisões da Williams para 2021. Mesmo com a nova gestão da equipe britânica não descartando romper o contrato de George Russell, protegido pela montadora alemã, o chefe Toto Wolff deixa claro: a escuderia rival é independente e livre para tomar a decisão que julgar adequada.

“Nós não ficaríamos felizes, mas isso não afetaria nossa relação com a Williams”, disse Wolff, entrevistado pela revista Auto Motor und Sport. “O contrato de motor não é vinculado ao Russell, é um acordo separado. Temos com a Williams um contrato até 2025 e a Mercedes é conhecida por respeitar contratos”, afirmou.

“Nós respeitamos a independência da Williams. Eles precisam tomar a decisão que seja melhor para a equipe. [Se Russell for demitido], a gente passaria a ter um piloto reserva sensacional com o George. A gente daria para ele tantos testes quanto possível, deixando-o preparado para 2022 e além”, seguiu.

George Russell tem contrato para 2021, mas isso não garante paz (Foto: Williams)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A afirmação de Wolff descarta uma possibilidade levantada nas últimas semanas, a de que o contrato de Russell implica em economia no acordo de fornecimento de motor. Williams e Mercedes renovaram o vínculo em 2019 até 2025, último ano da configuração atual de unidades de potência.

Com a Mercedes se distanciando, cabe à Williams decidir o que fará com Russell. O britânico era visto como uma jóia por Claire Williams, que deixou a chefia após a venda ao Dorilton Capital. Só que a nova gestão não é tão apegada: a busca por cláusulas de rescisão contratual gera o risco de George ser limado já ao fim de 2020. Assim, os donos teriam a oportunidade de buscar substituto com maior aporte financeiro. O mesmo vale para Nicholas Latifi, mas com uma diferença: o canadense já colabora bastante no lado financeiro, sendo piloto pagante.

Caso Russell seja de fato demitido, Sergio Pérez vira uma alternativa. O rumor ganhou força ao longo da última semana, apesar de o mexicano também se assanhar com a vaga aberta na Red Bull, hoje ocupada por Alexander Albon.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube