Mercedes vive revés que pode até mudar GP do Canadá. Mesmo assim, segue favorita

O incidente que tirou Lewis Hamilton do segundo treino livre em Montreal acabou por mudar a história da sexta-feira e revelou certo equilíbrio, com a Ferrari à frente de Valtteri Bottas. Mas ainda que os alemães tenham enfrentado alguns reveses, seguem favoritos no Canadá

Foi ainda em 2017 que Lewis Hamilton se viu fora de uma sessão por um erro como o desta sexta-feira (7), em Montreal. Lá trás, o inglês perdeu o carro na subida do Laranjinha, em Interlagos, e acertou a barreira de proteção, ficando fora da classificação. Hoje, o pentacampeão vinha em um stint com os pneus médios quando cometeu um erro entre as curvas 8 e 9 e bateu o Mercedes #44, danificando o pneu traseiro direito. O incidente aconteceu ainda na primeira parte do segundo treino livre e comprometeu todo o trabalho do piloto e da equipe. Hamilton não teve como retornar à pista e ficou impedido, portanto, de conduzir as simulações de classificação e corrida. Lewis já havia liderado o TL1 e surgia na liderança à tarde, confirmando o favoritismo no Gilles Villeneuve. Mas o revés agora pode até custar caro. Mas nem tudo é o que parece com a pentacampeã prateada na Fórmula 1
 
Como dito, Hamilton não pode avaliar o desempenho do W10 em condições de voltas rápidas e prova, então o TL3 deste sábado será mais agitado do que o de costume. A Mercedes precisou mudar toda a parte traseira do carro depois da pancada. E isso envolveu da caixa de câmbio à suspensão. Certamente, levanta alguma dúvida sobre o impacto dessa mudança do ponto de vista do acerto e do comportamento dos pneus. Mas tendo a performance de Valtteri Bottas como referência, a situação parece bem menos dramática. O favoritismo segue lá, pois. 
Lewis Hamilton acertou o muro no segundo treino livre no Canadá (Foto: Reprodução)

Com certeza, o incidente é uma preocupação, assim como a falha no sistema de combustível do motor de Bottas, bem no fim de semana em que a esquadra traz uma grande atualização da unidade de potência. Só que, de novo, o favoritismo continua. Isso porque a simulação de corrida mostrou uma Mercedes ainda melhor que a concorrência. 

 
Valtteri andou com pneus vermelhos – os C5/macios – e os brancos – C3/brancos. A Pirelli ainda levou os C4/médios, mas a equipe prata não os usou em ritmo de corrida com o #77. Foi neste cenário que Bottas conseguiu manter um desempenho na casa de 1min15s8 com os vermelhos. Já com os brancos – menos velozes, mas mais duráveis -, a performance foi ainda melhor: 1min16s2. Foram 18 voltas bem consistentes, o que apenas comprova a força da Mercedes nesta pista, que se apresentou suja e muito quente. 
 
A Ferrari, por outro lado, teve mais a se preocupar. Apesar da ponta à tarde e de ter colocado os dois carros à frente da Mercedes em ritmo de classificação, a esquadra italiana seguiu tendo dificuldade com os compostos. Tanto Charles Leclerc quanto Sebastian Vettel reclamaram de superaquecimento e desgaste excessivo em simulação de corrida. 
Charles Leclerc (Foto: AFP)

Nem Leclerc e nem Vettel usaram os pneus duros. O monegasco foi para a simulação com os compostos amarelos/médios e andou em 1min17s6 em média. Já Vettel preferiu testar os vermelhos/C4. Com eles, andou em 1min19s1 – desempenho bem acima dos rivais. Ou seja, se há uma chance, ela está em classificação, usando tudo que tem: da mudança quanto à carga aerodinâmica a alterações feitas na altura entre a parte dianteira e traseira da SF90, bem como os novos elementos do motor. 

 
Ao fim ao cabo, a sexta-feira com a Ferrari melhor é irreal. 
 
A Red Bull também enfrentou seus fantasmas. E os dois pilotos sequer ficaram dentro do top-10, com o adicional da batida de Max Verstappen e que limando qualquer chance de simulação de classificação. De toda a forma, a equipe destoa das primeiras colocadas. E a grande surpresa do dia acabou sendo a McLaren, que colocou Carlos Sainz em quarto lugar, ajudada por diversos elementos novos. 
 
Como de costume, parece que o pelotão intermediário terá um novo revezamento na liderança.

GRANDE PRÊMIO acompanha todos os treinos livres, a classificação e o GP do Canadá de Fórmula 1 AO VIVO e em TEMPO REAL. A última sessão antes da definição do grid acontece neste sábado, a partir das 12h (de Brasília). 

 
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube